POLêMICA

Auxílio emergencial não pode ser objeto de chantagem de Bolsonaro, diz Dilma

Presidente Jair Bolsonaro usou o auxílio emergencial, durante crítica às medidas de contenção à disseminação da covid-19 (novo coronavírus)

Auxílio emergencial não pode ser objeto de chantagem de Bolsonaro, diz Dilma

Na sexta-feira, o presidente disse que governadores que restringirem circulação deveriam bancar benefício - Foto: Roberto Stuckert Filho/ PR

Com informações do SBT

A ex-presidente Dilma Rousseff (PT) afirmou em artigo publicado em seu site que o "auxílio emergencial não pode ser objeto de chantagem".

No texto, ela criticou recentes falas do presidente Jair Bolsonaro (sem partido) sobre o auxílio emergencial.

"[Bolsonaro] chantageou os governadores, dizendo que se eles restringissem a circulação de pessoas e adotassem o necessário distanciamento social para evitar o contágio e as mortes deveriam assumir o pagamento do auxílio emergencial", disse a petista.

 

>> Auxílio emergencial: após reunião, Governo divulga definição de valor e parcelas

>> Bolsonaro diz que governadores devem pagar pelo auxílio emergencial, em crítica a medidas contra a covid-19

 

Discurso de Bolsonaro

Na sexta-feira (26), em discurso em Caucaia (CE), Bolsonaro atacou novas medidas de isolamento social. "Daqui para a frente, o governador que fechar seu estado, que acabar com o emprego deve bancar o auxílio emergencial. Não pode continuar a fazer política e jogar para o colo do presidente da República essa responsabilidade", disse. 

 

>> Novo auxílio emergencial: Jair Bolsonaro confirma, divulga valor e detalha pagamentos

>> Paulista paga auxílio emergencial aos artistas e motoristas de transporte escolares

>> Além do auxílio emergencial, programa de renda que substitua ou amplie o Bolsa Família é discutido

>> Novo auxílio emergencial terá valor de R$ 300 ou R$200, e por quantos meses? Pode aumentar? Veja o que defendem setores do governo

 

Fere a Constituição

Para Dilma, a atitude de Bolsonaro "fere a cláusula pétrea da constituição federal, como o respeito ao princípio federativo e o dever do estado de prover saúde como direito de todos".

"É uma atitude genocida, pois acrescenta ao desprezo pelas medidas para barrar as doenças e as mortes a chantagem, com o objetivo de impedir que os governadores o façam", disse.

Congresso Nacional

Ela termina o texto dizendo ter esperança no Legislativo. "O Congresso, ao votar a PEC Emergencial, deve eliminar a possibilidade de a União utilizar o auxílio emergencial para incentivar o negacionismo quanto à pandemia, chantageando governadores." 

COMENTÁRIOS

Os comentários abaixo são de responsabilidade dos respectivos perfis do facebook.