PESQUISA

Testes clínicos da vacina BCG contra covid-19 vão durar até 12 meses

Testes clínicos para verificar a eficácia da vacina BCG, usada contra a tuberculose, no combate ao coronavírus (covid-19) devem durar até 1 ano

Testes clínicos da vacina BCG contra covid-19 vão durar até 12 meses

Estimativa foi feita pela coordenadora da pesquisa - Foto: Reprodução/Rádio Jornal

Agência Brasil

Os testes clínicos para verificar a eficácia da vacina BCG, usada contra a tuberculose, no combate ao coronavírus Sars-CoV-2,  causador da covid-19, devem durar entre seis e 12 meses, disse a coordenadora da pesquisa, Fernanda Mello, professora de Tisiologia e Pneumologia do Instituto de Doenças do Tórax da Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ), nessa segunda (5).

 

A cientista detalhou que os 1 mil profissionais de saúde voluntários que participarão da pesquisa devem ser recrutados nos próximos dois meses. 

A hipótese que a equipe de pesquisadores busca confirmar é a de que a BCG estimula o sistema imunológico a se defender contra a covid-19, evitando a infecção ou o desenvolvimento de quadros mais graves da doença.

A suspeita surgiu quando foram comparados dados epidemiológicos de países que aplicam a BCG em seus calendários vacinais para prevenir a tuberculose, principalmente na América do Sul, África e Ásia, com os de países que suspenderam esse tipo de vacinação, como Estados Unidos, Espanha e Itália.

 

>> Novo coronavírus pode afetar visão, pulmão e memória? Médico explica sequelas

>> Pesquisa diz mutações deixam o novo coronavírus mais resistente e contagioso; infectologista explica

>> Estabilidade de casos do coronavírus em PE não significa que pandemia está controlada, diz Longo

>> Hemope tem estoques baixos por causa do coronavírus e convoca doadores; veja como doar

>> Casos de pedofilia aumentam durante pandemia do novo coronavírus

 

Reforço

A professora da UFRJ esclareceu que, apesar de a população brasileira já receber a BCG desde a década de 1970, a revacinação dos voluntários é necessária porque a hipótese estudada é de que o reforço do sistema imunológico ocorre nos anos seguintes à imunização. 

"Por que revacinar nesse momento? Sabemos que essa vacina estimula a imunidade inata e pode ter uma ação mais efetiva nos anos subsequentes à aplicação. Temos evidências de que, nesse momento, a revacinação traria um novo estímulo, uma nova carga de estímulo ao sistema imune e para essa imunidade inata de forma que se tornasse mais eficiente para a resposta a outros desafios como o Sars-CoV-2".

 

>> Qual máscara usar? Todas protegem do coronavírus? Tire dúvidas

>> Coronavírus: Pernambuco prorroga estado de calamidade por mais 180 dias devido à pandemia

>> Casos de coronavírus devem aumentar em ''quatro e cinco semanas'' após 07 de setembro, afirma infectologista

>> Drive-thru para testes do coronavírus é disponibilizado no Centro de Convenções

 

Ministro

O início da testagem foi celebrado em uma cerimônia na UFRJ, com a presença do ministro de Ciência, Tecnologia e Inovação, Marcos Pontes. O ministro ressaltou que, mesmo se a hipótese for confirmada, a vacinação com BCG não substituirá as vacinas específicas contra a covid-19 que estão sendo desenvolvidas e funcionaria apenas como um reforço à resposta imunológica.

Além do início dos testes clínicos com a BCG, a cerimônia também inaugurou um laboratório de campanha na UFRJ para a realização de pesquisas e testes diagnósticos de covid-19. Em seu discurso, Pontes declarou que, além de 12 laboratórios de campanha como o inaugurado hoje, foi feito um esforço para elevar o nível de biossegurança de 14 laboratórios no país, do nível NB-2 para o nível NB-3. Segundo ele, a pasta pretende ainda construir um laboratório NB-4 no Centro Nacional de Pesquisa em Energia e Materiais (CNPEM).

"É um projeto caro? É. Mas quanto custa uma vida? O recurso para ciência e tecnologia não é gasto, é investimento para o país, para salvar vida, produzir riquezas para o país, melhorar a qualidade de vida e produzir conhecimento", disse. "Temos que pensar um pouco no futuro. Essa não vai ser a última pandemia. É chato falar, mas é verdade. O quanto preparados estamos para as outras pandemias que virão?"

 

>> Pernambuco confirma mais uma morte de criança com síndrome rara associada à covid-19

>> Covid-19: Reabertura pode retroceder se números voltarem a subir, diz secretário

>> Coronavírus: ''A população é que precisa se conscientizar'', diz secretário de saúde sobre aglomerações

>> Médica acredita em aumento de infectados e mortos por coronavírus após aglomerações: ‘’convite para a transmissão’’

 

Importância de investimentos

O ministro afirmou que tem dialogado com o Congresso sobre a importância de reposição de pesquisadores em instituto do país e levado demandas por recursos ao Ministério da Economia. 

Ao discursar na cerimônia, a reitora da Universidade Federal do Rio de Janeiro, Denise Pires, defendeu a recomposição dos orçamentos dos ministérios da Educação e do Ministério de Ciência, Tecnologia e Inovação. 

A reitora destacou que as universidades públicas realizaram mais de 3 mil ações de enfrentamento à covid-19 no país e citou iniciativas da UFRJ, como a produção de 80 toneladas de álcool em gel e o desenvolvimento de um ventilador pulmonar. "Sem investimento, não conseguiríamos ter feito tudo aquilo que fizemos até agora".

 

>> Secretário de Saúde demonstra preocupação sobre falta de medicação para tratar crianças com síndrome rara associada ao coronavírus 

>> Fiocruz: pandemia mantém média de mil vítimas do coronavírus por dia no Brasil

>> "Pico da pediatria em relação ao coronavírus ainda está por vir", diz vice-presidente do Cremepe

>> Coronavírus: Declaração de vice-presidente do Cremepe sobre ''pico da pediatria'' preocupa especialistas e pais

COMENTÁRIOS

Os comentários abaixo são de responsabilidade dos respectivos perfis do facebook.