NOVO CORONAVÍRUS

Covid-19: festas de fim de ano podem agravar pandemia, diz Fiocruz

Pesquisadores alertam sobre possibilidade de colapso em atendimento dos novos casos

Covid-19: festas de fim de ano podem agravar pandemia, diz Fiocruz

“A circulação das pessoas no período de festas de fim de ano e férias deve acelerar a disseminação do vírus", disse a Fiocruz - Foto: Andréa Rêgo Barros/PCR

Agência Brasil

Estudo da Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz) aponta que o aumento do número de casos e internações por covid-19 em vários estados que vem sendo registrado desde o início de novembro está encontrando um sistema de saúde menos preparado para atender à demanda por leitos de enfermarias e unidades de terapia intensiva (UTIs), não só nas regiões metropolitanas, mas principalmente nas cidades menores do interior.

>>>Covid-19: Festas de Natal e Revéillon estão proibidas em todo o estado de Pernambuco

Os pesquisadores da Fiocruz alertam que a possibilidade de colapso do atendimento aos novos casos é real e poderá acontecer nas próximas semanas, agravada pela chegada das festas de fim de ano e das férias. “A circulação das pessoas no período de festas de fim de ano e férias deve acelerar a disseminação do vírus, que já circula com bastante velocidade e volta a ocupar os leitos hospitalares. A movimentação das pessoas tende a aumentar a necessidade de atendimento por outros agravos de saúde como os acidentes de trânsito, por exemplo”, diz a instituição.

A nota técnica O fim do ciclo de interiorização, a sincronização da epidemia e as dificuldades de atendimento nos hospitais, desenvolvida pela equipe de pesquisa do Monitora Covid-19, destaca que no fim do ano a maior movimentação de pessoas “sem cuidados devidamente adequados e sem manutenção do isolamento social”, agravará um quadro composto por “desmobilização de leitos extras dos hospitais de campanha; a ocupação de leitos por outros problemas de saúde que ficaram represados durante o avanço da epidemia de covid-19; a maior circulação de pessoas; as dificuldades de identificação de casos e seus contatos devido à baixa testagem; e o relaxamento dos cuidados de distanciamento social, uso de máscaras e higiene”.

De acordo com o epidemiologista do Instituto de Comunicação e Informação Científica e Tecnológica em Saúde (ICICT/Fiocruz) e um dos autores do estudo, Diego Xavier, no início da epidemia no Brasil, houve uma demanda grande nas regiões metropolitanas, e só depois veio a interiorização da doença, num momento em que a incidência da covid-19 já apresentava sinais de estabilidade nas cidades maiores.

“Agora, a covid-19 está fortemente presente tanto nas regiões metropolitanas quanto nas cidades do interior. E a epidemia está sincronizada, não começa mais nas metrópoles para depois ir para o interior. Um novo aumento dos casos pressionará a capacidade do atendimento à saúde das regiões metropolitanas, reduzindo também seus recursos para atender a pacientes vindos do interior. Na maioria dos lugares, a assistência à saúde deverá ser incapaz de atender à demanda”, disse o pesquisador.

Segundo a nota técnica, as regiões metropolitanas (RMs) compreendem apenas 177 do total de 5.570 municípios do Brasil. Porém, sua população total é de cerca de 70 milhões de habitantes, representando 33% da população nacional. Até o final de maio, cerca de 67% dos óbitos por covid-19 no país foram registrados nas regiões metropolitanas.

Com a interiorização da doença, no último dia de outubro essa proporção se inverteu. “As RMs passaram a representar somente 33% do total de óbitos registrados no país, demonstrando o que pode ser considerado como o fim do processo de interiorização”, diz o estudo.

Mortes fora das UTIs

De acordo com a Fiocruz, um importante indicador da falta de assistência de saúde está nos números de mortos fora das UTIs. Segundo a nota técnica, a “falta de UTI foi ainda mais expressiva nos municípios do interior, sobretudo pela dificuldade de acesso e as longas distâncias que devem ser percorridas em busca de atendimento”.

Segundo dados do Sistema de Informação de Vigilância Epidemiológica da Gripe (SivepGripe), no interior, o total de mortos fora das UTIs é proporcionalmente maior do que nas regiões metropolitanas em quase todo o país, sendo a única exceção a Região Sul, o que indica que a desassistência aos doentes por covid-19 é mais significativa nas cidades menores.

Em nível nacional, 36% morreram de covid-19 fora das UTIs no interior, contra 31% nas regiões metropolitanas. Há também os registros sem informação sobre o local da morte (9% no interior e 13% nas regiões metropolitanas), que podem elevar esses números. 

Os estados que registraram maiores índices de mortes no interior fora da UTI são Amapá (82%), Roraima (73%), Amazonas (66%), Pará (59%), Sergipe (58%), Tocantins (50%), Acre (46%) e Ceará (45%). Já nas regiões metropolitanas, os estados que tiveram mais óbitos fora da UTI foram Roraima (63%), Sergipe (53%), Amazonas (47%), Rio Grande do Norte  42%), Minas Gerais (38%), São Paulo (36%), Distrito Federal (35%) e Ceará (38%).

Pernambuco

Com aumento nos números da covid-19 no Estado, o governo de Pernambuco realizou um pronunciamento durante a tarde desta segunda-feira (7), determinando que as festas de Natal e Revéillon estão canceladas em todo o estado. A medida foi tomada como forma de contenção ao avanço do vírus e vale tanto para eventos gratuitos quanto para pagos, independentemente da quantidade de pessoas. 

>>>Pernambuco registra aumento de 27% em casos de covid-19 nos últimos 15 dias

>>>13 capitais do Brasil têm tendência de avanço da covid-19, alerta boletim da Fiocruz

Na ocasião, participaram o secretário de Saúde do Estado, André Longo, e o secretário de Desenvolvimento Econômico, Bruno Schwambach. A transmissão foi feita ao vivo, através do canal oficial do governo no YouTube(Assista abaixo)

"O governo de Pernambuco está publicando amanhã um novo decreto válido para todo o território com proibição de shows, festas e similares, com ou sem cobrança de ingresso, independente do número de participantes, com exceção de casamentos, formaturas e eventos sociais similares, desde que cumpridos os protocolos. Além disso, com base no atual momento epidemiológico, estamos proibindo a realização de shows e festa de Natal e revéillon, incluindo os realizados em espaços públicos, condomínios, clubes, hotéis e estabelecimentos assim, com ou sem cobrança de ingresso. Este decreto entra em vigor amanhã. A fiscalização, a partir de agora, será ainda mais intensa", declarou o secretário de Saúde do Estado, André Longo. 

Alta nos indicadores

Na ocasião, o secretário abordou também a questão da alta nos números da covid-19. "Encerramos a semana epidemiológica 49, no último sábado, com alta nos indicadores de solicitações de UTI, de casos de síndrome respiratória aguda grave, além de aumento nas taxas de ocupação de leitos. Dessa forma, esta é a terceira semana de alta nos indicadores. Saímos de um quadro de oscilações para uma tendência de crescimento de casos", explicou André Longo. 

Abertura de leitos

O secretário de Saúde lembrou ainda que, diante do aumento das taxas de ocupação, o Governo do Estado vem trabalhando para abrir novos leitos. “Em menos de um mês, já reativamos 150 leitos – os últimos 20, inclusive, foram abertos nesta segunda-feira na Maternidade Brites de Albuquerque”, concluiu.

COMENTÁRIOS

Os comentários abaixo são de responsabilidade dos respectivos perfis do facebook.