Educação

Bloqueio de verbas: ano letivo na UFPE pode terminar em setembro


"Se o MEC não descontingenciar parte dos 30% bloqueados, a universidade não tem como continuar", afirmou o diretor do Campus Agreste da UFPE

Gustavo Henrique Gustavo Henrique
Gustavo Henrique
Gustavo Henrique
Publicado em 15/08/2019 às 8:20
Divulgação
FOTO: Divulgação
Leitura:

O funcionamento na Universidade Federal de Pernambuco (UFPE) continua ameaçado, devido ao bloqueio de 30% no orçamento da educação feito pelo Governo Federal. Os estudantes e docentes do Campus Caruaru, no Agreste do estado, estão apreensivos com o cenário de contingenciamento.

Para o diretor do Campus Agreste, Manuel Guedes, caso nenhuma medida seja tomada, não haverá como dar seguimento ao ano letivo. "Se o MEC não descontingenciar parte dos 30% do valor contingenciado, a universidade não tem como continuar suas atividades, no mês de setembro", afirmou.

>>>Corte de verba da UFPE preocupa estudantes da instituição

>>>Corte na UFPE representa mais da metade de valor de contratos básicos

Confira

Racionamento

Diante dessa realidade, os campi adotaram medidas de racionamento para evitar maiores gastos, como a suspensão do uso de ar-condicionado nas salas de aula. "O bloqueio dos recursos obrigou a universidade a tomar um conjunto de medidas que dificulta a qualidade da formação e a própria vida na faculdade", afirmou o reitor da UFPE, Anísio Brasileiro.

Graduação prejudicada

O panorama atual deixa os alunos sem clima para comemorar o fim de uma graduação ou seguir em frente no curso, devido à possibilidade de interrupção das aulas. "Não temos expectativa de concluir o ano, a graduação", disse a estudante Iany Morais.