CORONAVíRUS

Covid-19: vacina só chega à população após ser testada e aprovada pela Anvisa

Atualmente, três vacinas para a covid-19 estão em fase de testes no Brasil

Covid-19: vacina só chega à população após ser testada e aprovada pela Anvisa

Até o momento, 2.309.477 pessoas já se recuperaram da doença - Foto: Pixabay

Agência Brasil

Cientistas ao redor do globo correm contra o tempo em busca da cura para a covid-19. No Brasil, estão sendo testadas três vacinas de empresas diferentes.

Apesar da urgência, especialista alerta que a produção do imunizador deve seguir normas e procedimentos complexos para comprovar a eficácia e não causar efeitos colaterais graves. 

 

Em entrevista ao Jornal da USP no Ar, o professor Gonzalo Vecina Neto, do Departamento de Política, Gestão e Saúde da Faculdade de Saúde Pública da USP, falou sobre a complexidade para produzir uma vacina.

 

>> Rússia registra 1ª vacina contra coronavírus; Filha do presidente Putin já foi vacinada

>> Covid-19: Vacina do Instituto Butantan deve estar disponível em janeiro

>> Coronavírus: Propostas regulam distribuição de vacina produzida pela Fiocruz

>> Vacina contra coronavírus só a partir de 2021, informa Fiocruz 

>> Projeto prevê quem serão os primeiros vacinados contra a covid-19

 

Etapas

Primeiro são feitos os testes em laboratório, depois em animais de pequeno porte (geralmente camundongos) e, na sequência, em animais de médio porte.

Terminados os chamados pré-clínicos, começa a experiência em humanos. 

  1. Na fase 1 em humanos é investigada a segurança do produto e conta com cerca de 100 voluntários, nos quais os efeitos colaterais são verificados.
  2. Caso sejam leves, é iniciada a fase 2, com cerca de 200 pessoas para observar a criação de anticorpos, ou seja, a eficácia da vacina.
  3. Na fase 3, a aplicação do produto é feita em larga escala para analisar fenômenos raros que não foram percebidos nas fases anteriores. Se o resultado das três fases for positivo, a vacina é registrada na Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa), que libera a comercialização em massa.
  4. Após o registro, a vacina entra na fase 4. O professor adverte que neste momento ainda é possível que o produto apresente resultados indesejados e precise ser retirado do mercado: “É o que aconteceu com a vacina da dengue da Sanofi, que chegou ao mercado e apresentou efeitos muito indesejados e teve que ser retirada, apesar de sido aprovada nas fases anteriores. Isso pode acontecer com alguma das vacinas da covid-19, por isso é bom ser muito rigoroso, tomar muito cuidado, registrar tudo o que acontece para que se possa analisar e eventualmente redirecionar a pesquisa, se assim for necessário”.

 

>> Recife é a 2º capital do Nordeste com maior taxa de mortalidade devido ao coronavírus

>> Teste positivo para coronavírus em quem já teve a doença leva cientistas a investigarem se é possível reinfecção

>> Covid-19: secretário de Saúde de Pernambuco prega cautela em possível acordo com Rússia para fabricação de vacina

 

 

Vacinas em produção

Atualmente, três vacinas para a covid-19 estão em fase de testes no Brasil, sendo a da chinesa Sinovac, pelo Instituto Butantan, a da Universidade de Oxford, pela Fundação Oswaldo Cruz, e a parceria entre a Pfizer e a BioNTech, que conta com laboratórios estadunidenses e alemães.

Vecina Neto informa que o Brasil possui acordo para produzir 30 milhões de doses das vacinas desenvolvidas pela Sinovac e por Oxford e, após o recebimento do primeiro lote, as vacinas deverão ser fabricadas nos laboratórios do Instituto Butantan e da Fiocruz: “Há indício de um acordo de transferência de tecnologia para que as duas fábricas recebam lotes a serem envasados e posteriormente passem a fabricar o insumo farmacêutico ativo, o IFA, que é a matéria-prima da produção da vacina”.

 

>> Coronavírus: Mulheres são mais afetadas por crise econômica na pandemia

>> Coronavírus: Procape fecha enfermaria e UTI pediátrica por causa de funcionários doentes

>> Coronavírus: Araripina e Ouricuri retrocedem no Plano de Convivência e entram em isolamento social rígido

>> Sem água ou saneamento, moradores de palafitas do Recife têm maior risco de contágio pelo coronavírus

 

Vacina da Rússia

Para Vecina Neto, a vacina russa, recentemente anunciada pelo presidente Vladimir Putin, causa preocupação porque não foi submetida à comunidade científica.

“Não sabemos que tipo de tecnologia eles estão utilizando. Não sei o quanto existe de falso no acordo que o governo do Paraná estaria fazendo [com o governo russo], mas com certeza essa vacina vai passar por alguns percalços para ser aprovada na Anvisa, uma vez que não tem nenhuma informação sobre o modelo de desenvolvimento.”

Apesar de as três vacinas testadas no Brasil estarem na fase 3, o professor alerta que é preciso ter cuidado com o otimismo: “Nós não vamos ter jeito de vacinar a população a partir do início do ano que vem, no máximo alguns poucos grupos de risco, como os trabalhadores da saúde, a população de idosos e portadores de comorbidade. A vacina só vai chegar para a população, se tudo isso der certo, no segundo semestre do ano que vem, então a gente tem que tomar muito cuidado com esse entusiasmo”,  e complementa: “A vacina não é um passe de mágica, não é uma bala de prata”. 

 

>> Imunidade contra o coronavírus? Vacina da Rússia pronta? Médica faz alertas

>> Covid-19 põe em risco anos de progresso em saúde nas Américas, diz OMS

>> OMS: Índice de jovens com coronavírus triplica em 5 meses no mundo

>> Nova síndrome em crianças associada ao coronavírus é monitorada; entenda a doença

 

COMENTÁRIOS

Os comentários abaixo são de responsabilidade dos respectivos perfis do facebook.