retorno

Plano de Convivência: Confira todas as atividades que retornaram em Pernambuco e a previsão para outras liberações


Foram definidas 11 etapas para o retorno da atividades em Pernambuco, chamado de Plano de Convivência

Por Robert Sarmento
Por Robert Sarmento
Publicado em 09/10/2020 às 15:07
Tião Siqueira/JC Imagem
FOTO: Tião Siqueira/JC Imagem
Leitura:

Após os primeiros casos do novo coronavírus registados em Pernambuco, no mês de março, várias medidas foram tomadas por causa da pandemia, desde a criação de lei para usar máscara e orientações sobre o álcool em gel, passando pelo lockdown no momento considerado como o pico da covid-19, até a criação do planejamento para a retomada das atividades não essenciais. Em outubro, o Estado entrou na Etapa 10 do Plano de Convivência e quase todas os setores já retornaram ao funcionamento presencial, com a necessidade de seguir os protocolos de segurança contra o novo coronavírus.

>>Com maior taxa de mortalidade do Nordeste, confira os números da covid-19 nos bairros do Recife

A partir da próxima segunda-feira (26), o avanço das Gerências Regionais de Saúde (Geres) IX e X – que têm Ouricuri e Afogados da Ingazeira como cidades polo, avançam para a Etapa 10 do Plano de Convivência. Com isso, todas região de Pernambuco estão próximas de entrarem na última etapa e todas as atividades voltarem a funcionar.

>>Casal e idosa de 97 anos, primeiros casos do novo coronavírus em Pernambuco, celebram 'nova vida'

Saiba o que está funcionamento em Pernambuco neste ‘novo normal’, de acordo com o Plano de Convivência da Secretaria Estadual de Saúde (SES-PE) e do Gabinete de Enfrentamento ao novo coronavírus, além das previsões do governo estadual para avançar de etapa e determinar outras liberações. Todas as atividades devem ser liberadas em Pernambuco até 9 de novembro, afirma o secretário de Desenvolvimento Econômico de Pernambuco, Bruno Schwambach.

Etapa 1 do Plano de Convivência

Permite que funcionem, apenas por delivery, varejo, shoppings, praças de alimentação e comércio atacadista. As lojas de material de construção também podem funcionar, mas com novos protocolos.

Etapa 2 do Plano de Convivência

Podem funcionar, além dos serviços essenciais, construção civil, com 50% dos funcionários; comércio atacadista das 9h às 18h; shoppings, centros comerciais e praças de alimentação apenas por pontos de coleta e drive-thru. E consultórios, ambulatórios e serviços de saúde.

Etapa 3 do Plano de Convivência

Fica autorizado o varejo de rua em lojas de até 200m2, salões de beleza e serviços de estética, treinos de futebol profissional e comércio/aluguel de veículos, esses com 50% da capacidade.

Etapa 4 do Plano de Convivência

Estabelece novos protocolos para o varejo de rua; a construção civil pode operar com 100% das equipes e os shopping centers podem abrir as portas, mas com controle de fluxo limitado a 30% da capacidade e horário reduzido, das 12h às 20h.

Etapa 5 do Plano de Convivência

Autoriza a reabertura de serviços de escritório, com 50% da capacidade, e permite 100% das equipes em lojas de comércio e aluguel de veículos.

Etapa 6 do Plano de Convivência

Eventos corporativos com limite máximo de 100 pessoas ou com ocupação de até 30%, o que for menor, até as 22h (desde 7 de setembro). Serviços de alimentação, com 50% da capacidade; academias de ginástica e similares, com novos protocolos; comércio varejista com um cliente para cada 10m2 e shoppings centers podem receber 50% da capacidade. Além disso, feira e Polo de Confecção podem reabrir.

Etapa 7 do Plano de Convivência

Permite que serviços de alimentação estendam seu horário para as 22h e shopping centers podem funcionar das 10h às 22h. Igrejas e templos também podem aumentar a capacidade de funcionamento. Aquelas que possuem espaço para até 999 fiéis poderão receber 30% da sua capacidade total. Já as instituições com área para mais de mil fiéis poderão funcionar com 20% da capacidade.

Etapa 8 do Plano de Convivência

Fica permitido 100% da mão de obra dos serviços de escritório. Os serviços de alimentação podem receber 70% da sua capacidade. São reabertos o comércio de praia e os museus e espaços de exposição.

>>''A população é que precisa se conscientizar'', diz secretário de saúde sobre aglomerações

Etapa 9 do Plano de Convivência

Cinemas, teatros e eventos sociais e culturais com até 100 pessoas ou 30% da ocupação do espaço, o que for menor. Serviços de alimentação podem passar a receber até 70% da capacidade e funcionar das 6h à meia noite. A distância obrigatória entre as mesas passa de 1,5 metro para 1 metro. Apesar da liberação, até o momento, apenas o Shopping Costa Dourada e o Cinema São Luiz confirmaram que vão abrir as sessões.

