Ministério Público

Coronavírus: MPF quer que pastor pague indenização por prometer cura com feijão


Na ação, é pedida uma indenização de R$ 300 mil por danos sociais e coletivos que teriam sido causados pela prática.

Agência Brasil
Agência Brasil
Publicado em 05/08/2020 às 12:35
Marcello Casal Jr./ABr
FOTO: Marcello Casal Jr./ABr
Leitura:

O Ministério Público Federal (MPF) ajuizou ação civil pública contra o líder da Igreja Mundial do Poder de Deus, pastor Valdemiro Santiago, pela venda de sementes de feijão com a falsa promessa que curariam do coronavírus.

Na ação, é pedida uma indenização de R$ 300 mil por danos sociais e coletivos que teriam sido causados pela prática.

>> OMS: Índice de jovens com coronavírus triplica em 5 meses no mundo

>> Covid-19 põe em risco anos de progresso em saúde nas Américas, diz OMS

>> Coronavírus: Mulheres são mais afetadas por crise econômica na pandemia

>> Coronavírus: Araripina e Ouricuri retrocedem no Plano de Convivência e entram em isolamento social rígido

>> Infectologista explica que transporte público pode ser vetor importante na propagação do coronavírus

Feijões

Segundo o MPF, Santiago divulgou vídeos em que afirma que ao plantar os feijões as pessoas seriam curadas da doença causada pelo novo coronavírus.

Os grãos eram vendidos, ainda de acordo com a promotoria, por valores que variavam de R$ 100 a R$ 1 mil.

Em um trecho do vídeo, transcrito na ação, o pastor diz que laudos médicos comprovariam a eficácia dos feijões. “Você que me escuta aí e agora, cê viu na última reunião de bispos e pastores ? Apresentando com exame, um laudo médico, de gente curada de coronavírus, em estado terminal né, podemos dizer assim…gravíssimo, num estado muito avançado e Deus operou e fez maravilhas … E tá ali o exame para quem quiser”, diz Santiago, segundo transcrição de sua fala incluída na ação.

>> Coronavírus: Pernambuco regulamenta lei que torna obrigatório o uso de máscaras

>> Infectologista responde como algumas pessoas possuem defesa contra o novo coronavírus mesmo sem terem sido infectadas

>> Coronavírus: Procape fecha enfermaria e UTI pediátrica por causa de funcionários doentes

>> Professora, paciente de número 2.500 diagnosticada no Recife com coronavírus recebe alta

Abuso

Para o Ministério Público, Santiago abusou da fé das pessoas para conseguir dinheiro. “No contexto em que foram proferidas as declarações resta evidente a prática abusiva da liberdade religiosa, na medida que incentiva os supostos fiéis ou interessados na aquisição das sementes de feijão, na crença de estarem curados, inclusive com o objetivo de angariar recursos financeiros dos fiéis”, diz o MPF.

A Agência Brasil não conseguiu contato com o pastor Valdemiro Santiago ou sua assessoria para comentar o caso.

>> Pesquisa quer voluntários para saber relação entre genética e coronavírus

>> Coronavírus: 42 bares, restaurantes e outros estabelecimentos são notificados por irregularidades, afirma Prefeitura do Recife

>> OMS prevê que pandemia do novo coronavírus durará muito tempo

>> Abrigos de idosos de Olinda não registraram nenhum caso do novo coronavírus

Mais Lidas