PALMA DE OURO

Filme de Kleber Mendonça Filho representa Brasil no Festival de Cannes

TV Jornal

-Divulgação

Após ''Aquarius'', o recifense Kleber Mendonça Filho está de volta à Seleção Oficial competitiva do Festival de Cannes com seu terceiro longa-metragem "Bacurau", coescrito e codirigido por Juliano Dornelles. Na descrição de seus diretores, “Bacurau é um filme de aventura ambientado no Brasil “daqui a alguns anos”. Assim como ocorreu com seu longa anterior “Aquarius” em 2016, “Bacurau” terá sua estreia mundial na principal mostra do festival francês, que acontece de 14 a 25 de maio. O lançamento de “Bacurau” nos cinemas brasileiros pela Vitrine Filmes (que também distribuiu “O Som ao Redor” e “Aquarius”) será no segundo semestre. 

Depois dos dez meses de montagem no Recife, Juliano Dornelles e Kleber Mendonça Filho estão em Paris trabalhando na pós-produção de “Bacurau”, que envolve imagem e mixagem final de som. Esse trabalho vem sendo realizado desde o início do mês de abril e ainda irá durar duas semanas até a cópia final. O filme é uma coprodução Brasil-França.

“Bacurau” foi rodado no Sertão do Seridó, divisa do Rio Grande do Norte com a Paraíba, exatamente um ano atrás. As locações foram encontradas depois de a equipe percorrer mais de dez mil quilômetros em Alagoas, Pernambuco, Paraíba e Rio Grande do Norte. As filmagens duraram dois meses e três dias, com uma equipe de 150 pessoas. As cidades de Parelhas e Acari serviram de base para a produção.   

“Bacurau é um projeto que vem sendo desenvolvido desde 2009, quando era só uma ideia, até ser filmado em 2018. Enquanto o roteiro se transformava, o país e nosso cotidiano também. Estrear em Cannes nesse ano de 2019 é dar um lugar de respeito ao Brasil, seu cinema e sua cultura”, diz Juliano Dornelles sobre o filme.

Para Kleber Mendonça Filho, “esse é um trabalho de anos, feito com os colaboradores próximos de sempre e alguns outros novos. Creio que esse filme é o resultado da nossa relação com os filmes e as pessoas que amamos e que nos formaram, com Pernambuco, com o Brasil e com o mundo. E incrível poder voltar a exibir um filme no Palais em Cannes, três anos depois daquele momento sensacional com Aquarius!”.

Ele continua: “Gostaria de mandar abraço especial para os moradores de Parelhas, Acari e, principalmente, à comunidade de Barra, onde fizemos Bacurau. Os quatro meses de trabalho lá com preparação e filmagem confirmaram o que já sei há tantos anos: o trabalho com a cultura nos fortalece, nos legitima. Como foi importante ter podido compartilhar essa experiência de trabalho com tanta gente”.

Depois do sucesso internacional de “Aquarius” (2016), "Bacurau" é a segunda coprodução entre a CinemaScopio do Recife (“O Som ao Redor”, “Aquarius”) e a SBS em Paris (“Synonymes”, de Navad Lapid, vencedor do urso de ouro em Berlim, “Elle”, de Paul Verhoeven, “Mapas Para as Estrelas”, de David Cronenberg). “Bacurau” também é uma coprodução com a Globo Filmes, Simio Filmes, Arte France Cinema, Telecine e Canal Brasil.

Sonia Braga ("Dona Flor e Seus Dois Maridos", "O Beijo da Mulher Aranha", "Aquarius"), o alemão Udo Kier ("Suspiria", "Berlin Alexanderplatz", "Garotos de Programa, Melancolia") e Karine Teles ("Que Horas Ela Volta?",“Benzinho") fazem parte de um elenco composto por dezenas de atores, como Barbara Colen ("Aquarius"), Silvero Pereira, Thomas Aquino, Antonio Saboia, Rubens Santos e Lia de Itamaracá.

Juliano Dornelles e Kleber Mendonça Filho colaboraram nos curtas metragens premiados no Brasil e exterior "Eletrodoméstica" (2005) e "Recife Frio" (2009), e nos longas também aclamados internacionalmente "O Som ao Redor" (2012) e "Aquarius" (2016), filmes dirigidos por Kleber e com direção de arte de Juliano. Na equipe de “Bacurau” a parceria estabelecida em "O Som ao Redor" e "Aquarius" também se repete na fotografia, assinada por Pedro Sotero, no som de Nicolas Hallet e na direção de arte de Thales Junqueira.

Produzido por Emilie Lesclaux, Said Ben Said e Michel Merkt, tem patrocínio da Petrobras, Fundo Setorial do Audiovisual, Funcultura (Governo de Pernambuco) e do CNC (Centre National de la Cinematographie, France).

