SELEÇÃO BRASILEIRA

Tite elogia estreia do Brasil e pretende manter formação da equipe

Em coletiva, o treinador da seleção brasileira afirmou que vai buscar repetir a configuração do time que venceu a Venezuela


Tite elogia estreia do Brasil e pretende manter formação da equipe

Tite ficou satisfeito com a estreia da seleção brasileira na Copa América - Foto: Lucas Figueiredo/ CBF

Do SBT, com redação da TV Jornal - Depois da boa vitória da seleção brasileira por 3x0, em cima da Venezuela, neste domingo (13), na Arena Mané Garrincha, em Brasília, pela primeira rodada do Grupo B da Copa América, o técnico Tite avaliou positivamente a estreia do Brasil na competição. Na coletiva, o treinador citou que não deve fazer grandes alterações no time para o próximo compromisso, contra o Peru... Sejam elas táticas, de estratégia ou de escalação. Na visão de Tite, realizar tais mudanças podem prejudicar o trabalho desenvolvido com a equipe até o momento.

"Ideia inicial é não descaracterizar. Se tu desmonta uma equipe, quebra os links, as conexões, a estrutura que a gente vem montando nos dois sistemas que a gente tem, tu tira a confiança do atleta. Ele vai pro jogo e não joga bem, a avaliação fica prejudicada. De ter sim, ou no transcurso do jogo, como o jogo exige, como jogo pede, inclusive para acelerar o adversário. Tu consegue, vai minando o adversário, que vai correndo, desgastando. Nos nossos jogos, no segundo tempo a gente consegue sempre um número de oportunidades e finalizações maiores do que no primeiros", disse o comandante.

NEYMAR

A estreia da seleção brasileira teve uma apresentação decisiva de Neymar, já que o camisa 10 participou diretamente de todos os gols da vitória do escrete canarinho: cobrando escanteio que resultou no gol de Marquinho, anotando o segundo tento e dando assistência para Gabriel Barbosa deixar a sua marca.

"Sobre o Neymar, foi dito por ele: 'Quando eu estou bem fisicamente e quando estou bem de cabeça, professor, as coisas acontecem comigo'. Quando tu tem um jogador com essas virtudes técnicas que ele tem, ele tem um lance pessoal, ele desenvolveu a capacidade da assistência, pé direito, pé esquerdo. Ele fica um jogador imprevisível. Quando a gente consegue acionar ele numa faixa mais adiantada do gramado, ele fica mais protegido, porque ali o adversário fica com medo de fazer uma marcação mais firme uma falta num local importante. Nós estruturarmos a equipe para ele receber menos bolas, mas de uma forma mais eficiente para criação, esse é nosso objetivo", afirmou o técnico.

O Brasil volta a campo pela Copa América na próxima quinta-feira (17), quando enfrenta o Peru, às 21h, no estádio Nilton Santos (Engenhão), no Rio de Janeiro. 

COMENTÁRIOS

Os comentários abaixo são de responsabilidade dos respectivos perfis do facebook.