CASO DE POLíCIA

Ministério Público pede prisão de homem que foi filmado batendo em mulher na Bahia

O agressor da mulher foi identificado como Carlos Samuel Freitas Costa Filho, de 33 anos

Ministério Público pede prisão de homem que foi filmado batendo em mulher na Bahia

Homem aparece agredindo mulher em vídeo - Foto: Reprodução de vídeo

O Ministério Público da Bahia (MPBA) pediu a prisão preventiva de Carlos Samuel Freitas Costa Filho, que foi flagrado agredindo uma mulher com vários socos no rosto. O caso aconteceu em Ilhéus, na Bahia, e casou revolta nas redes sociais. De acordo com o MP, a notícia da agressão foi encaminhada ao Tribunal de Justiça da Bahia e justifica da ''necessidade de resguardar a ordem pública, considerando-se a gravidade da conduta concreta (exacerbada violência empregada) e a condição reincidente do autor do fato".

>>Violência contra a mulher cresce em cidades do Grande Recife e interior de PE

De acordo com a polícia, Carlos Samuel tem histórico de agressões a namoradas e mulheres da família. De acordo com a polícia baiana, Carlos Samuel já responde por outros 10 crimes de violência contra outras mulheres. Nas imagens da agressão que viralizaram, a vítima pede para não ser agredida. 

“Me solte e vá embora. Você se acha que, porque você é amigo de polícia... Eu vou dar queixa de você. Aqui, minha boca está do jeito que está. Acabou. Desencosta de mim, pegue sua moto e vá embora. Vá embora, eu vou dar queixa de você”, pediu a mulher antes de ser agredida.

Violência contra a mulher na pandemia

Agência Brasil: O relatório “Violência Doméstica Durante Pandemia de Covid-19”, do Fórum Brasileiro de Segurança Pública (FBSP)  analisou dados de violência contra a mulher entre os meses de março e maio de 2020. Segundo a pesquisa, com o isolamento adotado, por causa da pandemia do novo coronavírus, houve “uma redução em uma série de crimes contra as mulheres em diversos estados – indicativo de que as mulheres estão encontrando mais dificuldades em denunciar a(s) violência(s) sofridas nesse período.” A única exceção foi nos crimes letais.

O relatório do Fórum também indica que, no período avaliado, houve uma redução na “distribuição e na concessão de medidas protetivas de urgência, instrumento fundamental para a proteção da mulher em situação de violência doméstica.”

COMENTÁRIOS

Os comentários abaixo são de responsabilidade dos respectivos perfis do facebook.