Notícia Detalhes

"O crime foi de cunho sexual", diz delegado sobre morte de fisioterapeuta


Publicado em 06.04.2017 , às 12:20 / Atualizado em 06.04.2017 , às 16:20

Por TV Jornal

Reprodução/TV Jornal

A Polícia Civil revelou detalhes da morte da fisioterapeuta Tássia Mirella Sena de Araújo, 28 anos, que ocorreu dentro do apartamento onde ela morava em um flat no bairro de Boa Viagem, na Zona Sul do Recife. De acordo com as investigações, o crime foi de "cunho sexual" e feminicídio.

O delegado Francisco Océlio, que iniciou as investigações, contou que Mirella Sena teve as roupas arrancadas pelo comerciante Edvan Luiz da Silva, 32 anos, que era vizinho dela. "Por volta das 7h25, vizinhos ouviram gritos e pedidos de socorro, mobília sendo arrastadas e cômodos caindo", contou o delegado. "Depois dos pedidos de socorro, foi ouvido, também, a voz dela (Mirella) abafada, como se estivesse dominada", completou. A perícia constatou sinais de relação sexual.

Nas investigações, a polícia concluiu que a vítima e o suspeito não tinham um relacionamento e mal se conheciam. Em depoimento, Edvan Luiz disse que tinha visto Mirella Sena cerca de duas vezes, mas que eles não mantiveram contato.

Sobre como a polícia conseguiu chegar ao autor do crime, o chefe da Polícia Civil de Pernambuco, Joselito Kherler, informou que todos os caminhos levaram ao comerciante. "O rastro de sangue, o fato dele não abrir a porta, as lesões corporais e a cena do crime. O 'palco' remete à luta. E ele (Edvan) era lutador", contou Joselito Kherler.

"Dificilmente ela sairia viva"

De acordo com o chefe da Polícia Civil de Pernambuco, Joselito Kherler, Mirella dificilmente sobreviveria à investida do suspeito pela proximidade. Facilmente a vítima poderia reconhecer o vizinho. "Ela lutou bastante antes de morrer. Mirella chegou a segurar a lâmina da faca, pois nas mãos havia lesões de defesa. Mas ele era muito mais forte que ela", contou o delegado.

A faca usada no crime ainda não foi encontrada pela polícia. "Ele (Edvan Luiz) tentou se desfazer de todas as provas. A camisa usada no crime foi atirada pela janela e encontramos ela impregnada de sangue. Ele não conseguiu apagar tudo. No apartamento dela também existiam pegadas que remetem à ele", detalhou o delegado Joselito Kherler.



Autuação

O comerciante Edvan Luiz da Silva, 32 anos, foi autuado em flagrante por homicídio triplamente qualificado pela morte da fisioterapeuta Tássia Mirella Sena de Araújo. Entre as qualificadoras, segundo a polícia, o feminicídio e o estupro. O suspeito foi preso horas depois do crime. De acordo com o gestor do DHPP, o delegado Ivaldo Pereira, o comerciante nega participação no crime, mas entrou em contradição ao responder algumas perguntas feitas pelos agentes.

A Justiça definirá nesta quinta-feira (6) o destino do suspeito. De acordo com Abraão Nascimento, advogado de Edvan Luiz, uma audiência de custódia será realizada no Fórum Desembargador Rodolfo Aureliano, na Ilha Joana Bezerra, às 13h, para decidir se ele será preso ou não.

Amigos e familiares da jovem estão revoltados com a possibilidade de soltura do suspeito e organizam um protesto na frente do fórum durante a audiência.

Reprodução/TV Jornal

O crime

A fisioterapeuta Tássia Mirela Sena de Araújo, de 28 anos, foi encontrada morta dentro de um flat na Rua Ribeiro de Brito, no bairro de Boa Viagem, na Zona Sul do Recife. Por volta das 7h, vizinhos escutaram gritos de socorro e acionaram a polícia.

De acordo com o perito Tadeu Cruz, que esteve no local do crime, a vítima foi encontrada despida e com um corte profundo no pescoço provocado por uma faca. Um vídeo obtido com exclusividade pela Rádio Jornal mostra o suspeito chegando ao prédio e no elevador indo em direção ao imóvel.


Veja Também