TRISTEZA

Jovem baleado pela PM em protesto no Recife chora ao contar que ouviu de médico que perdeu a visão

Jonas Correia foi atingido por bala de borracha disparada por policiais militares; ele passava pelo protesto no centro do Recife quando foi atingido


Jovem baleado pela PM em protesto no Recife chora ao contar que ouviu de médico que perdeu a visão

O arrumador Jonas Correia de França, de 29 anos, foi uma das pessoas baleadas pela PM no protesto no centro do Recife - Foto: Felipe Ribeiro/ JC Imagem

Atualizada às 18h44

Aos 29 anos de idade, o arrumador Jonas Correia de França foi informado que perdeu a visão do olho direito. O rapaz foi atingido por uma das balas de borracha disparadas pela Polícia Militar de Pernambuco, no último sábado (29), durante protesto no centro da capital pernambucana contra a condução do Governo Federal e do presidente Jair Bolsonaro da pandemia da covid-19. 

Jonas Correia não participava do ato, mas foi atingido quando passava pelo centro do Recife.

 

>> Policiais militares ainda não foram afastados após atirarem nos olhos de pessoas em protesto no Recife

 

O fotógrafo do JC Imagem Felipe Ribeiro conversou, nesta segunda-feira (31), com Jonas falou sobre o diagnóstico do rapaz. "Ele [o médico] fez uns exames e disse que, completamente, eu não tenho visão mais. Mas eles querem tratar mais para não tirar o globo, mas a visão ele disse que eu não tenho mais. 

 

>> Atingidos por balas de borrachas disparadas por policiais no Recife serão indenizados pelo Estado

>> Ministério Público instaura inquérito civil para investigar violência da PM de Pernambuco em manifestação contra Bolsonaro no Recife

>> Vice-governadora de Pernambuco, Luciana Santos diz que Estado não autorizou PM a dispersar protesto contra Bolsonaro

 

O jovem está sendo acompanhado pela equipe oftalmológica da Fundação Altino Ventura (FAV), no Recife. Em comunicado à imprensa, a FAV informou que "desde o primeiro dia de atendimento, foi observado um comprometimento importante da visão de Jonas". Segundo a unidade, o rapaz irá passar por uma nova avaliação na próxima quarta-feira (2). 

Veja a nota completa: 

"O paciente Jonas Correia de França foi atendido na emergência da Fundação Altino Ventura (FAV), no último sábado (29/5), após encaminhamento do Hospital da Restauração. Nessa primeira consulta, o paciente relatava forte dor no olho direito; o exame oftalmológico identificou um edema periocular, além de sangramento intraocular.

Jonas vem sendo acompanhado, desde então, pela equipe médica da FAV, mas continua internado no Hospital da Restauração, onde é medicado para que o edema seja minimizado. Desde o primeiro dia de atendimento, foi observado um comprometimento importante da visão de Jonas.

Novos exames foram realizados nesta segunda-feira (31/5), e o paciente irá retornar para nova avaliação no dia 02/6. No momento, nenhuma cirurgia foi indicada para o caso, mas a conduta pode mudar a partir da evolução do paciente e dos resultados dos novos exames."

"E agora, como ser a minha família?"

Preocupado com o diagnóstico, Jonas Correia demonstra preocupação com seu futuro, já que não possui emprego fixo. "Agora, nessa situação que eu me encontro, como é que meus filhos, minha esposa vão ficar? Eu não trabalho fixo. Eu trabalho descarregando containers, sou arrumador, mas no momento, eu não posso levar o pão. E agora, como vai ser a minha família?, questionou o jovem. 

Veja o vídeo da entrevista de Jonas: 

"Só Deus sabe como eu tô"

Apesar do consolo do irmão, Jonas não conteve as lágrimas ao refletir sobre sua situação. "Hoje eu acordei muito triste porque é difícil pra mim acordar e me ver nessa situação. Só Deus sabe como eu tô (sic). Acordar de manhã para levar o pão de cada dia para a minha filha e me encontrar assim, perder minha visão. Meu irmão que me consolou falando de Deus, que a última palavra vem do Senhor. Eu sei. Mas a gente é ser humano, a gente sente. Mas Deus tá no controle de toda situação, eu creio", desabafou.

Entenda o caso 

O arrumador Jonas Correia de França, de 29 anos, e o adesivador Daniel Campelo da Silva, de 51, foram atingidos nos olhos por balas de borracha disparadas por policiais militares no protesto contra o governo Bolsonaro, realizado no último sábado (29), na área central do Recife. Os dois estavam no centro da cidade a trabalho e foram surpreendidos pela violência policial.

As vítimas estão internadas no Hospital da Restauração, mas o acompanhamento oftalmológico está sendo feito na Fundação Altino Ventura.

O senhor Daniel Campelo, de 51 anos, foi um dos atingidos
O senhor Daniel Campelo, de 51 anos, foi um dos atingidos
Hugo Muniz/ Divulgação

Nesta segunda-feira (31), familiares se reuniram pela primeira vez com o governo do estado, que prometeu indenizar as vítimas. A reunião durou cerca de 30 minutos, e a imprensa não foi autorizada a acompanhar.

O secretário de Justiça e Direitos Humanos, Pedro Eurico, recebeu a esposa e o irmão do arrumador Jonas Correia de França, de 29 anos, que saíram revoltados. Segundo eles, o governo não está dando assistência.

Segundo a esposa, Jonas tinha largado do trabalho quando se deparou com o protesto. Parou para filmar e mostrar à família, quando foi atingido por policiais do Batalhão de Choque da Polícia Militar com as balas de borracha.

Os familiares de Jonas querem justiça e afirmam que vão procurar a Polícia Civil.

Vereadora agredida

Além deles, outras pessoas também ficaram feridas no ato, foi o caso da vereadora Liane Cirne Lins (PT). De dentro da viatura, policiais dispararam spray de pimenta no rosto da vereadora, que, sob o efeito do gás, caiu no chão após a agressão. Ela prestou uma queixa crime contra os policiais.

Em entrevista ao Passando a Limpo, o presidente da OAB Pernambuco, Bruno Baptista, afirmou que além da apuração interna, a esfera criminal deve ser avaliada, diante da ação da PM.

MPPE

O Ministério Público de Pernambuco instaurou um inquérito civil para apurar os excessos militares no centro da capital. O MPPE irá atuar por meio das promotorias, em relação a todos os atos da PM pernambucana.

A instituição ainda pede que a população repasse informações e imagens dos atos violentos, o que pode ser feito anonimamente pela ouvidoria do órgão. As informações podem ser informadas pelo WhatsApp (81) 99679.0221.

 

COMENTÁRIOS

Os comentários abaixo são de responsabilidade dos respectivos perfis do facebook.