MERCADO

Vice-presidente, Hamilton Mourão, defende Bolsonaro sobre auxílio emergencial

O Governo Federal avalia um projeto para estender o auxílio emergencial, em 2021


Vice-presidente, Hamilton Mourão, defende Bolsonaro sobre auxílio emergencial

Vice-presidente disse que governo não pode ser "escravo do mercado", na questão do auxílio emergencial - Foto: Valter Campanato/Agência Brasil

Com informações do SBT

O vice-presidente Hamilton Mourão disse que o governo não pode ser escravo do mercado, na questão do auxílio emergencial. 

"A gente tem 40 milhões de brasileiros que estão numa situação difícil. A gente ainda continua com a pandemia. A gente acredita que, em 3 a 4 meses, a gente tenha uma produção de vacina para começar um processo de imunização consistente", afirmou.

 

>> Novo auxílio emergencial: veja o que diz o Governo sobre aumento de impostos para financiar benefício

>> Paulo Guedes diz que auxílio pode ser de R$ 250 e fala sobre Bolsa Família

 

Bolsonaro

Mourão saiu na defesa do presidente Jair Bolsonaro que, na quinta (11), em sua live, criticou a reação do mercado sobre a volta do auxílio emergencial. 

"Se ele disser que não vai auxiliar, ele vai tomar pau. Se ele disser que vai auxiliar ele vai tomar pau também. Então, é uma situação difícil e julgo que ele vai buscar a melhor solução", afirmou.

 

>> Auxílio emergencial: Medidas provisórias que permitiram o pagamento perdem a validade; entenda o que significa

>> Além do Auxílio Emergencial, novo programa de renda fixo e ampliação do Bolsa Família são discutidos

>> Novo auxílio emergencial: benefício pode voltar a ser pago em março, diz Bolsonaro

>> Auxílio emergencial: caso benefício volte em março, qual será o valor da parcela?

>> Será criado um novo imposto para financiar o auxílio emergencial em 2021? Veja o que diz o Presidente do Senado, Rodrigo Pacheco

 

O auxílio emergencial

O auxílio emergencial foi pago ao longo ano passado, como forma de conter os efeitos da pandemia de covid-19 sobre a população mais pobre e os trabalhadores informais.

Inicialmente, o auxílio emergencial contou com parcelas de R$ 600 ou R$ 1,2 mil (no caso das mães chefes de família), por mês, a cada beneficiário.

Projetado para durar três meses, o auxílio foi estendido para o total de cinco parcelas e, em setembro de 2020, foi liberado o Auxílio Emergencial Extensão de R$ 300 (R$ 600 para as mães chefes de família), com o máximo de quatro parcelas mensais. O último pagamento do benefício ocorreu no final de janeiro.

Cerca de 67 milhões de pessoas foram contempladas com o programa. 

 

>> Prorrogação do auxílio emergencial: valor de R$ 200 a R$ 600, redução de beneficiários, duração de 4 a 12 meses; veja propostas em análise no Governo

>> Novo auxílio emergencial: Proposta do governo pode reduzir valor, cortar Bolsa Família e fazer exigências aos beneficiários

>> Auxílio emergencial e Bolsa Família: instalada com 316 dias de atraso, comissão que vai analisar benefícios em 2021 tem prazo para definições

>> Auxílio emergencial: Ministro da Economia, Paulo Guedes, se reúne com presidente de comissão que vai avaliar prorrogação

>> Auxílio emergencial: Após Paulo Guedes dizer que Bolsa Família pode ficar fora, Bolsonaro também sinaliza redução de beneficiários

COMENTÁRIOS

Os comentários abaixo são de responsabilidade dos respectivos perfis do facebook.