INíCIO DA VACINAçãO

Covid-19: Vacinas começam a ser distribuídas e vacinação nacional é antecipada

O Ministério da Saúde iniciou distribuição das vacinas contra a covid-19 para os estados. Previsão do Governo Federal é iniciar vacinação ainda hoje.


Covid-19: Vacinas começam a ser distribuídas e vacinação nacional é antecipada

Aeronaves partem de Guarulhos, com 44 toneladas de imunizantes - Foto: Fernando Frazão/ Agência Brasil

Com informações da Agência Brasil

O Ministério da Saúde inicia, na manhã desta segunda-feira (18), a distribuição das vacina contra a covid-19 para todos os estados. A previsão do Governo Federal é iniciar a imunização ainda nesta segunda-feira (18).

"Hoje ainda, até final do dia, lá para as 17h, todos [os estados] receberão. Então, a gente pode colocar a ideia de hoje, ao final do expediente, os estados começarem a vacinar", afirmou o ministro, que prevê o início da vacinação nacional para as 17h, quando todos os estados já devem ter recebido as doses e podem dar início aos seus programas de vacinação. "Cada dia é importante. Eu acho que a gente pode começar hoje, ao final do expediente", ressaltou.

O ministro da Saúde, Eduardo Pazuello, e governadores dos estados estão no Centro de Distribuição Logística do Ministério da Saúde, em Guarulhos (SP), de onde partirá a carga de cerca de 44 toneladas. 

De acordo com o Ministério da Defesa, o transporte das seis milhões de doses da vacina do Instituto Butantan, será feito por aeronaves da Força Aérea Brasileira. 

>> Covid-19: Pernambuco passa de 10.000 mortes, e secretário fala sobre vacinação

 

 

>> Após aprovação de vacinas contra covid-19, ministro da Saúde fala sobre vacinação no Brasil

>> Vacinação contra covid-19 começa no Brasil; confira quem foi 1º vacinada

>> Covid-19: Anvisa aprova uso emergencial da vacina de Oxford/AztraZeneca e CoronaVac

 

Logística

A logística de distribuição das vacinas será realizada por aviões e caminhões, compondo estes últimos uma frota de 100 veículos com áreas de carga refrigeradas, que até o final de janeiro aumentarão em mais 50. Toda frota possui sistema de rastreamento e bloqueio via satélite.

Aprovação pela Anvisa

Ontem (17), os cinco diretores da Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) aprovaram o uso emergencial da CoronaVac e da vacina da Oxford no país

Prevenção

O secretário de Saúde de Pernambuco, André Longo, lembrou que, mesmo com a notícia desse domingo sobre as vacinas aprovadas, os cuidados ainda precisam ser tomados. "Destaco, por fim, que a vacina será o divisor de águas no enfrentamento da Covid-19, porque vai mudar o curso da doença, com impacto direto na redução das hospitalizações e, consequentemente, na redução da mortalidade. Por isso, não podemos colocar nada a perder neste momento. Assim, precisamos de um esforço a mais de cada um para que mais vidas não sejam sacrificadas. É hora de reforçar os cuidados com o uso de máscara, higienização das mãos e distanciamento social", ressaltou.

 

 

1º vacinada

A primeira pessoa a ser vacinada no Brasil contra a covid-19 é mulher, enfermeira, negra e atua na linha de frente do combate à pandemia. 

Ela recebeu uma dose da CoronaVac, uma das vacinas contra a covid-19 (novo coronavírus) aprovada, neste domingo (17), pela Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa).

 

>> Governo adota medidas para combater comércio de vacinas contra a covid-19 falsas

>> Avião que iria buscar vacina contra a covid-19 na Índia tem voo cancelado no Recife

>> Vacina contra a covid-19: Saiba quem receberá primeiras doses em Pernambuco

>> Covid-19: 'Não é tomar vacina dia 20, e dia 22 estar fazendo festa', alerta Pazuello

>> Vacina contra a covid-19: veja qual a documentação necessária para se imunizar

 

 

Enfermeira

Mônica Calazans tem 54 anos e trabalha na Unidade de Terapia Intensiva (UTI) do Hospital Emílio Ribas, no centro de São Paulo.

Ela foi vacinada ao lado do governador de São Paulo, João Doria (PSDB), fiador da CoronaVac.

"Eu tenho em mente, sempre, que não posso me abater, porque os pacientes precisam de mim, por isso tenho sempre uma palavra de positividade e de que vamos sair dessa situação. O que me ajuda também é o prazer que sinto com o meu trabalho", afirmou.

A moradora de Itaquera, na Zona Leste, pertence ao grupo de risco da covid-19: é obesa, hipertensa e diabética. 

Carreira

Ela atuou como auxiliar de enfermagem, durante 26 anos, e resolveu fazer faculdade, depois. Mônica formou-se aos 47 anos. "Quem cuida do outro tem que ter determinação e não pode ter medo. É lógico que eu tenho me cuidado muito, a pandemia toda. Preciso estar saudável para poder me dedicar. Quem tem um dom de cuidar do outro sabe sentir a dor do outro e jamais o abandona," disse. 

Mônica é viúva e mora com o filho, de 30 anos. Nenhum dos dois foi infectado pela covid-19 até agora. Ela afirma que tem se cuidado muito para proteger também sua mãe, de 72 anos.

COMENTÁRIOS

Os comentários abaixo são de responsabilidade dos respectivos perfis do facebook.