Notícia DENIRSON PAES

Aldeia: homem que jogou objetos em poço participa de reconstituição


Publicado em 17.09.2018 , às 09:40 / Atualizado em 17.09.2018 , às 10:02

Por TV Jornal

Reprodução/TV Jornal

Na última sexta-feira (14), foi realizada a reconstituição do assassinato do médico Denirson Paes, cardiologista esquartejado e jogado em poço em condomínio de luxo em Aldeia, em Camaragibe, Região Metropolitana do Recife. Participaram da reconstituição, a farmacêutica Jussara Paes, esposa do médico, e o filho mais velho do casal, Danilo Paes, além dos peritos que investigam o caso. Durante o procedimento, um médico assistente de farmácia e conhecido da família foi convocado até o local para explicar sua versão da história.

Segundo a polícia, a testemunha ajudou Jussara a jogar algumas metralhas e outros objetos dentro do poço no qual estava o corpo de Denirson. No entanto, a investigação confirmou que o assistente de farmácia não sabia da existência dos restos mortais do médico.

Conclusão do inquérito

A polícia concluiu o inquérito que investigou a morte do médico Denirson Paes, encontrado esquartejado dentro de uma cacimba no condomínio onde morava, em Aldeia, Camaragibe, no Grande Recife, no dia 31 de agosto. A esposa e o filho dele, apontados como principais suspeitos do crime, foram indiciados por homicídio triplamente qualificado, por motivo fútil, sem chance de defesa e meio cruel, e por ocultação de cadáver.

De acordo com o inquérito, da delegada Carmem Lúcia, o cardiologista foi assassinado no dia 31 de maio, dentro de casa. Primeiro, ele foi atingido por uma pancada na cabeça, depois foi asfixiado e teve o corpo levado para a piscina, onde foi esquartejado e jogado em uma cacimba com metralhas.



Relembre o caso

O corpo do médico cardiologista e advogado foi encontrado no dia 4 de julho, em um poço na casa pertencente à família, em Aldeia, Camaragibe, Região Metropolitana do Recife. O cadáver estava em avançado estado de decomposição. De acordo com informações da Polícia Civil, a esposa da vítima e o filho mais velho são os principais suspeitos do crime. Eles estão presos desde o dia que o corpo foi encontrado.

Segundo as investigações, Denirson Paes desapareceu no dia 31 de maio. A esposa disse que a última informação do marido era que ele tinha feito uma viagem internacional e não teria retornado, mas a Polícia apontou que a vítima teria cancelado a viagem, anteriormente marcada para o dia 2 de junho.

No dia 29 de agosto, foi concluído o inquérito policial. Esposa e filho foram indiciados por homicídio triplamente qualificado, por motivo fútil, sem chance de defesa e meio cruel, e por ocultação de cadáver. De acordo com o inquérito da investigação da delegada Carmem Lúcia, o cardiologista foi assassinado no dia 31 de maio, dentro de casa, após a mulher descobrir uma relação extraconjugal.