Etapa 10 do Plano de Convivência

Aumento da capacidade de todos os três tipos de eventos para até 300 pessoas, ou 50% da capacidade do estabelecimento. Ficam liberados os parques de diversão, temáticos e similares, com novos protocolos. Os eventos sociais, culturais e corporativos podem aumentar a capacidade para até 300 pessoas, ou 50% da capacidade do estabelecimento, a partir do dia 12 de outubro.

Próximos passos da Plano de Convivência

O secretário de desenvolvimento econômico de Pernambuco, Bruno Schamwbach, revelou que a partir do dia 03 de novembro vai começar a liberar a realização de eventos com até 1,5 mil pessoas. Ainda de acordo com o secretário, governo estadual estará recebendo os pedidos para realização de eventos sociais, culturais ou corporativos a partir da segunda-feira (12). As solicitações irão passar por alvarás individuais de liberação, incluindo pelo crivo da vigilância sanitárias.

Etapa 11 do Plano de Convivência

A última etapa do Plano de Convivência significa o retorno de todas as atividades essenciais, com novos protocolos para autorizar a reabertura do serviço público (100% da capacidade), salões de beleza, comércio varejista, serviços médicos, odontológicos, veterinários; serviços de alimentação; feira e polo de confecção; shoppings, centros comerciais e praças de alimentação; museus, cinemas e parques de diversão; e locais para prática esportiva. Ainda não tem previsão de avanço para a Etapa 11. Vale lembrar que o Governo de Pernambuco prorrogou o estado de calamidade por mais 180 dias devido à pandemia da covid-19.

Polêmica das aulas presenciais

Depois da divulgação do cronograma de retorno das aulas presenciais, os professores da rede estadual de Pernambuco decidiram retomar a greve desde o dia 21 de outubro, apesar do Tribunal de Justiça impor uma multa diária no valor de R$ 100 mil, por meio do desembargador Fábio Eugênio Dantas de Oliveira Lima. Mesmo assim, alunos do 3º ano da rede pública de Pernambuco retornaram às aulas presenciais

Duas escolas particulares suspenderam as aulas presenciais para algumas turmas após um aluno, em cada colégio, ter testado positivo para o novo coronavírus. A diretora do Colégio Grande Passo, Solange Mota, reforçou que as atividades foram suspensas na escola particular para uma das turmas do 2º ano e acredita que o estudante não foi infectado na escola.

O Colégio Damas teve uma medida semelhante. A escola decidiu suspender as aulas das turmas de 3º ano do ensino médio pelos próximos 14 dias por conta da contaminação de alguns estudantes pelo novo coronavírus (covid-19). Esse primeiro jovem a adoecer foi apenas um dia para a escola, justamente no primeiro dia de retorno.

Até o dia 31 de outubro as aulas presenciais do Ensino Fundamental e Educação Infantil estão suspensas. O decreto que vetou as aulas presenciais foi revisto e estendido. De acordo com a decisão, o comitê contra a covid-19 entende que não é o momento de retomar às aulas presenciais para a educação infantil e o ensino fundamental da rede estadual de Pernambuco ou da rede privada.

Vacina contra o novo coronavírus

O presidente Jair Bolsonaro afirmou que o governo federal não comprará a vacina CoronaVac, que está sendo desenvolvida pela farmacêutica chinesa Sinovac em parceria com o Instituto Butantan. De acordo com ele, antes de ser disponibilizada para a população, a vacina deverá ser “comprovada cientificamente” pelo Ministério da Saúde e certificada pela Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa).

O Brasil mantém tratativas com nove laboratórios ou centros de pesquisa atuando em estudos e no desenvolvimento de vacinas contra a covid-19. Com os responsáveis pelas vacinas Oxford e Astrazeneca e do consórcio da OMS Covax Facility, já foram celebrados acordos para a aquisição de 140 milhões de doses no primeiro semestre de 2021, que serão disponibilizadas pelo Programa Nacional de Imunização.

>>Vacina BCG, usada contra a tuberculose, combate à covid-19? Coordenadora explica testes

O diretor-geral da Organização Mundial da Saúde (OMS), Tedros Adhanom Ghebreyesus, afirmou que uma vacina contra a covid-19 pode estar pronta até o fim de 2020. "Vamos precisar de vacinas e há esperança de que possamos ter uma vacina até o final deste ano. Há esperança", disse Tedros em discurso ao fim de dois dias de reuniões do Conselho Executivo da OMS.

Mais Lidas