SAúDE

Médico explica os motivos da suspensão dos testes da vacina contra o coronavírus em Oxford

‘’Não adianta colocar um produto nas ruas e dar problema’’, comentou o diretor da Sociedade Brasileira de Infectologia

Médico explica os motivos da suspensão dos testes da vacina contra o coronavírus em Oxford

Pesquisadores buscam desenvolver vacina contra o novo coronavírus - Foto: Reprodução/SBT

Uma das grandes esperanças para o combate ao novo coronavírus estava sendo a vacina produzida na Universidade de Oxford, no Reino Unido, mas os testes temporariamente suspensos. a interrupção aconteceu depois que um dos voluntários apresentou uma reação adversa. Em relação ao assunto, o diretor da Sociedade Brasileira de Infectologia, Antônio Bandeira, concedeu entrevista ao Por Dentro com Cardinot, nesta quarta-feira (09). 

>>Covid-19: pausa em estudo de vacina segue prática comum, diz Unifesp

>>Médica acredita em aumento de infectados e mortos por coronavírus após aglomerações: ‘’convite para a transmissão’’

De acordo com Cinthya Leite, da coluna Saúde e Bem-Estar, do Jornal do Commercio, a AstraZeneca é a empresa responsável por desenvolver uma vacina contra a covid-19, em parceria com a Universidade de Oxford. Os testes no Brasil são feitos em parceria com a Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz).

O que é que pode inviabilizar os testes de uma vacina? 

Tem que prezar muito pela segurança. Não adianta colocar um produto nas ruas e dar problema. Houve um efeito adverso provavelmente grave. Especula-se que foi um caso de mielite transversa, onde o indivíduo perde as movimentações e as sensibilidade. Ainda não está definido, mas tudo indica que possa ser isso. Quando acontece, há um tendência de suspensão provisória. Aquelas pessoas que estariam para tomar a vacina não vão tomar, neste momento. 

O ensaio é ‘cego’. Vão verificar se foi a vacina da covid-19 ou outra?

Na vacina, neste ensaio, nem o voluntário sabe o que está tomando e nem o médico. Tem toda uma organização, vai em código e se sabe o que cada um tomou. Se foi a vacina da covid-19, e se teve esse adverso grave, é realmente muito sério. Se não foi, se tomou outro produto, pode ser que seja reavaliado (a suspensão da pesquisa).

A pessoa é obrigada a tomar ou não a vacina e quando repassar para a população?

Ninguém pode ser obrigado a tomar a vacina. É um produto e vai chegar no mercado. Acho que existe um encurtamento nesse tempo. A gente não tem saída e nada eficaz contra a covid-19. A população tem muita dificuldade nas medidas de prevenção. A vacina chega como esperança. É uma situação que está se buscando para resolver um problema sério. Você negocia. É mais importante a vacina que se pesquise com período menor e mostrando que produza que anticorpos e saio vacinado ou espero três ou quatro anos (para vacinar a população.

Reinfecção do novo coronavírus

O infectologista Antônio Bandeira já havia comentado, inclusive, sobre a possibilidade das pessoas serem infectadas novamente com o novo coronavírus após os pesquisadores da Universidade de Hong Kong anunciaram que descobriram o primeiro caso de reinfecção do novo coronavírus. A descoberta analisou um homem diagnosticado novamente com a covid-19 meses após contrair a doença.

O que é coronavírus?

Coronavírus é uma família de vírus que causam infecções respiratórias. O novo agente do coronavírus foi descoberto em 31/12/19 após casos registrados na China.Os primeiros coronavírus humanos foram isolados pela primeira vez em 1937. No entanto, foi em 1965 que o vírus foi descrito como coronavírus, em decorrência do perfil na microscopia, parecendo uma coroa.

A maioria das pessoas se infecta com os coronavírus comuns ao longo da vida, sendo as crianças pequenas mais propensas a se infectarem com o tipo mais comum do vírus. Os coronavírus mais comuns que infectam humanos são o alpha coronavírus 229E e NL63 e beta coronavírus OC43, HKU1.

Como prevenir o coronavírus?

O Ministério da Saúde orienta cuidados básicos para reduzir o risco geral de contrair ou transmitir infecções respiratórias agudas, incluindo o coronavírus. Entre as medidas estão:

  • Lavar as mãos frequentemente com água e sabonete por pelo menos 20 segundos, respeitando os 5 momentos de higienização.
  • Se não houver água e sabonete, usar um desinfetante para as mãos à base de álcool.
  • Evitar tocar nos olhos, nariz e boca com as mãos não lavadas.
  • Evitar contato próximo com pessoas doentes.
  • Ficar em casa quando estiver doente.
  • Cobrir boca e nariz ao tossir ou espirrar com um lenço de papel e jogar no lixo.
  • Limpar e desinfetar objetos e superfícies tocados com frequência.
  • Profissionais de saúde devem utilizar medidas de precaução padrão, de contato e de gotículas (máscara cirúrgica, luvas, avental não estéril e óculos de proteção).
  • Para a realização de procedimentos que gerem aerossolização de secreções respiratórias como intubação, aspiração de vias aéreas ou indução de escarro, deverá ser utilizado precaução por aerossóis, com uso de máscara N95.

COMENTÁRIOS

Os comentários abaixo são de responsabilidade dos respectivos perfis do facebook.