SAúDE INFANTIL

Pediatras alertam para queda na vacinação infantil na pandemia

Foi percebido também um atraso das gestantes em fazer os exames no pré-natal

Pediatras alertam para queda na vacinação infantil na pandemia

Pesquisa contou com a participação de 1.525 médicos em todo país - Foto: Andréa Rêgo Barros/PCR

Agência Brasil

Na avaliação de 73% dos pediatras, as crianças estão deixando de ser vacinadas durante a pandemia de coronavírus (covid-19).

O dado faz parte da pesquisa divulgada pela Sociedade Brasileira de Pediatria (SBP) e a Federação Brasileira de Associações de Ginecologia e Obstetrícia (Febrasgo). Foram ouvidos por formulário online 1.525 médicos de todos os estados brasileiros.

 

 

>> Pernambuco é o Estado que menos realizou testes para detectar o coronavírus na população, aponta IBGE

>> Estudo afirma que 1 em cada 16 pacientes do coronavírus desenvolve doença mental em três meses

>> Nova síndrome em crianças associada ao coronavírus é monitorada; entenda a doença  

>> Pernambuco é um dos cinco estados com mais mortes por covid-19 

 

Imunização reduzida

Segundo a presidente da SBP, Luciana Rodrigues Silva, muitas crianças não têm sido vacinadas por falta de informação das famílias e medo de contaminação pelo vírus da covid-19.

Ela alerta que a redução da imunização pode aumentar os riscos de doenças que foram eliminadas ou têm baixa prevalência atualmente. “Nós não queremos que doenças que já estão erradicadas ou diminuíram muito voltem a nos assustar”, enfatizou sobre a importância do cumprimento do calendário vacinal mesmo durante o período de quarentena.

De acordo com a pesquisa, 70% dos médicos dizem que as famílias têm medo de se contaminar ou infectar as crianças com o novo coronavírus em consultas presenciais. Nesse sentido, 82% dos médicos relataram um aumento dos atendimentos por telefone, aplicativos de mensagem e outras formas de comunicação à distância.

 

>> Após China detectar coronavírus em frango importado do Brasil, infectologista faz alerta sobre alimentos 

>> Rússia registra 1ª vacina contra coronavírus; Filha do presidente Putin já foi vacinada

>> Recife é a 2º capital do Nordeste com maior taxa de mortalidade devido ao coronavírus

>> Teste positivo para coronavírus em quem já teve a doença leva cientistas a investigarem se é possível reinfecção

 

Alterações no comportamento

Perceberam alterações comportamentais nas crianças, 88% dos médicos. Em 75% das situações, os profissionais notaram alterações de humor. Para Luciana, o isolamento social traz prejuízos ao desenvolvimento das crianças. “Foi prejudicial não só para a maior irritabilidade, perda de atenção, como maior tempo de tela, em frente aos computadores, celulares, como maior número de obesidade das crianças”, explicou.

Como forma de minimizar esses problemas, a presidente da SBP diz que os pediatras devem orientar às famílias. “Como envolver as crianças nas atividades domésticas, como fazer atividade física, como fazer estímulos comportamentais para que o desenvolvimento das crianças não seja comprometido”.

A maior parte dos pediatras (63%) afirmaram que trabalham sem infraestrutura e equipamentos de segurança adequados. “Nós temos no serviço de saúde alguns lugares que tem todos os equipamentos, estrutura física para atender pacientes da covid-19, com profissionais de saúde adequadamente vestidos e protegidos. Mas isso não ocorre em todas as unidades, como deveria ocorrer, sobretudo nas instituições públicas”,destacou Luciana.

 

>> Imunidade contra o coronavírus? Vacina da Rússia pronta? Médica faz alertas

>> Covid-19 põe em risco anos de progresso em saúde nas Américas, diz OMS

 

 

>> OMS: Índice de jovens com coronavírus triplica em 5 meses no mundo

>> Coronavírus: Mulheres são mais afetadas por crise econômica na pandemia

>> Pernambuco investiga suspeita de morte por coronavírus em navio atracado em Suape

>> Apesar da lei, população segue sem usar máscara contra coronavírus em Pernambuco

 

Exames no pré-natal

Em relação aos ginecologistas e obstetras, mais da metade (52%) perceberam um atraso das gestantes em fazer os exames no pré-natal e 46% disse que as mulheres tiveram dificuldade em fazer os exames, além de 8% que simplesmente deixou de fazer os procedimentos.

Para o presidente da Febrasgo, César Fernandes, isso é preocupante e pode atrapalhar tratamentos necessários aos bebês. “A sífilis congênita é um mal que nós praticamente não considerávamos há uma década. Aumentou o número de sífilis congênita no Brasil de forma vergonhosa, mais de 1.000% do início dos anos 2.000 para agora. E você tem que fazer o diagnóstico antes de 14 semanas de gestação para efetuar um tratamento apropriado”, exemplificou sobre a necessidade dos exames no período pré-natal.

COMENTÁRIOS

Os comentários abaixo são de responsabilidade dos respectivos perfis do facebook.