VIOLêNCIA CONTRA A MULHER

Jovem atacada com ácido sulfúrico pelo ex-companheiro morre no HR

A jovem passou 21 dias internada. Ela deixou um filho de 2 anos, que ainda não entende o que aconteceu

Jovem atacada com ácido sulfúrico pelo ex-companheiro morre no HR

Familiares contaram que o suspeito, que tem 27 anos, sempre batia na esposa - Foto: Reprodução/TV Jornal

Depois de 21 dias internada, morreu no Hospital da Restauração, no bairro do Derby, a atendente de lanchonete que teve o corpo queimado com ácido sulfúrico jogado pelo ex-marido, que não aceitava o fim do relacionamento. 

Mayara Stefany França Araújo, de 19 anos, estava internada desde o dia 4 de julho e morreu às 10h20 da noite., dessa quinta-feira (25). A mãe dela estava tão abalada, que teve que ser amparada por parentes. Até a liberação do corpo, foi um sofrimento para a família.

>> Suspeito diz que jogou ácido sulfúrico na ex-mulher e diz motivo

>> Ácido: Ex-marido e amigo serão indicados por feminicídio tentado

>> Sempre foi muito agressivo com ela, diz mãe de suspeito de atacar ex com soda cáustica

Tristeza

Na manhã desta sexta-feira (26), parentes emocionados foram ate o Instituto de Medicina Legal (IML), no bairro de Santo Amaro, área central do Recife. O tio, que Mayara considerava um pai, falou da dor da família, que enterrou a avó da vítima, nessa quinta-feira (25). A vítima deixou um filho, de apenas 2 anos, que ainda não entende o que aconteceu.

>> Queria 'dar um susto nela', diz suspeito de jogar ácido em ex-mulher

>> Químico: Ex-marido e amigo presos já tinham passagem na polícia

>> Preso suspeito de jogar substância química na ex-esposa no Recife

 

O caso

Mayara teve 35% do corpo queimado, depois de ter sido atingida por uma substância corrosiva. O crime aconteceu no bairro de Nova Descoberta, Zona Norte do Recife, quando ela voltava pra casa. Segundo a polícia, o ex-marido dela, o agente de saúde William César dos Santos, de 27 ano, cometeu o crime com a ajuda de um amigo, Paulo Henrique Vieira dos Santos, de 23, que segurou a jovem.

Os dois foram presos após o crime. Inicialmente, foram indiciados por lesão corporal grave. A tipificação do crime mudou para tentativa de feminicídio. Agora, com a morte de Mayara, eles devem responder por feminicidio.

#UmaPorUma

Existe uma história para contar por trás de cada assassinato de mulher em Pernambuco. O especial Uma por uma contou todas. Em 2018, o projeto mapeou  onde as mataram, as motivações do crime, acompanharam a investigação e cobraram a punição dos culpados. Um banco de dados virtual, com os perfis de vítimas e agressores, além dos trágicos relatos que extrapolam a fotografia da cena do crime. Confira o especial Uma por Uma AQUI.

COMENTÁRIOS

Os comentários abaixo são de responsabilidade dos respectivos perfis do facebook.