CORONAVÍRUS

De forma temporária, uso emergencial de vacinas contra covid-19 é autorizado pela Anvisa

Empresas liberadas para fazer o pedido da vacina, em caráter de emergência

Gustavo Henrique
Gustavo Henrique
Publicado em 10/12/2020 às 16:15
 Dado Ruvic / Reuters
FOTO: Dado Ruvic / Reuters
Leitura:

Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) autorizou, temporariamente o uso emergencial, em caráter experimental, de vacinas contra o novo coronavírus. A decisão foi tomada durante reunião extraordinária realizada pela diretoria da agência, nesta quinta-feira (10).

Com isso, as empresas estão liberadas para fazer o pedido em caráter emergencial. A Anvisa estabeleceu que a “dispensa de análise de impacto regulatório e de consulta pública” poderá ser feita devido ao “alto grau de urgência e gravidade”.

>>>Covid-19: Festas de Natal e Revéillon estão proibidas em todo o estado de Pernambuco

>>>Pernambuco registra aumento de 27% em casos de covid-19 nos últimos 15 dias

>>>13 capitais do Brasil têm tendência de avanço da covid-19, alerta boletim da Fiocruz

A diretora da Anvisa, Alessandra Barros, afirmou que "a autorização de uso emergencial é um mecanismo que pode facilitar a disponibilização e o uso das vacinas contra covid-19, ainda que não tenham sido avaliadas sob o crivo do registro, desde que cumpram com os requisitos mínimos de segurança, qualidade e eficácia".

Alessandra concluiu que “Qualquer autorização concedida pela Anvisa, qualquer anuência, só será feita diante de um pleito. A vacina só terá autorização de uso emergencial e experimental se houver o pleito realizado por alguma empresa”.

De acordo com a diretora, a Anvisa ainda não recebeu nenhum pedido de uso emergencial ou de registro de vacinas. As solicitações devem ser feitas através das farmacêuticas ou empresas que estejam desenvolvendo vacinas contra a covid-19. A reunião também definiu que a decisão tomada nesta quinta-feira (10), poderá ser modificada, suspensa ou cancelada a qualquer momento, tendo os elementos técnicos e científicos como base para a decisão.

Ministério da Saúde

Durante uma reunião na última quinta-feira (9), o ministro da Saúde, Eduardo Pazuello, afirmou que a vacinação contra a covid-19 no Brasil com o imunizante desenvolvido pela Pfizer/BioNTech pode começar entre dezembro de 2020 e janeiro de 2021.

"Se fecharmos o contrato com a Pfizer e se a Pfizer conseguir a autorização emergencial e a Pfizer nos adiantar alguma entrega, isso pode acontecer no final de dezembro ou em janeiro", afirmou.

Em São Paulo, o governador João Doria (PSBD), anunciou na última segunda-feira (7), o plano de vacinação do Estado contra a covid-19, ele mostra como funcionará a vacinação em São Paulo, caso a CoronaVac, vacina que está sendo desenvolvida pelo Instituto Butantan e a farmacêutica chinesa Sinovac, seja aprovada nos testes de eficácia.

A vacina deverá ser administrada em duas doses e aplicada gratuitamente no estado, de acordo com João Doria (PSDB).Na primeira fase, serão vacinados profissionais da área da saúde, indígenas, quilombolas e idosos acima de 60 anos.

O que é coronavírus?

Coronavírus é uma família de vírus que causam infecções respiratórias. O novo agente do coronavírus foi descoberto em 31/12/19 após casos registrados na China.Os primeiros coronavírus humanos foram isolados pela primeira vez em 1937. No entanto, foi em 1965 que o vírus foi descrito como coronavírus, em decorrência do perfil na microscopia, parecendo uma coroa.

A maioria das pessoas se infecta com os coronavírus comuns ao longo da vida, sendo as crianças pequenas mais propensas a se infectarem com o tipo mais comum do vírus. Os coronavírus mais comuns que infectam humanos são o alpha coronavírus 229E e NL63 e beta coronavírus OC43, HKU1.

Como prevenir o coronavírus?

O Ministério da Saúde orienta cuidados básicos para reduzir o risco geral de contrair ou transmitir infecções respiratórias agudas, incluindo o coronavírus. Entre as medidas estão:

  • Lavar as mãos frequentemente com água e sabonete por pelo menos 20 segundos, respeitando os 5 momentos de higienização.
  • Se não houver água e sabonete, usar um desinfetante para as mãos à base de álcool.
  • Evitar tocar nos olhos, nariz e boca com as mãos não lavadas.
  • Evitar contato próximo com pessoas doentes.
  • Ficar em casa quando estiver doente.
  • Cobrir boca e nariz ao tossir ou espirrar com um lenço de papel e jogar no lixo.
  • Limpar e desinfetar objetos e superfícies tocados com freqüência.
  • Profissionais de saúde devem utilizar medidas de precaução padrão, de contato e de gotículas (mascára cirúrgica, luvas, avental não estéril e óculos de proteção).
  • Para a realização de procedimentos que gerem aerossolização de secreções respiratórias como intubação, aspiração de vias aéreas ou indução de escarro, deverá ser utilizado precaução por aerossóis, com uso de máscara N95.

Mais Lidas