Histórico

Destaque
  • Destaque
  • Destaque
  • Destaque
  • Destaque
  • Destaque
  • Destaque
  • Destaque
  • Destaque
  • Destaque
  • Destaque
  • Destaque
  • Destaque
  • Destaque
  • Destaque
  • Destaque
  • Destaque
  • Destaque
  • Destaque
  • Destaque
  • Destaque
  • Destaque
  • Destaque
  • Destaque
  • Destaque
  • Destaque
  • Destaque
  • Destaque
  • Destaque
  • Destaque
  • Destaque
  • Destaque
  • Destaque
  • Destaque
  • Destaque
  • Destaque
  • Destaque
  • Destaque
  • Destaque
  • Destaque
  • Destaque
  • Destaque
  • Destaque
  • Destaque
  • Destaque
  • Destaque
  • Destaque
  • Destaque
  • Destaque
  • Destaque
  • Destaque
  • Destaque
  • Destaque
  • Destaque
  • Destaque
  • Destaque
  • Destaque
  • Destaque
  • Destaque
  • Destaque
  • Destaque
  • Destaque
  • Destaque
  • Destaque
  • Destaque
  • Destaque
  • Destaque
  • Destaque
  • Destaque
  • Destaque
  • Destaque
  • Destaque
  • Destaque
  • Destaque
  • Destaque
  • Destaque
  • Destaque
  • Destaque
  • Destaque

Recife, 18 de junho de 1960. Depois de fundar um jornal e uma rádio, o empresário F. Pessoa de Queiroz inaugurava a emissora de televisão mais moderna do País, a TV Jornal do Commercio. O prédio na Rua do Lima, no Recife, levou três anos para ser construído. A inglesa Marconi Wireless Telegraphy Company foi responsável pelo projeto e instalação de todos os equipamentos. Tudo foi importado da Europa, até o carro das externas e a torre metálica de sustentação das antenas. A programação era feita ao vivo em três grandes estúdios, todos com ar-condicionado. Um deles funcionava como auditório com capacidade para 460 pessoas. Começava a era de ouro da televisão pernambucana, com destaque para os programas de auditório, telejornais e telenovelas comandados por radialistas famosos como Luiz Geraldo, José Maria Marques e Fernando Castelão.

Marcaram época produções como Você faz o show e Noite de Black Tie, O Meu Bairro é o Maior e Bossa Dois. Cidade Encantada, apresentado por "tia" Linda, foi um dos primeiros programas infantis da TV brasileira. Pelo auditório do Estúdio A passaram nomes famosos da Jovem Guarda como Roberto Carlos, Wanderléa e Erasmo Carlos, sem falar de Hebe Camargo, Lolita Rodrigues, Nelson Gonçalves, Jair Rodrigues, Arlete Sales, Orlando Silva, Ivon Curi e a orquestra do maestro americano Ray Conniff.

A TV Jornal - na época conhecida como Canal 2 - levou ao ar a primeira novela gravada: A Moça do Sobrado Grande, produzida em 1968 sob a direção de Jorge José. Estrelada por Jones Melo, José Pimentel e Carmem Peixoto, a novela era uma superprodução de época, com várias externas e ficou em exibição mais de nove meses. A TV Bandeirantes estreava em São Paulo e comprou a telenovela para ser transmitida na cidade em horário nobre.

No início dos anos 70, o aparecimento das primeiras redes nacionais de televisão e problemas administrativos levaram a uma crise de grandes proporções, que se estendeu até o final da década seguinte, quando a TV chegou a ficar 43 dias sem programação exibindo apenas sinal de teste (color bar). Em 1987, o Sistema Jornal do Commercio de Communicação, do qual a TV Jornal faz parte, foi comprado pelo empresário João Carlos Paes Mendonça. Foram recuperadas as instalações físicas da empresa, adquiridos equipamentos mais modernos e contratados novos profissionais. Foi nesta época que a TV Jornal do Commercio passou a ser chamada simplesmente TV Jornal e passou a integrar o Sistema Brasileiro de Televisão (SBT) na condição de afiliada.

Hoje, a TV faz parte de um dos maiores conglomerados de comunicação do Nordeste, ao lado do Jornal do Commercio, Portal NE10, JC OnLine, Rádio Jornal e Rádio JC News.