ECONOMIA

Ministro da Economia: 'Aumento real do mínimo pode gerar milhões de desempregados'

Esse foi o argumento do ministro da Economia, Paulo Guedes, para justificar a proposta de reajuste do salário mínimo para 2021

Ministro da Economia: 'Aumento real do mínimo pode gerar milhões de desempregados'

Paulo Guedes foi ouvido nessa terça-feira (1º) pela comissão mista que acompanha as ações do governo no combate à pandemia - Foto: Marcello Casal Jr./ABr

Agência Senado

O Brasil passa por uma grave crise de desemprego, intensificada com a crise econômica causada pela pandemia do novo coronavírus, o que impede o governo de, ao menos no curto prazo, cogitar a adoção de uma política de reajustes reais ao salário mínimo.

>> Confira valor do salário mínimo para 2021

 

Esse foi o argumento do ministro da Economia, Paulo Guedes, para justificar a proposta de Orçamento de 2021, que concede um reajuste de R$ 22 ao salário mínimo, equivalente a uma correção salarial de 2,1% (a projeção oficial da inflação para 2020), elevando seu valor para R$ 1.067 no ano que vem. 

A senadora Zenaide Maia (Pros-RN) cobrou uma explicação durante a audiência da comissão do  Congresso Nacional, nesta terça-feira (1º), que fiscaliza as ações governamentais durante a pandemia.

"A pandemia causa um efeito devastador no emprego. Então hoje, se concedermos um aumento real no mínimo, talvez milhões de pessoas sejam demitidas. Estamos no meio de uma crise de emprego terrível, todo mundo desempregado. Se dermos este aumento, estaremos condenando as pessoas ao desemprego. Então é preciso cuidado. Estamos atentos a esta política, mas o poder público precisa ser cuidadoso ao momento certo em que poderá conceder reajustes reais", disse Guedes.

 

>> Programa que substituiria auxílio emergencial e Bolsa Família fica fora do orçamento de 2021

>> Projeto institui renda básica com ampliação do Bolsa Família

>> Auxílio emergencial é prorrogado; confira até quando e novo valor

>> Bolsonaro diz que proposta de programa que substituiria Bolsa Família está suspensa

>> Programa que substituiria Bolsa Família e Auxílio Emergencial é suspenso por divergências sobre parcelas

 

Renda Brasil

Guedes defendeu uma reforma na gestão orçamentária brasileira. Ele chama sua proposta de “Orçamento 3D”, pois seria baseada em “desobrigar, desonerar e desindexar” a gestão das verbas, “devolvendo a definição da peça orçamentária para a classe política”.

O ministro reclama que hoje o Orçamento é “extremamente engessado”, com quase a totalidade das destinações já definidas por lei. Para Guedes, o “Orçamento 3D” permitirá, por exemplo, que o programa Renda Brasil, que deve substituir o Bolsa Família a partir de 2021, “seja mais robusto e efetivo”.

Também em resposta aos parlamentares, o ministro garantiu que “deve haver ousadia” na definição de uma tributação sobre dividendos.

"Precisamos taxar a distribuição de dividendos, que hoje não pagam e que na verdade retiram recursos que podem gerar empregos, renda, crescimento econômico, inovações. A pessoa tira da empresa e leva pro consumo pessoal. Que tributemos isto e menos a empresa", afirmou.

  

>> Governo prorroga auxílio emergencial de R$ 300 até o fim do ano

>> Programa que substitui Auxílio Emergencial e Bolsa Família deve ir ao Congresso na próxima semana

>> Após nova atualização, entenda os calendários de todas as parcelas do auxílio emergencial

>> Auxílio emergencial: Caixa inicia Ciclo 2 de pagamentos, com 5º parcela e novos beneficiários

>> Auxílio emergencial: começa o pagamento da 5º parcela para inscritos no app ou site

>> Teve o auxílio emergencial negado? Saiba como contestar via Dataprev 

COMENTÁRIOS

Os comentários abaixo são de responsabilidade dos respectivos perfis do facebook.