CORONAVÍRUS

Covid-19: 'Até raves foram registradas no último fim de semana', lamenta secretário de Pernambuco

André Longo ressaltou que a mudança de comportamento da população é necessária para controlar a situação da covid-19 no estado.


Covid-19: 'Até raves foram registradas no último fim de semana', lamenta secretário de Pernambuco

Secretário estadual de Saúde, André Longo - Foto: Hélia Scheppa/SEI

Na coletiva online sobre a covid-19 em Pernambuco nesta quinta-feira (27), o secretário de saúde do Estado, André Longo aproveitou o momento para frisar que é necessário que as pessoas mudem a postura e levem a sério a gravidade da situação da covid-19 no estado. Ele disse que até festas raves foram identificadas no último fim de semana. 

"Precisamos evitar esta onda de contágio e isso só vai ser possível reduzindo a circulação de pessoas, reduzindo assim a circulação viral (...) Além das medidas restritivas, precisamos de uma mudança de comportamento das pessoas. Não aprendemos a conviver bem com o vírus. Até raves foram registradas no último final de semana. E é por atitudes, muitas vezes, irresponsáveis como essas, que voltamos a ter acelerações da doença. Já está comprovado que se todos nós, se toda a sociedade saísse de casa usando máscaras da forma adequada, nós teríamos um melhor controle da doença, independente das atividades que fossem desempenhar", informou.

>>>Veja lista das 65 cidades de Pernambuco que seguem quarentena rígida nos dias de semana a partir desta quarta (26)

>>>Quais máscaras garantem melhor proteção contra a covid-19? Veja ranking baseado em estudo da USP

>>>Máscara de tecido protege do coronavírus? E de TNT? Médico responde

Nova variante em Pernambuco?

Ainda segundo Longo, a situação crítica de altos índices na região do Agreste levam a crer na possibilidade de uma nova variante da covid estar presente no estado. 

>>>'Se confirmada a variante do coronavírus em Pernambuco, pediremos ajuda ao Governo Federal', diz secretário

"Todas as medidas anunciadas nesta semana são extremamente necessárias para o enfrentamento deste momento mais agudo. Os dados do Agreste, inclusive, nos levam a crer, pela velocidade tamanha, na possibilidade, na hipótese de circulação, em Pernambuco, de uma nova variante. Já dividimos essa preocupação com o Ministério da Saúde, inclusive falei por telefone com o ministro Queiroga, da necessidade de uma vigilância genômica de forma mais ágil, mais rápida, já que o Brasil ainda peca na avaliação dessas variantes através do sequenciamento genético. Então, já separamos amostras mais recentes, desse mês de maio, para sequenciamento, e pedimos suporte ao Governo Federal para nos ajudar com isso", disse.

Caso a hipótese seja confirmada, o secretário detalhou o auxílio que será pedido ao Governo Federal. "Se confirmado essa suspeita, solicitamos também ao ministro que nos seja dispensado o mesmo tratamento que foi dado ao Maranhão, em Manaus, que receberam doses extras de vacinas. Também pedimos insumos, como testes rápidos de antígenos, importantes para fazer o controle, a testagem, o isolamento, o rastreamento de sintomáticos e seus contatos, especialmente nessas regiões que estão aquecidas pela doença", explicou.

Assista 

Agreste

O secretário ressaltou a situação difícil para as cidades do Agreste de Pernambuco. "O Agreste vive hoje o pior momento da pandemia. A saturação da rede de saúde por lá está gerando uma fila por leitos crescente. Por isso, estamos tendo que dar suporte (de insumos) a alguns municípios". 

Média móvel

O alto número de confirmações também colocou o Estado, pelo quinto dia consecutivo, em tendência de alta na média móvel de casos. Nesta quarta, o indicativo está em 2.560, um aumento de 34% quando comparado ao apresentado duas semanas atrás. Já a média móvel de mortes está em tendência de estabilidade. Nesta quarta, aponta em 58.

A média móvel é entendida como índice ideal para medir o avanço da pandemia em um local. Ela contabiliza a média dos últimos sete dias (contando com hoje) e compara com 14 dias atrás. Variações acima de 15%, seja para mais ou menos, indicam tendência de alta ou queda, respectivamente. Já abaixo disso, indica estabilidade.

Como usar a máscara de forma correta?

  1. Higienize as mãos. Antes de tocar a máscara médica limpa, você deve lavar bem as mãos com água e sabonete. Aplique sabonete às mãos molhadas e esfregue uma na outra por pelo menos 20 segundos. Depois, enxague. Seque as mãos com uma folha de papel-toalha e, depois, descarte-a no lixo.
  2. Veja se a máscara tem algum defeito. Depois de tirar a máscara médica nova da caixa, veja se ela está em perfeitas condições ou se tem algum defeito, como rasgos. Se houver, jogue-a fora e use outro acessório.
  3. Coloque a máscara na posição correta. A extremidade superior da máscara é a que tem um detalhe que se encaixa bem no nariz da pessoa. Portanto, ela deve ficar virada para cima na hora de vestir o acessório
  4. Coloque a máscara do lado certo. A parte interna das máscaras médicas é branca, enquanto a externa tem alguma outra cor. Antes de vestir o acessório, veja se ele está do lado correto
  5. Coloque a máscara no rosto. Existem diversos tipos de máscaras médicas no mercado, cada um com um método próprio de aplicação. Com alças para as orelhas: algumas máscaras têm duas alças laterais para as orelhas. Geralmente, elas são feitas de algum material elástico. Pegue o acessório pelo elástico, passe um pela primeira orelha e o outro pela segunda.
    De amarrar: algumas máscaras têm tiras de amarrar na nuca. No geral, há dois pares (um em cima e outro embaixo). Pegue o acessório pelas tiras superiores, passe-as para trás da cabeça e dê o nó.
    Com faixas: algumas máscaras têm duas faixas elásticas que passam para trás da cabeça (sem a necessidade de amarrar). Coloque o acessório no rosto, puxe a faixa superior por cima da cabeça e passe para a nuca. Depois, puxe a faixa inferior com o mesmo movimento.
  6. Ajuste a máscara no nariz. Depois de colocar a máscara na cabeça e no rosto, segure-a na ponte do nariz com o indicador e o polegar.
  7. Se necessário, amarre a tirinha inferior da máscara. Se estiver usando uma máscara de amarrar, dê o nó na base da cabeça. Como o acessório pode acabar não funcionando se você tentar mexer nele demais, é melhor esperar até a parte do nariz ficar no lugar certo antes de amarrar as tiras inferiores
  8. Ajuste a máscara no rosto e debaixo do queixo. Depois de prender bem a máscara, ajuste-a e cubra a boca e o nariz e passe a parte inferior do acessório por baixo do queixo.

COMENTÁRIOS

Os comentários abaixo são de responsabilidade dos respectivos perfis do facebook.