Notícia Médico morto em Aldeia

'Houve trabalho intensivo para esconder o crime', diz chefe de polícia


Publicado em 11.07.2018 , às 10:14

Por TV Jornal

Reprodução/TV Jornal

A polícia já confirmou que os restos mortais encontrados dentro de uma cacimba na casa do médico Denirson Paes, em Aldeia, Camaragibe, no Grande Recife, são mesmo dele. Nessa terça-feira (10), novas buscas foram realizadas, na tentativa de resgatar outras partes do corpo do cardiologista. A mulher dele e o filho estão presos como suspeitos de terem cometido o crime.

De acordo com a polícia, os Bombeiros vão continuar as buscas por mais restos mortais do médico na cacimba. Até agora, a investigação mostra que o corpo foi colocado no local em partes intercaladas com camadas de areia e metralha.

Ainda segundo as investigações, o material foi retirado de parte da estrutura de um quiosque, que fica na área de lazer da casa. De acordo com o chefe da Polícia Civil, Joselito Amaral, eles podem ter feito tudo sozinhos, mas as investigações continuam e uma terceira pessoa não está descartada. "Houve um trabalho intensivo para esconder o crime", afirmou.

A equipe de uma empresa particular também foi ao local para ajudar nos trabalhos, nessa terça-feira. Parentes de Denirson informaram que essa empresa foi contratada pela família, mas a polícia não confirmou essa informação. Desde que o corpo foi localizado, no dia quatro de julho, foram retiradas três remessas de restos mortais. 

A polícia não disse quais são as partes que foram resgatadas e aguarda a conclusão do trabalho dos peritos, que podem descobrir qual foi a causa da morte. No material já analisado havia sinais de que produtos de limpeza, entre eles cloro, foram usados na ocultação. O corpo só vai ser liberado para enterrar depois que todas as partes forem encontradas.



Suspeitos

A mulher do médico, a farmacêutica Jussara Paes, e o filho mais velho do casal, Danilo Paes, são os principais suspeitos pelo crime. Eles tiveram a prisão temporária decretada pela justiça. Sobre o filho mais novo do casal, a polícia dizem que ele colaborou com as investigações e que por enquanto não há indícios de que ele tenha participado.  

Vestígios de sangue

Perícias realizadas na casa da vítima identificaram sinais de sangue em dois banheiros e em um corredor. Foi no banheiro social que os peritos encontraram mais marcas de sangue. No corredor, que fica entre o banheiro e a cacimba onde foram identificados os restos mortais já em avançado estado de decomposição, existe sinal de arrastamento. Em outro banheiro, mais utilizado pelo filho mais velho do casal, também foram detectadas marcas de sangue.

Relembre o caso

O corpo de Denirson Paes da Silva foi encontrado no fundo de um poço que pertence à casa onde morava com a família no dia 4 de julho. Os investigadores chegaram à residência do médico depois que a própria esposa prestou queixa, no dia 20 de junho, do desaparecimento do marido. No boletim de ocorrência a mulher alegava que a última informação sobre o paradeiro do marido era de que ele havia embarcado numa viagem internacional no começo do mês e desde então não havia entrado em contato com a família.

Entretanto, durante as investigações, a Polícia Civil identificou que o cardiologista estava desaparecido desde o dia 31 de maio e que a viagem citada havia sido desmarcada pela própria vítima. O enterro dos restos mortais do médico ainda está sem data marcada por causa da necessidade de haver mais detalhes da ocorrência. 


Veja Também