África Oriental

Professor cristão é sequestrado e queimado por fazer oração em nome de Jesus; saiba mais

Professor foi espancado e queimado por colegas de uma escola islâmica

Suzyanne Freitas
Suzyanne Freitas
Publicado em 21/04/2022 às 9:54 | Atualizado em 21/04/2022 às 10:03
Notícia
Reprodução/Morning Star News
Professor foi arrastado para dentro de mesquita para ser morto - FOTO: Reprodução/Morning Star News
Leitura:

Um professor evangélico foi sequestrado dentro de sua própria casa e arrastado para dentro de uma mesquita, onde foi espancado e queimado por colegas de uma escola islâmica que planejavam matá-lo por orar em nome de Jesus Cristo.

Segundo informações do portal Gospel Prime, o caso aconteceu na Uganda, no País na África Oriental. 

O professor Yusufu Mwanje teria se convertido ao Cristianismo no início deste ano, depois de ouvir um empresário cristão que forneceu equipamentos para a escola orando a Jesus em seu escritório, de acordo com o Morning Star News.

ATAQUE

Antes de ser demitido por ter se declarado cristão, Mwanje liderou a Escola Primária Ibunbaz em Bugiri, mas em 2 de abril ele sofreu o ataque por radicais.

“Eu queria manter minha fé em Cristo em segredo e comecei a perder as orações de sexta-feira enquanto participava das orações da noite na igreja”, disse Mwanje. “Alguns professores muçulmanos notaram minha ausência e relataram ao conselho de administração da escola.”

Por volta das 3 da manhã de 1º de abril, um funcionário não identificado ouviu Mwanje orando em nome de Cristo e o gravou. Na manhã seguinte, o funcionário reuniu outros professores para espioná-lo.

“Quando terminei as orações às 4h45 e comecei a me preparar para ir à mesquita para rezar, ouvi uma batida na porta”, disse Mwanje.

Ele conta que ao abrir a porta foi atacado por pessoas que gritavam “Allah akbar! [Allah é grande!] Este é um kafir [infiel]”. Ele relata que foi levado para dentro da mesquita e agredido.

“Eles me agarraram e me levaram para dentro da mesquita e começaram a me bater e me acusar de dirigir uma escola muçulmana, mas eu me converti ao cristianismo. Outros gritavam: ‘Um mentiroso, um mentiroso, um mentiroso. … Ele merece a pena de morte”, contou.

PERSEGUIÇÃO

Mwanje continuou: “Lembrei-me [do fornecedor] me dizendo que em tempos de perseguição, eu deveria invocar o nome de Jesus. Quando mencionei o nome Jesus em voz baixa, um agressor disse: ‘ Azab Azab ‘ , que significa ‘castigo’ em árabe. Imediatamente, dois professores islâmicos chamados Ustaz Hamudan e Hashim Sajabbi trouxeram dois velhos galões e os acenderam com fogo e começaram a me queimar com eles. Foi muito doloroso. Eu desmaiei.”

Enquanto sofria as agressões, um professor islâmico chamado Alhaji Bruhan interveio, ordenando que os homens não matassem Mwanje porque Alá o mataria.

“Ele instruiu alguns a me levarem à clínica da escola para tratamento”, disse ele. “Então percebi que Jesus tinha vindo para me salvar.”

Comentários

Mais Lidas