CRIME

Moradores estão espantados após prisão do presidente de ONG por pedofilia; "A surpresa é grande"

Segundo os moradores, o presidente da ONG era querido na comunidade

Moradores estão espantados após prisão do presidente de ONG por pedofilia;

Segundo a polícia, no celular dele foram encontradas fotos das vítimas sem roupas - Foto: Foto Ilustrativa

Agência Brasil

Os moradores da comunidade onde funcionava a Organização Não Governamental (ONG), ficaram espantados com a prisão nessa quarta-feira (23) do presidente da ONG, de 37 anos, que atendia crianças e adolescentes na Região Metropolitana do Recife, suspeito de pedofilia. 

De acordo com a polícia, no celular dele foram encontradas fotos das vítimas sem roupa. O suspeito foi levado a Delegacia de Santo Amaro, na Zona Norte do Recife. Ele chegou ao local em uma viatura descaracterizada da polícia. Questionado pela reportagem, ele disse que só se pronunciaria na presença de um advogado. Porém, à polícia, ele admitiu o crime.

"Ele confessou, inclusive, estava com celular com material pornográfico de criança e adolescente. A polícia se dirigiu até lá e realmente foi encontrado o rapaz já contido e a salvo da população. Só que ele reagiu contra os policiais e tentou destruir as provas, apagar o conteúdo, mas deu para recuperar", declara a delegada Alessandra Brito.

Suspeito era querido na comunidade

Segundo os moradores, o presidente da ONG era querido na comunidade. “Eu estou sem acreditar. Era um menino muito direito, educado, muitos anos que eu moro aqui e nunca ouvi nada daquele menino”, comentou uma mulher, sem se identificar.

Surpresa

 “A surpresa é grande. Jamais eu esperava isso”, afirmou um outro morador da localidade, que também teve a identidade preservada. 

ONG

A ONG atuava há mais de 10 anos na comunidade. Pelo menos 60 crianças e adolescentes participavam de atividades esportivas oferecidas em uma quadra do bairro, sempre aos sábados e domingos.

COMENTÁRIOS

Os comentários abaixo são de responsabilidade dos respectivos perfis do facebook.