Notícia Discurso de ódio

MPF investigará caso de lista ameaçando alunos e professores da UFPE


Publicado em 08.11.2018 , às 16:44

Por TV Jornal

Foto: Arnaldo Carvalho / JC Imagem

O Ministério Público Federal em Pernambuco (MPF-PE), vai investigar o caso de ameaças a alunos e professores da Universidade Federal de Pernambuco (UFPE). O caso começou a repercutir nessa quarta-feira (7), depois que uma foto da lista passou a circular em redes sociais e aplicativos de mensagens. No panfleto, lia-se uma mensagem e a indicação dos nomes e departamentos de pessoas que seriam "banidas" da UFPE em 2019, a maioria vinculada ao Centro de Filosofia e Ciências Humanas (CFCH).

Nesta quinta-feira (8), o MPF divulgou os nomes dos procuradores que vão atuar nas investigações do caso: Carolina Gusmão Furtado (área cível) e Fábio de Holanda Albuquerque (área criminal). As apurações nessas duas áreas vão correr em paralelo.

Entenda o caso:

Professores e alunos do Centro de Filosofia e Ciências Humanas (CFCH) da Universidade Federal de Pernambuco (UFPE) foram xingados e ameaçados por meio de panfletos e mensagens na internet, nos últimos dias. No caso mais recente, que começou a repercutir nas redes sociais, uma lista intitulada “Doutrinadores e alunos que serão banidos do CFCH-UFPE, em 2019” intimida nominalmente cerca de 20 pessoas.

Anunciando, no final: “vocês serão banidos! Escórias! O mito vem aí”, em uma relação ao futuro governo do presidente eleito Jair Bolsonaro (PSL). Primeiro a ser citado depois de “todos os alunos esquerdistas do curso de História’’, o professor de filosofia Michel Zaidan, classificado na lista como “doutrinador, comunista, antidemocrático”, afirmou não estar se sentido ameaçado.



Aposentado desde maio, o ex-servidor público suspeita de que a ação seja de “autoria de um grupo de neofacistas da universidade”. Também citado na relação, o sociólogo José Luiz Ratton, rotulado no texto como “doutrinador socialista que faz apologia ao uso de drogas junto aos seus orientandos esquerdistas’’, disse que está tomando as providências institucionais necessárias. “Todos os meios institucionais estão sendo buscados para que esse tipo de ameaça não volte a se repetir. As instituições precisam garantir os direitos não só dos professores citados, mas dos estudantes”, afirma.

Lista ameaçando alunos e professores da UFPE circula nas redes sociais

Em outro caso, o professor de filosofia do CFCH, Rodrigo Jungmann, registrou um boletim de ocorrência na Polícia Federal, após ter sua imagem, juntamente com os dizeres “pinguim da privataria”, colada em pilastras do centro estudantil. Anexado ao documento, também constam prints em que o professor é ameaçado de morte. “Estou lecionando normalmente, mas me sinto desconfortável e ameaçado permanentemente. As agressões morais são quase diárias. E não está afastada a possibilidade de uma agressão física, tendo havido inclusive uma ameaça de morte”, disse o professor.

Resposta da UFPE

Ao tomar conhecimento das ameaças, a UFPE convocou uma reunião com a diretoria do Centro de Filosofa e Ciências Humanas para averiguar os casos. “A livre manifestação de ideias é a base da universidade. Não importa o posicionamento. A segurança institucional da UFPE foi acionada, comunicada e irá averiguar os acontecimentos”, disse a UFPE em nota.