MEDICAMENTO

Com 94% de eficácia contra o coronavírus, remédio será testado em pacientes

O nome do remédio ainda não foi revelado pelo Ministéria da Saúde

Com 94% de eficácia contra o coronavírus, remédio será testado em pacientes

Ainda, de acordo com as análises preliminares, a aplicação do remédio não teria efeitos colaterais para os pacientes - Foto: Pixabay

Com informações do JC Online

O Ministério da Ciência e Tecnologia anunciou, nesta quinta-feira (15), que o Brasil testará nas próximas semanas um "remédio promissor" que, segundo análises in vitro, demonstrou ter 94% de eficácia em ensaios com células infectadas pelo novo coronavírus. De acordo com o Governo Federal, vão participar estudos clínicos ao menos 500 pacientes com a covid-19, desde que não estejam em estado grave.

O ministro Marcos Pontes, titular da pasta da Ciência e Tecnologia, afirmou que o medicamento desenvolvido por cientistas brasileiros tem formulação pediátrica e preço acessível nas farmácias.

Nome do remédio não foi revelado

O nome do remédio ainda não foi revelado porque não existe ainda um laudo conclusivo sobre a eficácia. "Para garantir a continuidade dos testes clínicos, e por questões de segurança, o nome do medicamento selecionado será mantido em sigilo até que os resultados dos testes clínicos demonstrem a sua eficácia em pacientes", informou o ministério.

Produção nacional

O ministro destacou que os reagentes usados no remédio são produzidos no Brasil, o que "não nos deixa dependentes de outros países". Ele esclarece que esse cenário permite realizar testes diagnósticos com maior amplitude. “As pessoas com os primeiros sintomas podem ir ao médico, receber uma prescrição, passar na farmácia e se recuperar em casa", disse o ministro.

O remédio foi desenvolvido por cientistas do Centro Nacional de Pesquisa em Energia e Materiais. Durante a produção, foram testados cerca de dois mil medicamentos com o objetivo de identificar fármacos compostos por moléculas capazes de inibir proteínas fundamentais para a replicação viral.

Com uso de alta tecnologia como biologia molecular e estrutura e supercomputadores os pesquisadores identificaram seis moléculas promissoras que seguiram para teste in vitro com células infectadas com a covid-19. Desses seis remédios pesquisados, os cientistas descobriram que dois reduziram significativamente a replicação viral em células. O remédio mais promissor apresentou 94% de eficácia em ensaios com as células infectadas.

Sem efeitos colaterais

Ainda, de acordo com as análises preliminares, a aplicação do remédio não teria efeitos colaterais para os pacientes — diferentemente da cloroquina e hidroxicloroquina, defendida pelo presidente Jair Bolsonaro (sem partido) e que também estão sendo estudadas no combate ao coronavírus.

Covid-19 no Brasil

O Brasil bateu recorde de casos confirmados do novo coronavírus (covid-19) em um dia. De acordo com a atualização dos números divulgada pelo Ministério da Saúde, nesta quarta-feira (15), foram registrados 3.058 casos de infecção pelo novo coronavírus, totalizando 28.320. O número de mortes em 24 horas foi de 204, totalizando 1.736 óbitos em todo o país.

O aumento no número de casos foi de 12% em relação ao dia de ontem (14), quando foram contabilizados  25.262, e de 27% em relação a segunda-feira (13), quando o balanço do Ministério da Saúde indicava 22.169 pessoas infectadas.

Já o número de óbitos subiu 13% em relação a ontem, quando o país contabilizava 1.532 mortes. Na comparação com segunda-feira, quando eram 1.223 óbitos, representou uma elevação de 42%.

O que é coronavírus?

Coronavírus é uma família de vírus que causam infecções respiratórias. O novo agente do coronavírus foi descoberto em 31/12/19 após casos registrados na China.Os primeiros coronavírus humanos foram isolados pela primeira vez em 1937. No entanto, foi em 1965 que o vírus foi descrito como coronavírus, em decorrência do perfil na microscopia, parecendo uma coroa.

A maioria das pessoas se infecta com os coronavírus comuns ao longo da vida, sendo as crianças pequenas mais propensas a se infectarem com o tipo mais comum do vírus. Os coronavírus mais comuns que infectam humanos são o alpha coronavírus 229E e NL63 e beta coronavírus OC43, HKU1.

Como prevenir o coronavírus?

O Ministério da Saúde orienta cuidados básicos para reduzir o risco geral de contrair ou transmitir infecções respiratórias agudas, incluindo o coronavírus. Entre as medidas estão:

  • Lavar as mãos frequentemente com água e sabonete por pelo menos 20 segundos, respeitando os 5 momentos de higienização.
  • Se não houver água e sabonete, usar um desinfetante para as mãos à base de álcool.
  • Evitar tocar nos olhos, nariz e boca com as mãos não lavadas.
  • Evitar contato próximo com pessoas doentes.
  • Ficar em casa quando estiver doente.
  • Cobrir boca e nariz ao tossir ou espirrar com um lenço de papel e jogar no lixo.
  • Limpar e desinfetar objetos e superfícies tocados com freqüência.
  • Profissionais de saúde devem utilizar medidas de precaução padrão, de contato e de gotículas (mascára cirúrgica, luvas, avental não estéril e óculos de proteção).
  • Para a realização de procedimentos que gerem aerossolização de secreções respiratórias como intubação, aspiração de vias aéreas ou indução de escarro, deverá ser utilizado precaução por aerossóis, com uso de máscara N95.

COMENTÁRIOS

Os comentários abaixo são de responsabilidade dos respectivos perfis do facebook.