Notícia Trânsito

CTTU libera avanço de sinal das 22h às 6h no videomonitoramento


Publicado em 11.05.2017 , às 12:10

Por TV Jornal

Reprodução/TV Jornal

As 10 câmeras da CTTU utilizadas para o videomonitoramento iniciado há 9 dias não irão aplicar multas das 22h às 6h. A concessão vale apenas para avanço de sinal vermelho e parada sobre a faixa de pedestres e tem como objetivo evitar que os motoristas se exponham ao risco de assaltos.

Quando anunciou em abril a utilização das câmeras, a Companhia de Trânsito e Transporte Urbano (CTTU) previa que o monitoramente aconteceria de forma ininterrupta durante os 7 dias da semana. Mas diante de inúmeros questionamentos de motoristas sobre a insegurança, o órgão decidiu aplicar a mesma regra já vigente para radares e lombadas eletrônicas.

No caso das lombadas, o desligamento foi determinado pela Justiça de Pernambuco a pedido do Ministério Público Estadual há 11 anos. Os motoristas que transitam pela avenida Conselheiro, campeã no registro de multas, uma média de 12 por dia na primeira semana, estão se familiarizando com a fiscalização por meio de câmeras.



A administradora Ana Maria Meira Lins admite que desde que a placa avisando sobre o vídeo monitoramento foram instaladas passou a transitar com mais cuidado pela avenida. Perguntada sobre parar no sinal vermelho durante a madrugada ela é categórica: "Não tenho coragem. Durante a madrugada acabo avançando o sinal".

O que vai ser fiscalizado

Estacionar em local proibido, com multa de R$ 130,16 mais quatro pontos na carteira;

Parar na faixa de pedestre e conversão proibida, com multa de R$ 195,23 mais cinco pontos na carteira;

Para os motociclistas que estiverem sem capacete, a multa é de R$ 293,47 mais sete pontos na carteira;

Estacionar em fila dupla rende multa de R$ 195, 23 mais cinco pontos na carteira;

Parar o veículo no cruzamento dá multa de R$ 130, 16 mais quatro pontos na carteira.

Já, as infrações como excesso de velocidade e avanço de sinal vermelho não vão poder ser registradas pelas das câmeras. Nelas, é preciso que a notificação seja validada por um equipamento aferido pelo Inmetro.


Veja Também