DEBATE DA TV JORNAL

Confira como foi o debate da TV Jornal com candidatos à Prefeitura do Recife

Participaram do debate da TV Jornal os sete candidatos à Prefeitura do Recife com representação mínima de cinco parlamentares, no Congresso Nacional

Confira como foi o debate da TV Jornal com candidatos à Prefeitura do Recife

O debate foi uma realização do Sistema Jornal do Commercio de Comunicação (SJCC). - Foto: Bobby Fabisak/JC Imagem

O debate da TV Jornal com os candidatos à Prefeitura do Recife para nas eleições 2020 aconteceu nesta terça-feira (10). O evento foi uma realização do Sistema Jornal do Commercio de Comunicação (SJCC).

Mediado por Leandro Oliveira, jornalista que apresenta o TV Jornal Meio Dia, o debate foi exibido ao vivo, na TV Jornal, no nosso site e redes sociais, além das páginas do NE10, Jornal do Commercio e Rádio Jornal.

>> Veja as entrevistas da TV Jornal com os candidatos à Prefeitura do Recife

>> Debate da TV Jornal com candidatos à Prefeitura do Recife acontece nesta terça (10)

>> TV Jornal promove debate com candidatos à Prefeitura do Recife no dia 10 de novembro

 

Em meio à pandemia

Em um ano marcado pelos desafios impostos pela pandemia do novo coronavírus (covid-19), a realização do debate exigiu da equipe do SJCC ainda mais cuidado e dedicação. O evento foi realizado para que você, eleitor, acompanhe o confronto de ideias entre os candidatos, avalie e decida quem merece o seu voto, no próximo dia 15.

 

>> SJCC realiza primeiro debate com candidatos a prefeitos do interior do Estado

>> Eleições 2020: Confira como a TV Jornal prepara o debate com candidatos a prefeito do Recife

>> Eleições 2020: Confira quando e como será o debate com os candidatos a prefeito do Recife na TV Jornal

 

Confira o debate completo

 

Comportamento

A regra acertada com todos os assessores jurídicos dos candidatos foi que o microfone seria silenciado, no caso de ofensas e brigas. Os candidatos também puderam solicitar direito de reposta, por meio de assessoria jurídica à produção do debate, não sendo permitido pedir diretamente no microfone.

A avaliação dos pedidos ficou a cargo de uma comissão formada por um representante da assessoria jurídica do debate e um representante da Ordem de Advogados do Brasil (OAB-PE).

Disposição

A disposição dos candidatos no estúdio foi definida, previamente, em sorteio, na presença dos representantes dos candidatos, cujos partidos possuem representação mínima de cinco parlamentares, no Congresso Nacional. Participaram, então, deste debate os candidatos, da esquerda para a direita, na ordem do sorteio:

  • Charbel Maroun (NOVO)
  • Carlos Andrade Lima (PSL)
  • Mendonça Filho (Dem)
  • Coronel Feitosa (PSC)
  • João Campos (PSB)
  • Delegada Patrícia (Podemos)
  • Marília Arraes (PT) 

Além dos candidatos que participaram do debate, disputam as eleições para a Prefeitura do Recife, este ano, os seguintes concorrentes: Cláudia Ribeiro (PSTU), Marco Aurélio Meu Amigo (PRTB), Thiago Santos (UP) e Victor Assis (PCO).

Blocos

O debate foi dividido em três blocos, nos quais os candidatos fizeram perguntas entre si, com temas livres e definidos, sorteados na hora.

Em função das regras sanitárias decorrentes da pandemia causada pelo novo coronavírus, os candidatos não puderam fazer deslocamentos no estúdio, no momento de realizar perguntas e/ou respostas aos candidatos oponentes.

A posição que cada candidato ocupou no estúdio foi definida na presença da produção do debate e das assessorias dos candidatos. Os candidatos ficaram a uma distância mínima de 1,5 m um do outro.

Prevenção

Por causa da pandemia do novo coronavírus e para a garantir a segurança dos candidatos e das equipes envolvidas no debate, foram cumpridas regras rígidas de prevenção à covid-19, que começaram na entrada da emissora e seguiram durante todo o debate.

Ao entrar na emissora, candidatos e assessores tiveram a temperatura aferida. O uso de máscaras foi obrigatório, durante o tempo de permanência dos candidatos na empresa. Elas só puderam ser retiradas pelos candidatos dentro do estúdio, durante o debate.

