EDUCAçãO

Após entrar na Justiça, sindicato dos donos de escolas revela proposta feita para retorno das aulas

A reivindicação foi entregue ao Governo de Pernambuco, de acordo com o presidente do Sinepe, José Ricardo Diniz

Após entrar na Justiça, sindicato dos donos de escolas revela proposta feita para retorno das aulas

Presidente do sindicato das escolas particulares de Pernambuco (Sinepe-PE), José Ricardo Diniz - Foto: Yacy Ribeiro/ JC Imagem

Com informações do Por Dentro com Cardinot

O Sindicato das Escolas Privadas de Pernambuco ingressou na Tribunal de Justiça de Pernambuco (TJPE), na última sexta-feira (25), pedindo a volta das aulas presenciais em todas as séries da rede privada de ensino, mas ainda não obteve retorno. Em entrevista ao Por Dentro com Cardinot, nesta quinta-feira (01), presidente do sindicato das escolas particulares de Pernambuco (Sinepe-PE), José Ricardo Diniz, revelou a proposta feita ao Governo de Pernambuco para a retomada das aulas. 

‘’A ação que estamos movendo (sindicato) contra o Governo do Estado é o propósito de reivindicar a questão e propor já nas datas, que foram colocados em coletiva. No dia 06, as escolas que estiveram prontas, não quer dizer que todas vão voltar, mas aquelas que tiveram prontas, com os protocolos de segurança, retornaram. A proposta é o Ensino Infantil voltar junto com o 3º ano, do Ensino Fundamental com 2º ano e o 1º ano junto com o Ensino Fundamental 2’’, afirmou.

>>Com intenção de evitar horário de pico no transporte público, aulas na rede estadual em Pernambuco começarão mais tarde

O presidente Sinepe-PE também explicou o motivo do pedido abrangente feito na Justiça. De acordo com ele, a ação foi tomada a partir de uma declaração do próprio secretário de Educação de Pernambuco, Fred Amâncio. ‘’Nos pautamos na própria fala da coletiva do secretário (de Educação), quando ele trouxe exemplos dos países que voltaram com as escolas e priorizam isso (às aulas), porque educação é prioridade. Dentro do contexto que reforma apresentados, a educação infantil foi por onde começou, que foi a nossa proposta quando enviamos em julho para o secretário (Fred Amâncio)’’, contou José Ricardo Diniz. 

Estado de greve

Contrários ao retorno das aulas, professores da rede privada de Pernambuco decretaram estado de greve. A decisão foi tomada durante assembleia virtual realizada pelo Sindicato dos Professores de Pernambuco (Sinpro-PE). A categoria é contra a liberação das aulas presenciais para o ensino básico, inicialmente com os estudantes do 3º ano do ensino médio. Quando o Governo de Pernambuco lançou o cronograma de retorno das aulas presenciais, José Ricardo Diniz já havia feito críticas pela liberação ser feita de forma gradual e em conjunto com a rede pública de ensino.

‘’A escola vai cumprir a carga horário estabelecida das 800 horas anuais. Só que a maior parte, cerca de 70% das escolas privadas trabalham com o infantil até o 5º ano. A destruição do segmento está em curso e contaminação do momento eleitoral também contribui para isso. Do contingente de 2 milhões e 300 mil, praticamente a metade é de escola municipal. Já jogaram a toalha de 2020 (governo), com uma ideia de ciclo, para vivenciar dois anos em um só. A escola particular não agirá assim’’, afirmou à época. 

Protocolo contra o coronavírus

  • Reduzir a ocupação das salas de aula;
  • adotar revezamento de turmas, se necessário.

Distanciamento social

  • Manter, pelo menos, 1,5 m (um metro e meio) de distância entre os estudantes, trabalhadores em educação e colaboradores, em todos os ambientes do estabelecimento de ensino;
    estabelecer o número de estudantes por turma, observando rigorosamente as normas de distanciamento, 1,5m (um metro e meio) entre as bancas escolares, reduzindo a quantidade de estudantes, se necessário;
  • promover diferentes intervalos de entrada, saída e alimentação entre as turmas, com o objetivo de evitar aglomerações.

Prevenção/proteção

  • Utilizar a máscara de forma obrigatória e contínua, por todas as dependências do estabelecimento de ensino, devendo ser observadas as orientações específicas quando se tratar de crianças até dois anos de idade;
  • disponibilizar, para uso dos estudantes, trabalhadores em educação e colaboradores local para lavagem frequente das mãos, provido de sabão, toalhas de papel além da disponibilização do álcool 70%, em pontos estratégicos de fácil acesso;
  • higienizar grandes superfícies com os seguintes produtos: hipoclorito de sódio a 0.1%; alvejantes contendo hipoclorito (de sódio, de cálcio) a 0,1%; dicloroisocianurato de sódio (concentração de 1,000 ppm de cloro ativo); iodopovidona (1%); peróxido de hidrogênio 0.5%; ácido peracético 0,5%, quaternários de amônio, por exemplo, o Cloreto de Benzalcônio 0.05%; compostos fenólicos;
  • desinfetantes de uso geral aprovados pela Anvisa, observando as medidas de proteção, em particular o uso de equipamentos de proteção individual (EPI) quando do seu manuseio.

Monitoramento e educação

  • Elaborar cartilha de orientação sobre os cuidados básicos de prevenção do novo coronavírus para disponibilizar pela internet para estudantes, trabalhadores em educação e colaboradores;
  • orientar estudantes, trabalhadores em educação e colaboradores dos estabelecimentos de ensino que apresentarem sintomas gripais, e os seus contatos domiciliares, a acessarem o aplicativo “Atende em Casa” (www.atendeemcasa.pe.gov.br). Durante o acesso, serão orientados sobre como proceder com os cuidados, inclusive sobre a necessidade de procurar um serviço de saúde.

COMENTÁRIOS

Os comentários abaixo são de responsabilidade dos respectivos perfis do facebook.