DESASTRE AMBIENTAL

Dano 'para o resto da vida', diz especialista sobre óleo nas praias

Mais de 200 toneladas de petróleo foram recolhidas das praias do Nordeste

Dano 'para o resto da vida', diz especialista sobre óleo nas praias

Óleo ainda tem origem desconhecida - Foto: Bruno Campos/JC Imagem

JC Online

As mais de 200 toneladas de óleo mancharão a história nas praias do Nordeste por muitos anos. Mesmo com a iniciativa da população e o trabalho das autoridades para retirar o material que vem poluindo a região, o impacto ambiental do óleo é uma realidade que afetará a orla nordestina por décadas.

>> Óleo em praias do Nordeste é dano 'para o resto da vida', diz especialista

“Uma vez que chegou nas praias e não foi retirado, o petróleo acaba cobrindo a praia, raízes e recifes de corais, principalmente esses últimos. Uma vez no local, esse óleo fica ali se decompondo e liberando muitas substâncias, como hidrocarbonetos (produtos formados basicamente por carbonos), que acabam entrando na cadeia alimentar. Acaba o local atingido virando uma zona morta. Esse processo é muito lento e pode levar décadas para ocorrer”, diz Clemente Coelho Júnior, biólogo, oceanógrafo e professor da Universidade de Pernambuco (UPE), em entrevista ao Jornal do Commercio. Ainda segundo ele, uma parte desse petróleo se solidificará, se incorporando à paisagem para sempre. “Essa parte física fica para o resto da vida”, complementou.

A limpeza desses materiais é uma corrida contra o tempo, para tentar minimizar os impactos no meio ambiente. “Depois que a mancha se espalha, o problema aumenta muito, o óleo se mistura com a água do mar e com areia e fica mais viscoso, mais difícil de ser dispersado. Se chegar à praia, a situação é ainda mais grave”,  explica o professor de Engenharia Química do Programa de Pós-Graduação da Coppe, da Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ), Márcio Nele.

>> Voluntários se reúnem para limpar óleo na praia de Muro Alto

>> Óleo avança e chega à praia de Muro Alto

>> Governo de PE convoca voluntários para mutirão de limpeza de óleo nas praias

 

Plano Nacional de Contingência

Clemente Coelho critica a forma de combate ao avanço das manchas. Na avaliação dele, houve demora para se fazer uma prevenção mais efetiva. O Plano Nacional de Contingência, por exemplo, não foi utilizado pelo Governo Federal. "O que estamos assistindo é apenas a limpeza das praias. É como apagar incêndio apenas. O óleo estava o tempo todo no mar e só agora que se fala em antecipação de danos com sobrevoos”, declarou.

O Plano Nacional de Contingência (PNC) foi criado em 2013 com o objetivo de traçar planejamento estratégico no combate e controle de vazamentos de óleo no Brasil. A não utilização desse plano foi alvo de questionamento de procuradores dos nove Estados do Nordeste, que ajuizaram uma ação civil pública para obrigar o Governo Federal a acioná-lo, em toda a costa, da Bahia ao Maranhão.

A cobrança pelo PNC também se dá devido ao pelo temor de que o óleo continue chegando às praias no futuro. Segundo Clemente, essa possibilidade é real dada as correntes marinhas e a quantidade de material despejado. 

Governo

O Ministério do Meio Ambiente e a Marinha apontam que estão sendo tomadas as iniciativas necessárias para o combate ao petróleo. A Marinha também segue com as investigações para se descobrir a origem do produto, que até agora não foi confirmada. Estudos feitos pela Petrobras apontam que o petróleo tem traço da Venezuela. O navio que provocou o vazamento, contudo, não foi localizado.

Pernambuco

O óleo voltou a chegar com força em Pernambuco, e as ações estão voltadas para o controle na orla. Segundo o governo, são necessários mais estudos, no que diz respeito à avaliação do impacto. “A nossa agência ambiental está fazendo a identificação de todos os danos causados. Em Pernambuco, o auto de infração será lavrado também pela agência ambiental. A extensão ainda estamos calculando, porque não acabou o incidente. Não se tem notícias, na história de Pernambuco, de um dano ambiental dessa extensão”, disse o secretário de Meio Ambiente e Sustentabilidade de Pernambuco, José Bertotti.

Descarte

O descarte do óleo recolhido nas praias também é uma preocupação. Segundo o professor Clemente Coelho Júnior, esse material tem grande potencial de contaminar, principalmente os lençóis freáticos, caso seja apenas enterrado, por exemplo. “[O petróleo] Tem ficar isolado, sem contato com nada, senão ele vai continuar contaminando”, disse.

Atendendo demanda do Jornal do Commercio sobre o vazamento do petróleo, o Ibama ratificou que os resíduos não podem ser colocados em lixo comum e explicou que, em um primeiro momento, o material deve ser afastado da faixa de areia sob influência da maré. Em seguida, o produto deve ser consolidado em um só local para posterior encaminhamento a uma prefeitura, onde ficará depositado temporariamente.

Em Pernambuco, o governo estadual informou que todo o petróleo recolhido do litoral será guardado para que a Petrobras faça um posterior recolhimento e dê o destino correto.

Dano à vida marinha

A fauna marinha também sofre com o impacto do óleo nas praias. De acordo com o Ibama, 15 tartarugas-marinhas foram encontradas mortas, assim como duas aves. O biólogo Clemente Júnior, contudo, alerta que o prejuízo aos animais marinhos deve ser muito maior, pois alguns casos podem não estar sendo notificados ao Ibama.

Ainda segundo o biólogo, outro impacto é o dano a micro-organismos do oceano. “Essa questão não está sendo vista, porque é difícil de se mensurar. Os micro-organismos são a base da cadeia alimentar marinha. Isso traz um impacto direto ao ser humano. Possivelmente, teremos mais estudos, no decorrer dos anos, do impacto para esse tipo de vida”, analisou Clemente.

COMENTÁRIOS

Os comentários abaixo são de responsabilidade dos respectivos perfis do facebook.