COMBUSTíVEL

Jair Bolsonaro diz que acolheu sugestões de Fernando Collor sobre o impacto do aumento da gasolina

O ex-presidente Fernando Collor esteve no lançamento da plataforma Participa + Brasil junto com Jair Bolsonaro


Jair Bolsonaro diz que acolheu sugestões de Fernando Collor sobre o impacto do aumento da gasolina

Presidente do Brasil, Jair Bolsonaro, revelou conselhos de Fernando Collor - Foto: Fábio Rodrigues Pozzebom/Agência Brasil

Com informações do UOL

O presidente Jair Bolsonaro (sem partido) revelou que convidou Fernando Collor (Pros) para uma reunião da equipe econômica e ouviu sugestões do ex-presidente como reduzir o impacto do reajuste dos combustíveis, que foi anunciado na segunda-feira (09) pela Petrobras. A declaração foi dada durante evento no Palácio do Planalto, em Brasília. O litro da gasolina custará R$ 2,25 por litro, enquanto o diesel vai para R$ 2,24 por litro e o GLP (gás liquefeito de petróleo) sobe para R$ 1,81 por botijão.

"Hoje, estávamos reunidos com a equipe econômica do Paulo Guedes, vendo a questão do impacto desse novo reajuste do combustível, que não podemos interferir e não pensamos em interferir (na Petrobras), e apareceu o senhor Fernando Collor e o convidamos para a reunião [...] Ele participou de grande parte da mesma e nos deu sugestões, sugestões bem-vindas e acolhidas por nós. Dessa forma, vamos governando", afirmou o presidente Jair Bolsonaro.

''Culpa'' do dólar

Vale lembrar que no início dos anos 1990, o ex-presidente lançou o Plano Collor e, uma das medidas, foi bloquear o saldo da poupança dos brasileiros por 18 meses, além de trocar a moeda oficial do cruzado novo para o cruzeiro. De acordo com Jair Bolsonaro, a alta no preço do combustível vai ser resolvida ''quando o dólar baixar''.

>Bolsonaro quer valor fixo de imposto para gasolina, álcool e diesel

> Petrobras anuncia mais um reajuste no preço da gasolina; confira valores

> Com três aumentos em menos de 30 dias, preço do litro da gasolina chega praticamente a R$ 5,00

"O ideal, tenho conversado com Roberto Campos Neto (presidente do Banco Central), é o dólar baixar. Mas baixar como? Com o parlamento em grande parte colaborando na votação de projetos que possam realmente mostrar que nós temos responsabilidade", disse o presidente da Républica.

COMENTÁRIOS

Os comentários abaixo são de responsabilidade dos respectivos perfis do facebook.