Elenco

Sonia Braga : Domingas

Udo Kier : Michael

Teresa: Bárbara Colen 

Pacote: Thomás Aquino 

Lunga: Silvero Pereira

Plinio: Wilson Rabelo

Damiano: Carlos Francisco  

Forasteira: Karine Teles 

Forasteiro: Antonio Saboia

Erivaldo: Rubens Santos  

Isa: Luciana Souza

Madalena: Eduarda Samara 

Carmelita: Lia de Itamaracá

Terry: Jonny Mars

Kate: Alli Willow

Jake: James Turpin 

Julia: Julia Marie Peterson

Bob: Charles Hodges  

Willy: Chris Doubek

Joshua: Brian Townes

Carranca: Rodger Rogério

DJ Urso: Jr. Black 

Madame: Zoraide Coleto

Sandra: Jamila Costa 

Deisy: Ingrid Trigueiro

Robson : Edilson Silva 

Tony Jr: Thardelly Lima

Claudio: Buda Lira 

Nelinha: Fabiola Liper

Flavio: Marcio Fecher 

Maciel: Val Junior

Raolino: Uirá dos Reis 

Bidé: Valmir do Coco

Luciene: Suzy Lopes 

Angela: Clebia Sousa

Darlene: Danny Barbosa 

Ficha técnica

Roteiro e Direção: Kleber Mendonça Filho & Juliano Dornelles

Produção: Emilie Lesclaux, Saïd Ben Saïd et Michel Merkt 

Produtora Executiva: Dora Amorim

Produtor Associado: Carlos Diegues 

Diretor de Fotografia: Pedro Sotero

Diretor de Arte: Thales Junqueira

Figurino: Rita Azevedo

Montagem: Eduardo Serrano

Som : Nicolas Hallet

Design de som e montagem de som : Ricardo Cutz

Mixagem:  Cyril Holtz e Ricardo Cutz

Casting: Marcelo Caetano

1° assistente de direção : Daniel Lentini

Direção de Produção: Cristina Alves & Dedete Parente

Música Original: Mateus Alves e Tomaz Alves Souza

Caracterização e Efeitos: Tayce Vale

Kleber Mendonça Filho - Diretor

Nasceu no Recife, Brasil, em 1968. Formado em jornalismo, tem trabalho abrangente como cri?tico de cinema e programador. Ha? 11 anos dirige o festival Janela Internacional de Cinema do Recife. Os curtas metragens de Kleber Mendonc?a Filho, Enjaulado (1997), A Menina do Algoda?o (2003), Vinil Verde (2004), Eletrodome?stica  (2005), Noite de Sexta Manha? de Sa?bado (2006) e Recife Frio (2009) ganharam mais de 100 pre?mios nacionais e internacionais, com passagens por festivais como Brasi?lia, Roterda? (Holanda), Clermont-Ferrand (Franc?a) e a Quinzena dos Realizadores do Festival de Cannes. Sua primeira experie?ncia no longa metragem e? o documenta?rio Cri?tico, realizado ao longo de nove anos e selecionado para festivais no Brasil e exterior.

O Som ao Redor e? seu primeiro longa-metragem de ficção. Foi selecionado em mais de 100 festivais, ganhou 32 pre?mios, e foi escolhido um dos 10 melhores filmes do ano pelo New York Times. O Som ao Redor foi a escolha brasileira para representar o Pai?s no Oscar de 2014.

Aquarius, seu segundo longa de ficção , concorreu a? Palma de Ouro no Festival de Cannes 2016 e figura nas listas de melhores filmes de 2016-2017 das publicac?ões mais importantes do mundo. Teve distribuic?ão em mais de 100 países.

Juliano Dornelles - Diretor

Realizador, diretor de arte e roteirista. No ini?cio dos anos 2000 formou com outros realizadores o grupo criativo Si?mio Filmes, atuou como cineclubista, dirigiu ficções e videoclipes em formato digital Hi8. Desde 2004 atua como diretor de arte em projetos de realizadores como Kleber Mendonc?a Filho, Daniel Bandeira, Marcelo Pedroso e Leonardo Lacca.

Como diretor, em 2011 lanc?ou o curta Mens Sana In Corpore Sano no 64o Festival de Cinema de Locarno onde ganhou pre?mio especial do ju?ri e va?rios outros pre?mios em festivais no Brasil. Em janeiro de 2015 rodou seu primeiro longa, O Atelie? da Rua do Brum, que encontra-se em fase de montagem.

TAGS

COMENTÁRIOS

Os comentários abaixo são de responsabilidade dos respectivos perfis do facebook.