Os participantes tiveram que manter um distanciamento, nenhum assessor teve acesso ao estúdio e os candidatos não puderam circular pelo local durante o programa, devendo permanecer no púlpito reservado a eles, onde foi disponibilizado álcool a 70% para a higienização das mãos, sempre que necessário. As mesmas normas valeram para as equipes do SJCC.

1º bloco

O debate começou com cada um dos candidatos respondendo à pergunta: "Por que eu quero ser prefeito do Recife?", com direito a 1 minuto.

De acordo com as regras, a ordem obedeceu o posicionamento dos participantes no estúdio, da esquerda para a direita:

  1. Charbel Maroun (NOVO)
  2. Carlos Andrade Lima (PSL)
  3. Mendonça Filho (Dem)
  4. Coronel Feitosa (PSC)
  5. João Campos (PSB)
  6. Delegada Patrícia (Podemos)
  7. Marília Arraes (PT) 

1º rodada de perguntas entre os candidatos

Depois das apresentações e de respondida a pergunta sobre a prefeitura do Recife, os candidatos puderam fazre perguntas uns aos outros. O tema foi livre.

Cada candidato pôde fazer uma pergunta, com duração máxima de 30 segundos. A resposta só podia ter até um minuto e meio.

Já a réplica e a tréplica podiam ter, no máximo, um minuto, cada. 

O mediador, Leandro Oliveira, sorteou o nome do candidato que iniciou a rodada de perguntas. Ele escolheu um oponente para questionar, que ficou responsável pela próxima pergunta (a qualquer participante que não tinha perguntado) e assim por diante. O último candidato a questionar fez a pergunta ao que iniciou a rodada.

 

2º bloco

No bloco 2, os candidatos fizeram perguntas entre si, de temas sorteados na hora. Leandro Oliveira também fez um sorteio, ao vivo, do primeiro candidato que fez pergunta ao oponente, de sua livre escolha.

Assim como na primeira rodada, cada pergunta teve duração máxima de 30 segundos. A resposta pôde ser de até um minuto e meio. Já a réplica e a tréplica, de até um minuto cada.

A ordem de perguntas também foi feita da mesma forma. O candidato sorteado para iniciar a rodada escolheu um concorrente a quem queria fazer um questionamento sobre um novo tema, sorteado. O candidato que respondeu podia fazer a próxima pergunta a qualquer participante que não tinha perguntado, e assim por diante. O último candidato a responder fez a pergunta ao que começou a rodada.

3º bloco

No último bloco, cada candidato teve até um minuto para fazer as considerações finais. A a ordem da fala de cada um foi definida, previamente, por sorteio, na presença dos representantes dos candidatos.

Conforme sorteio da ordem dos candidatos para as considerações finais, quem começou foi a candidata Delegada Patrícia, do Podemos. Depois, João Campos, do PSB.

Em seguida, Marília Arraes, do PT. Coronel Feitosa, do PSC, foi o quarto candidato a falar, seguido por Mendonça Filho, do DEM. Charbel Maroun, do partido Novo, foi o próximo e Carlos Andrade Lima, do PSL, encerrou a rodada.

 

 

Sabatinas

A TV Jornal também promoveu sabatinas com os 11 candidatos à Prefeitura do Recife. Todos foram questionados sobre seus planos de gestão e projetos para a capital pernambucana. Entre os dias 12 e 26, o apresentador Leandro Oliveira conduziu as sabatinas para munir o eleitor de informações e ajudar na decisão do voto, exercício fundamental de cidadania e transformação. Acompanhe aqui todas entrevistas da TV Jornal com os candidatos:

Coronel Feitosa (PSC) - Dia 12/10

O candidato Coronel Feitosa, do Partido Social Cristão (PSC), começou contando os motivos pelos quais se sente preparado para ser prefeito do Recife, falando de sua experiência como servidor público e conhecimento da área de segurança pública, além de sua experiência como secretário de Turismo. O Coronel Feitosa falou também sobre sua relação e apoio ao presidente Jair Bolsonaro. Ele falou, ainda, que quer 'varrer' o socialismo e o comunismo da cidade do Recife.

Victor Assis (PCO) - Dia 13/10

O candidato à Prefeitura do Recife Victor Assis (PCO), que seria o segundo a ser recebido na TV Jornal para a sabatina, informou que teve um imprevisto e não conseguiu voltar a tempo de São Paulo para o Recife. De acordo com a regras, as entrevistas devem ser feitas presencialmente, no estúdio. Portanto, excepcionalmente, não houve entrevista com o candidato no TV Jornal Meio-Dia.

