MOVIMENTO

Greve dos Caminhoneiros começa hoje, mas paralisação não é consenso

Esta segunda-feira, 1º fevereiro, é, oficialmente, o início da Greve dos Caminhoneiros, por tempo indeterminado

Greve dos Caminhoneiros começa hoje, mas paralisação não é consenso

Boletim do Ministério da Infraestrutura e da PRF informa que o trânsito é normal - Foto: Everes Oliveira/Twitter

Esta segunda-feira, 1º fevereiro, é, oficialmente, o início da Greve dos Caminhoneiros, que, segundo a categoria, vai durar por tempo indeterminado. 

Parte dos caminhoneiros anunciou atos, nesta segunda-feira (1º), mas não há consenso e muitos motoristas já disseram que não vão cruzar os braços. 

Vídeos e mensagens não param de chegar em grupos de WhatsApp de caminhoneiros autônomos, pedindo que a categoria não participe da greve.

 

 

>> Petroleiros fazem ato em apoio à greve dos caminhoneiros e contra alta de combustíveis

>> Greve dos Caminhoneiros: Justiça proíbe bloqueio de rodovias; veja quais

>> Greve dos caminhoneiros: veja as reivindicações da categoria

>> Greve dos Caminhoneiros: Veja como estão as estradas na manhã desta segunda (1º) pelo Brasil

 

Confira as reivindicações dos caminhoneiros

- Piso Mínimo de Frete:

Defesa da Constitucionalidade da Lei nº 13.703/2018, que instituiu a Política Nacional de Pisos Mínimos do
Transporte Rodoviário de Cargas, em garantia contra abusos do poder econômico, diante da vulnerabilidade de
precificação de custos-frete);

- CIOT para Todos

Contra o art. 10 da RESOLUÇÃO ANTT nº 5.879, DE 26 DE MARÇO DE 2020 que, de forma ilegal e
discriminatória, suspende por prazo indeterminado as obrigações e penalidades relacionadas ao
cadastramento da Operação de Transporte e a geração do CIOT, para as contratações que não envolvem TAC
e TAC-Equiparado, contrariando o art. 7º da Lei Lei nº 13.703/2018 e o direito de recebimento de estadias de
espera por hora parado;

 

>> Greve dos Caminhoneiros ganha apoio de mais uma entidade; Bolsonaro se pronuncia 

>> Greve dos Caminhoneiros em fevereiro: confira o que se sabe até agora

>> Bolsonaro indica que não conseguirá reverter aumento de R$ 0,09 do diesel e caminhoneiros sinalizam greve

 

- BR do Mar;

Contra redação do PL 4199/2020 aprovado pela Câmara em revisão no Senado que, a pretexto de estímulo do
modal de transporte marítimo por cabotagem entre portos nacionais, atenta contra garantias fundamentais
constitucionais, afeta diretamente políticas públicas fundamentais conquistadas e pleiteadas ao setor de
transporte autônomo rodoviário de cargas;

- PPI - Política de Preço de Paridade de Importação aplicado pela Petrobrás;

Tratamento abusivo e altamente lesivo contra o consumidor nacional de diesel combustível, gasolina e gás de
cozinha; tratamento desigual e favorecido do consumidor de óleo combustível operante no transporte de
cargas marítimo interno e lesivo aos transportadores rodoviários de cargas;

 

>> Apelamos para eles que não façam greve", diz Bolsonaro sobre paralisação dos caminhoneiros

>> Sob pressão de nova greve dos caminhoneiros em fevereiro, governo cede a pedidos da categoria

>> Nova greve de caminhoneiros: entidade com 800 mil motoristas apoia paralisação a partir de segunda-feira

 

- Contratação Direta;

Contra a contratação direta a fim de evitar abuso do poder econômico;

- Aposentadoria Especial;

Contra o retrocesso social de retirada do benefício previdenciário de aposentadoria especial sem modificação
das condições nocivas à saúde a que os transportadores rodoviários de cargas se mantém expostos no
ambiente de trabalho;

- Marco Regulatório do Transporte;

Contra a paralização injustificada do PLC 75/2018 no Senado e contra a redação modificada no texto base
estabelecido no acordo coletivo a partir da greve dos caminhoneiros de 2018;

- Jornada de Trabalho;

Contra os abusos pela falta de condições estruturais e ambientais de aplicação das politicas de cumprimento
de horário ordinário e extraordinário de trabalho, assim como dos horários de repouso e descanso e seus
reflexos sobre as remunerações;

- Resolução Contran 701/2020 e 499/2014;

Discussão participativa e revogação de dispositivos teratológicos com efeitos limitadores e intuito de domínio
de mercado por grupos específicos contra a livre participação dos transportadores de cargas a granel e sucatas;

- Fiscalização mais atuante da ANTT

Exigência de participação ativa da ANTT no atendimento de suas finalidades

 

Movimentação nas estradas

O Ministério da Infraestrutura e a Polícia Rodoviária Federal (PRF) divulgaram, às 6h, boletim do monitoramento da greve dos caminhoneiros. "Todas as rodovias federais, concedidas ou sob gestão do DNIT, encontram-se com o livre fluxo de veículos, não havendo nenhum ponto de retenção total ou parcial".

COMENTÁRIOS

Os comentários abaixo são de responsabilidade dos respectivos perfis do facebook.