MINISTéRIO DA AGRICULTURA

Covid-19: Brasil pede explicações à China sobre frango supostamente contaminado

A China divulgou, nessa quinta-feira (13), informações sobre suposta contaminação de lote de frango congelado brasileiro com o novo coronavírus (covid-19)

Covid-19: Brasil pede explicações à China sobre frango supostamente contaminado

Segundo ministério, embalagens congeladas não transmitem covid-19 - Foto: Pixabay

Agência Brasil

O Ministério da Agricultura pediu, nessa quinta-feira (13), à China, explicações sobre a suposta contaminação de um lote de frango congelado brasileiro com o novo coronavírus (covid-19).

Em nota, a pasta informou que ainda não foi notificada oficialmente pelo governo chinês e que trata o assunto como “suposta detecção” de covid-19.

 

 

>> Após China detectar coronavírus em frango importado do Brasil, infectologista faz alerta sobre alimentos 

>> Rússia registra 1ª vacina contra coronavírus; Filha do presidente Putin já foi vacinada

>> Recife é a 2º capital do Nordeste com maior taxa de mortalidade devido ao coronavírus

 

Esclarecimentos

Segundo o comunicado, a única notícia sobre a contaminação de um lote de frango partiu da prefeitura de Shenzhen, na província de Guangdong.

De acordo com a autoridade sanitária da cidade, material genético do novo coronavírus foi detectado na superfície de uma amostra de asa de frango congelada. Outras amostras do mesmo lote, vindas do Brasil, foram analisadas, com resultado negativo.

 

>> Teste positivo para coronavírus em quem já teve a doença leva cientistas a investigarem se é possível reinfecção

>> Covid-19: secretário de Saúde de Pernambuco prega cautela em possível acordo com Rússia para fabricação de vacina

>> Imunidade contra o coronavírus? Vacina da Rússia pronta? Médica faz alertas

>> Nova síndrome em crianças associada ao coronavírus é monitorada; entenda a doença

 

“Ainda na noite de ontem [quarta, 12], após notícia veiculada na imprensa chinesa, o Mapa [Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento] consultou a Administração-Geral de Aduanas da China, buscando as informações oficiais que esclareçam as circunstâncias da suposta contaminação”, destacou a pasta em nota.

 

>> Coronavírus: Pazuello diz que vacina de Oxford é a melhor opção até agora

>> Covid-19 põe em risco anos de progresso em saúde nas Américas, diz OMS

>> OMS: Índice de jovens com coronavírus triplica em 5 meses no mundo

>> Coronavírus: Mulheres são mais afetadas por crise econômica na pandemia

 

Protocolos rígidos

Citando a Organização das Nações Unidas para a Agricultura e a Alimentação (FAO) e a Organização Mundial da Saúde (OMS), o Ministério da Agricultura ressaltou que não há comprovação científica de transmissão de covid-19 por meio de alimentos congelados ou de embalagens de alimentos congelados.

O ministério assegurou que todos os produtos fiscalizados pelo Serviço de Inspeção Federal (SIF) são submetidos a protocolos rígidos de controle sanitário. “O Mapa reitera a inocuidade dos produtos produzidos nos estabelecimentos sob SIF, visto que obedecem a protocolos rígidos para garantir a saúde pública”, ressaltou o texto.

 

>> Coronavírus: Procape fecha enfermaria e UTI pediátrica por causa de funcionários doentes

>> Coronavírus: Araripina e Ouricuri retrocedem no Plano de Convivência e entram em isolamento social rígido

>> Sem água ou saneamento, moradores de palafitas do Recife têm maior risco de contágio pelo coronavírus

>> Médicos contratados para combate ao coronavírus no Recife denunciam atraso nos salários

 

Setor privado

O setor privado também analisa as informações vindas da cidade chinesa. Em nota, a Associação Brasileira de Proteína Animal (ABPA) cobrou informações sobre o momento em que teria ocorrido a contaminação. “Ainda não está claro em que momento houve a eventual contaminação da embalagem, e se ocorreu durante o processo de transporte de exportação”, afirmou no comunicado.

A associação informou que avalia o alerta, mas, assim como o Ministério da Agricultura, destacou não haver provas de que carnes congeladas transmitam a doença.

“A ABPA reitera que não há evidências científicas de que a carne seja transmissora do vírus”, destacou a nota, citando, além da OMS e da FAO, a Organização Mundial de Saúde Animal (OIE).

 

>> Coronavírus: 5 meses após 1° registro, secretário considera que "situação ainda é preocupante"

>> Coronavírus: campanha é lançada para valorizar profissionais de saúde

>> Hormônio do exercício pode modular genes relacionados ao coronavírus

>> Coronavírus: Pernambuco regulamenta lei que torna obrigatório o uso de máscaras

 

Aurora

Citada como possível fonte do produto com embalagem contaminada, a Cooperativa Central Aurora Alimentos reforçou em nota que não há confirmação oficial sobre a contaminação, e que trata-se no momento “apenas de fato originário de notícia veiculada em imprensa local regional daquele país asiático”. 

A cooperativa disse que prestará as informações necessárias para esclarecer o ocorrido e que todas as medidas estabelecidas pelas autoridades públicas relativas ao combate a pandemia estão sendo integralmente cumpridas.

 

>> Infectologista explica que transporte público pode ser vetor importante na propagação do coronavírus

>> Covid-19: Vacina do Instituto Butantan deve estar disponível em janeiro

>> Coronavírus: Propostas regulam distribuição de vacina produzida pela Fiocruz

>> Vacina contra coronavírus só a partir de 2021, informa Fiocruz 

>> Projeto prevê quem serão os primeiros vacinados contra a covid-19

COMENTÁRIOS

Os comentários abaixo são de responsabilidade dos respectivos perfis do facebook.