Charbel Maroun (Novo) - Dia 14/10

O candidato à Prefeitura do Recife Charbel Maroun, do partido Novo, se comprometeu, durante a sabatina, a fazer o Consórcio Grande Recife "funcionar" caso seja eleito. O candidato afirmou que tirar o Recife do consórcio acabaria saindo mais caro do que resolver os problemas existentes no consórcio atual. O candidato também defendeu uma parceria com a iniciativa privada quando se trata de educação municipal.

Marco Aurélio (PRTB) - Dia 15/10

O candidato à Prefeitura do Recife Marco Aurélio Meu Amigo, do Partido Renovador Trabalhista Brasileiro (PRTB), prometeu a criação de um voucher educacional para atender estudantes de comunidades em que a oferta de vagas em escolas públicas esteja deficitária. Questionado sobre o slogan “vamos endireitar o Recife”, adotado por sua campanha, Marco Aurélio defendeu a alternância de poder e disse que chegou o momento da direita mostrar seu trabalho à cidade. 

Mendonça Filho (DEM) - 16/10

Durante a sabatina, o ex-ministro da Educação Mendonça Filho, do Democratas (DEM), classificou como “um crime” o fato de que grande parte dos motoristas de ônibus que circulam na Região Metropolitana também estejam exercendo a função de cobradores, questão que tem sido o mote de vários protestos da categoria.

Carlos Andrade Lima (PSL) - 19/10

O candidato à Prefeitura do Recife Carlos Andrade Lima, do Partido Social Liberal (PSL), defendeu durante a sabatina a união da prefeitura com a comunidade e a iniciativa privada. Carlos afirmou que a população não pode ser dependente apenas do governo e apontou que essa união seria ideal para resolver os problemas da cidade.

João Campos (PSB) - 20/10

O candidato a prefeito do Recife João Campos, do Partido Socialista Brasileiro (PSB), declarou que está preparado assumir a Prefeitura do Recife, mesmo enfrentando questionamentos sobre o fato de não ter experiência em gestões públicas e ser muito jovem. Durante a entrevista na TV Jornal, João Campos afirmou que o maior desafio do Recife é a desigualdade social e não apenas se tratando de renda, mas de oportunidades na educação e empregabilidade.

Thiago Santos (UP) - 21/10

Candidato à Prefeitura do Recife pela Unidade Popular (UP), Thiago Santos defendeu uma reforma tributária municipal. De acordo com o postulante, a população de baixa renda, que ganha até um salário mínimo, estaria pagando taxas abusivas considerando a remuneração que recebem. Ele defende que pessoas e empresas que ganham mais devem pagar mais.

Delegada Patrícia (Podemos) - 22/10

A Delegada Patrícia, candidata à Prefeitura do Recife pelo Podemos, aproveitou as críticas recentes sobre publicação encontrada em suas redes sociais que chamava a cidade de "Recífilis" para falar do problema de saúde pública no município. Além de voltar a se defender alegando que a publicação havia sido feita há 9 anos, a postulante disse que os apelidos que a cidade recebe representam os problemas que enfrenta.

Marília Arraes (PT) - 23/10

Na participação da petista na sabatina da TV Jornal, a candidata Marília Arraes, do Partido dos Trabalhadores (PT), afirmou que a experiência a fez tomar a decisão de ir para a oposição ao PSB. Ao ser questionada sobre o seu programa "Palafita Zero", semelhante ao "Recife Sem Palafitas", implementado na primeira gestão do PT do Recife, a partir de 2001, a candidata falou do compromisso em dar continuidade a essa política pública. Os recursos para viabilizar a propostas, de acordo com ela, devem ser obtidos através do corte de gastos da máquina. Segundo apontou a candidata, são gastos quase R$ 30 milhões por ano pela prefeitura com aluguel de carros.

Cláudia Ribeiro (PSTU) - 26/10

A candidata Cláudia Ribeiro, do Partido Socialista dos Trabalhadores Unificado (PSTU), defendeu a redução do salário do prefeito e vereadores, equiparando ao salário dos professores. Ao ser questionada sobre os impostos, ela defendeu que os valores pagos sejam destinado para as áreas sociais. Cláudia também criticou o custo das passagens de ônibus e a demissão de trabalhadores do setor.

COMENTÁRIOS

Os comentários abaixo são de responsabilidade dos respectivos perfis do facebook.