DENúNCIA

Entregador diz ter sido humilhado por dono de lanchonete no Recife por conta da roupa que usava

O entregador por aplicativo contou que foi filmado pelo dono da lanchonete, que o teria humilhado por causa das roupas que usava


Entregador diz ter sido humilhado por dono de lanchonete no Recife por conta da roupa que usava

Segundo o homem, o comerciante fez uma filmagem comparando as roupas dele com a dos outros entregadores - Foto: Reprodução/TV Jornal

Um entregador de aplicativo denuncia que foi humilhado pelo dono de uma lanchonete por causa da roupa que vestia: bermuda e camisa. Segundo o homem, o comerciante fez uma filmagem comparando as roupas dele com a dos outros entregadores, e o vídeo foi parar nas redes sociais.

Entenda o caso

Todos os dias, o entregador Breno Mateus sai de casa para trabalhar como entregador de lanches, por aplicativo. O objetivo é se manter, ajudar a avó, com quem mora, e construir uma casa para a mãe.

No entanto, o que seria mais um dia de trabalho, terminou em constrangimento, no último sábado (10). Durante uma das entregas, Breno foi filmado pelo dono da lanchonete e o vídeo foi compartilhado, viralizando na internet. A repercussão gerou mais constrangimento.

>> Entregador que faz delivery a pé ganha doações para sustentar família em Caruaru

>> Com moto quebrada, entregador faz delivery a pé para sustentar família em Caruaru

Defesa do entregador

O advogado do entregador de lanches, Luiz Maranhão, pretende registrar o caso na policia e acionar a Justiça contra o dono da lanchonete.

 

>> Motoboy alega ter sido agredido por cliente depois de pedido chegar errado

>> Entregadores de aplicativos protestam contra precarização do serviço no Recife

Comentário de Anne Barretto

Durante o TV Jornal Meio-Dia desta terça-feira (13), a jornalista e apresentadora comentou sobre o caso do preconceito. 

"Uma pesquisa recente do IBGE sobre vários tipos de discriminação mostrou que 83% dos entrevistados disseram não serem preconceituosos. O preconceito está tão presente e de diversas formas que, muitas vezes, não nos damos conta. Nunca é demais lembrar que não é a roupa. Não é o cabelo. Não é a classe social. Não é a cor. Não é nada disso que define o caráter ou a competência de alguém. E para definir preconceito é preciso que a justiça avalie todos os detalhes de cada caso. Por isso, com a palavra, a justiça", expressou. 

Veja o vídeo abaixo:

 

Resposta 

A produção da TV Jornal entrou em contato com a lanchonete para falar com o comerciante, e um funcionário informou que não tinha permissão para repassar o número do telefone dele. O Bronca 24h está aberto a ouvi-lo, caso queira entrar em contato.

COMENTÁRIOS

Os comentários abaixo são de responsabilidade dos respectivos perfis do facebook.