PANDEMIA DO NOVO CORONAVíRUS

Auxílio emergencial 2021: Médico da Fiocruz defende que benefício pode ajudar a diminuir casos de covid-19 na população mais pobre

Para Júlio Croda, o auxílio emergencial pode ajudar a população a ficar mais em casa


Auxílio emergencial 2021: Médico da Fiocruz defende que benefício pode ajudar a diminuir casos de covid-19 na população mais pobre

Telespectador registrou a aglomeração em BRT - Foto: Cortesia/Whatsapp

O médico infectologista da Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz) defende o auxílio emergencial como mecanismo que ajuda na contenção de circulação do novo coronavírus. Na avaliação de Croda, sem o benefício, a população mais carente sai mais de casa em busca de conseguir trabalhar para ter dinheiro. 

“A população mais pobre sempre foi mais acometida, porque é a pessoa que vai ter de pegar o transporte público e tem de sair no dia a dia, enquanto a população mais rica consegue fazer o isolamento. Nesse momento, sem o auxílio emergencial, isso fica mais evidente. A pessoa não tem dinheiro em casa, tem de sair. Por isso, é importante que o gestor lute pelo auxílio emergencial para a gente possa fazer essa população mais pobre ficar em casa”, disse o especialista na manhã desta sexta-feira (5), em entrevista à Rádio Jornal. O médico também acrescentou que a população precisa receber máscaras gratuitamente. 

Nova variante

O especialista também falou sobre a nova variante que já circula em várias regiões do país, inclusive em Pernambuco. “Uma pesquisa da Fiocruz mostrou que 50% das pessoas contaminadas em Pernambuco têm a variante P1. Ela está entre as três variantes de preocupação mundial. Ela é mais transmissível e, possivelmente,  infecta pessoas que já tiveram a doença”, alertou Julio Croda. 

“Esses dois componentes são uma preocupação para toda população e todo gestor. Porque se ela é mais transmissível, rapidamente podemos ter mais casos. Se, antes, uma pessoa infectada transmitia para 2 pessoas ou 3 pessoas, agora, transmite para 4 ou 6 pessoas. Imagine isso numa escala exponencial, imagine no número de pessoas que precisam de hospital”, chamou atenção, reforçando ainda que o número de jovens que buscam atendimento médico cresceu muito nas últimas semanas. 

Ouça a entrevista na íntegra:

COMENTÁRIOS

Os comentários abaixo são de responsabilidade dos respectivos perfis do facebook.