HOMENAGEM

Fotos: Numa mesa de bar, Reginaldo Rossi é eternizado em estátua no Recife

Estátua do cantor Reginaldo Rossi passou a compor o Circuito da Poesia da Prefeitura do Recife

Fotos: Numa mesa de bar, Reginaldo Rossi é eternizado em estátua no Recife

Orçada em R$ 35 mil, a escultura chega para compor o Circuito da Poesia da Prefeitura do Recife - Foto: Yacy Ribeiro/ JC Imagem

Sentado em uma mesa de bar e esperando por um garçom que o atenda, o cantor Reginaldo Rossi ganhou uma justa homenagem com a instalação de uma estátua na Pátio de Santa Cruz, na área central da capital pernambucana. O artista, que foi declarado Patrono do Brega pela Assembleia Legislativa de Pernambuco (Alepe) em outubro de 2020, passou a compor o Circuito da Poesia da Prefeitura do Recife. 

A estátua de Reginaldo Rossi, feita pelo artista plástico Demetrio Silva, será entregue simbolicamente nesta terça-feira (2), às 15h15, pelo prefeito do Recife, João Campos (PSB). 

>> Estátua de Ariano Suassuna é restaurada após vandalismo; veja fotos

>> Reginaldo Rossi é declarado Patrono do Brega pela Alepe

 

 

 

Reginaldo Rossi foi esculpido junto com um microfone, uma rosa, um papel e uma bandeja com garrafa e copo de cerveja. Orçada em R$ 35 mil, a escultura chega para compor o Circuito da Poesia da Prefeitura do Recife, ao lado de estátuas de 12 importantes nomes da literatura e da música brasileira.

 

Carreira de Reginaldo Rossi 

Falecido no dia 20 de dezembro de 2013, aos 69 anos, vítima de um câncer de pulmão, Reginaldo Rodrigues dos Santos começou a carreira musical em 1963 formando com amigos o conjunto The Silver Jets, no qual permaneceu até 1965.

Boa parte dos fãs do cantor o conhecem a partir dos anos 1980, quando ele voltou a morar no Recife. O Nordeste era onde estava seu público. Depois de vários sucessos medianos, em 1987 ele estourou com Garçom, música que o marcou e é responsável pela sua unção como Rei do Brega. O termo “Rei” veio de um programa de bons índices de audiência que o cantor apresentou na TV Pernambuco. 

A princípio, Rossi não gostava de ser tratado por “brega”, afinal, a música que fazia diferia pouco da que cantava nos anos 1960/70, quando conseguiu o primeiro sucesso nacional com O pão. Boa parte das canções obrigatórias do seu repertório vem desta época: Maior que Deus (1967), Era domingo (1970), Tô doidão (1971, versão da francesa Les Daltons, de Joe Dassin), Mon amour, meu bem, ma femme, Deixa de banca (versão de Les Cornichons, de Nino Ferrer e Jean Booker). Achava que o que fazia deveria ser chamado de rock, iê-iê-iê, que considerava o movimento mais duradouro da música brasileira.

Na política, Reginaldo foi candidato a vereador do município de Jaboatão dos Guararapes em 2008 e obteve 717 votos, ficando como o 119º mais votado.

COMENTÁRIOS

Os comentários abaixo são de responsabilidade dos respectivos perfis do facebook.