BENEFíCIO

Auxílio emergencial: Após Paulo Guedes dizer que Bolsa Família pode ficar fora, Bolsonaro também sinaliza redução de beneficiários

O ministro da Economia, Paulo Guedes, havia falado em tirar os beneficiários do Bolsa Família do auxílio emergencial. Agora, foi a vez de Bolsonaro falar em reduzir beneficiários

Auxílio emergencial: Após Paulo Guedes dizer que Bolsa Família pode ficar fora, Bolsonaro também sinaliza redução de beneficiários

Estima-se que o fim do auxílio emergencial vá deixar, pelo menos, 63 milhões abaixo da linha da pobreza e 20 milhões abaixo da linha da pobreza extrema. - Foto: Fábio Rodrigues Pozzebom/Agência Brasil

Com informações do SBT

O presidente Jair Bolsonaro sinalizou que, se sair do papel, o 'novo auxílio emergencial' irá beneficiar um número menor de pessoas, em comparação ao número de beneficiários que receberam as parcelas, no ano passado.

Bolsonaro argumentou que as parcelas devem contemplar os mais necessitados. "Tivemos 68 milhões de pessoas recebendo o auxílio emergencial, e eu tive 58 milhões de votos", comparou o presidente em entrevista ao apresentador José Luiz Datena, na tarde dessa segunda-feira (8).

 

>>> BIP: Conheça proposta de novo auxílio emergencial que poderá pagar R$ 200 por mês

>> Bolsonaro fala em 'novo auxílio' para substituir auxílio emergencial

>> Presidente do Senado espera que decisão sobre volta do auxílio emergencial seja tomada ainda nesta semana

>> Prefeitura do Recife anuncia auxílio emergencial de Carnaval; veja quem tem direito e como será

>> Incremento no Bolsa Família ou novo auxílio emergencial: Presidente do Senado volta a falar sobre benefício

>> ''Estamos negociando'', diz Jair Bolsonaro sobre prorrogação do auxílio emergencial

 

Continuidade do auxílio

Bolsonaro conversou com apoiadores sobre um novo auxílio, um auxílio emergencial alterado, nessa segunda-feira (8).

Na conversa, o presidente admitiu a necessidade de continuar com o programa de transferência de renda, mas não deu mais detalhes. 

 

Sem Bolsa Família

O ministro da Economia, Paulo Guedes, reuniu-se, na última quinta-feira (4), com o presidente do Senado, Rodrigo Pacheco. Após o encontro, ele ofereceu uma possibilidade diferente de alteração no público do auxílio emergencial.

Segundo o ministro da Economia, a extensão do auxílio emergencial não abrangeria os inscritos no Bolsa Família, e se concentraria apenas na população não atendida por nenhum programa social.

Ela seria mais “focalizada” e atenderia 32 milhões de brasileiros, pouco menos da metade dos 67,9 milhões de pessoas que receberam o benefício em 2020.

 

>> Novo auxílio emergencial: Pacheco e Guedes querem benefício em troca de pauta fiscal

>> Auxílio Emergencial: Congresso analisa 14 projetos que prorrogam benefício

>> Orçamento pode ter mudanças para garantir mais parcelas do auxílio emergencial

>> Beneficiários do Bolsa Família podem ficar fora do novo auxílio emergencial; entenda

 

O auxílio emergencial

De abril a setembro de 2020, o auxílio foi responsável pela distribuição de R$ 600 às pessoas - ou R$ 1.200, no caso das mães que criam filhos sozinhas.

A partir de outubro, o valor das parcelas caiu pela metade. No dia 28 de janeiro foram liberados os últimos pagamentos.

A estimativa é de que o fim do auxílio vá deixar, pelo menos, 63 milhões de pessoas vivendo abaixo da linha da pobreza e 20 milhões de pessoas abaixo da linha da pobreza extrema. 

 

>> Beneficiários do Auxílio emergencial têm dinheiro devolvido ao governo; veja como não perder o seu

>> Bolsa Família será o novo auxílio emergencial em 2021? Benefício pode ganhar bônus

>> Novo auxílio emergencial 'é possível', mas atenderia menos pessoas; Ministro da Economia, Paulo Guedes, fala sobre condições para prorrogação

>> Retorno do auxílio emergencial é prioridade no Senado e na Câmara dos Deputados

COMENTÁRIOS

Os comentários abaixo são de responsabilidade dos respectivos perfis do facebook.