BENEFíCIO

Saiba como contestar auxílio emergencial de R$ 300 negado pelo governo

Bancários da Caixa Econômica Federal explicam como resolver o problema

Saiba como contestar auxílio emergencial de R$ 300 negado pelo governo

O auxílio emergencial foi prorrogado - Foto: Leonardo Sá - Agência Senado

Com o prazo para que os beneficiários do auxílio emergencial contestem o bloqueio no pagamento de parcelas extras da ajuda dada pelo governo federal próximo do fim, a Federação Nacional das Associações do Pessoal da Caixa Econômica Federal (Fenae) orienta para resolver o problema.

Leia também: Auxílio emergencial: confira se você recebe o benefício nesta sexta-feira (30)

Auxílio emergencial: veja se recebe e qual parcela no fim de semana

Auxílio emergencial de R$ 300: veja se recebe 1º ou 2º parcela nesta sexta (30)

A próxima segunda-feira (2) é o último dia para fazer a contestação para aqueles que chegaram a receber alguma parcela residual de R$ 300, mas pararam de receber o benefício em função da revisão mensal dos critérios. Já aqueles trabalhadores informais que receberam as cinco parcelas do auxílio emergencial de R$ 600 (ou R$ 1,2 mil, no caso de mães provedoras) e sofreram o bloqueio no pagamento do recurso extra podem contestar a decisão do governo a partir de amanhã (31) e até o próximo dia 9.

Orientações

A Fenae orienta que não é preciso se dirigir a nenhuma agência da Caixa, lotérica ou posto de atendimento do Cadastro Único para pedir a contestação. As solicitações devem ser realizadas exclusivamente pelo site da Dataprev. É preciso informar CPF, nome completo, nome da mãe e data de nascimento. 

Os pedidos serão acatados desde que o beneficiário cumpra todos os requisitos para o recebimento do auxílio residual (R$ 300). Após a reanálise dos dados, caso a solicitação seja aprovada, o auxílio extra será concedido no mês subsequente ao pedido de contestação. De acordo com o Ministério da Cidadania, o procedimento ainda não vale para beneficiários do Bolsa Família, que precisarão esperar a divulgação dos critérios para fazer a contestação. 

Ainda segundo o governo federal, cerca de 5,7 milhões de pessoas que foram aprovadas para o auxílio de R$ 600 não receberão o benefício residual de R$ 300. Quem foi incluído como dependente na declaração do Imposto de Renda (IRPF) 2019 — na condição de cônjuge, companheiro, filho ou enteado menor de 21 anos ou de 24 anos que esteja estudando — ficou de fora da lista de elegíveis para o auxílio extra, por exemplo.

A Fenae alerta ainda que os prazos de contestação terminarão antes que milhares de beneficiários saibam se vão ou não receber as parcelas residuais de R$ 300. Isto porque somente após o recebimento da quinta e última parcela de R$ 600 é que o trabalhador poderá saber se a concessão do benefício extra foi ou não negada para, em seguida, poder pedir a eventual contestação.

É o caso das pessoas que receberam a primeira parcela dos R$ 600 em junho, por exemplo. Para esse grupo, a Caixa vai finalizar o depósito da quinta parcela só no próximo dia 20, quando se encerra o chamado “Ciclo 4”.

COMENTÁRIOS

Os comentários abaixo são de responsabilidade dos respectivos perfis do facebook.