PROFISSIONAIS DE SAúDE

Pesquisa: Para 80% dos médicos, segunda onda de covid-19 pode ser pior que primeira

A pesquisa foi divulgada pela Associação Médica Brasileira; profissionais observam alta no números de mortes por covid-19 (novo coronavírus)

Pesquisa: Para 80% dos médicos, segunda onda de covid-19 pode ser pior que primeira

Questionados sobre a atuação do Ministério da Saúde na crise, mais da metade avaliam como ruim ou péssima - Foto: Rovena Rosa/ABr

Uma pesquisa divulgada pela Associação Médica Brasileira (AMB) revelou que, para 80% dos médicos, a segunda onda da covid-19 no Brasil será tão ou mais grave que a primeira.

70% dos profissionais observam tendência de alta, no número de mortes.

>> Covid-19: pesquisa detecta nova variante em 91% dos casos em estado brasileiro

>> Governo incentiva doação de sangue antes de vacinação contra covid-19; entenda

 

Índice de contaminação

Com o coronavírus, o índice de contaminação ficou muito acima do que ocorreu com outras doenças.

O presidente da Associação Médica Brasileira, César Eduardo Fernandes, compara o surto da covid-19 com a epidemia de meningite, que atingiu o Brasil, há quase 50 anos:

"Nenhum dos meus colegas, que eu me lembre, foi infectado pelo meningococo. Hoje, o número é brutal porque essa doença é altamente transmissível, daí, a tragédia dos números da pandemia".

Além disso, 7 a cada 10 médicos citam casos de pacientes infectados que apresentam sequelas após a cura

>> Covid-19: Amazonas já transferiu 424 pacientes para outros estados do Brasil

>> Covid-19: mortes somam mais de 226 mil e casos, 9,2 milhões

>> Governo decide sobre feriado de Carnaval em Pernambuco

>> Covid-19: Pernambuco segue em estabilidade, mas 'números ainda são preocupantes', diz André Longo

 

A pesquisa

A pesquisa, feita com quase 3.900 médicos, mostrou que, entre os que atuam na linha de frente, muitos já percebiam, no começo do mês passado, o aumento de casos (91,5%) e de mortes (69,1%).

Questionados sobre a atuação do Ministério da Saúde na crise, mais da metade avaliam como ruim ou péssima. De cada 10 médicos, 7 não acreditam que o sistema de saúde será tratado com mais prioridade, mesmo depois de todas as fragilidades expostas na pandemia.  

97,5% vão se vacinar e orientar pacientes a também o fazerem. Quase 25% dos médicos pesquisados já tiveram Covid-19. 

3 em cada 10 consideram que as autoridades de Saúde não estão aplicando adequadamente uma só medida, e 76,10% veem inadequações nas orientações de isolamento, 80% em relação à necessidade de ventilação de ambientes, 56% insuficiências no tocante a evitar aglomerações, 88,6% no rastreamento aos contactantes e 76,10% inadequações no quesito campanha para busca de serviços de Saúde, em caso de sintomas.

>> Mandetta teme por megaepidemia da variante da covid-19 e critica Governo: 'sabotam a prevenção'

>> Quando vou receber a vacina da covid-19? Veja lista de grupos prioritários

>> Antes de morrer, influenciadora Ygona Moura gravou vídeo pedindo desculpas por aglomerar

8 em cada 10 veem equívoco na desativação dos hospitais de campanha

A amostra da pesquisa traz 55,3% de médicos e 44,7% de médicas, totalizando 3.882 profissionais de Medicina. Eles foram inqueridos sobre a desativação dos hospitais de campanha, algo que ocorreu por todo o Brasil nos meses finais de 2020. O entendimento de 81,4% é de que tal decisão foi equivocada.

Distanciamento da população da prevenção

Outra consequência relacionada às fake news e à desinformação proposital se dá no descomprometimento de parcela da população com as medidas de prevenção ao novo coronavírus. Os médicos foram questionados sobre como avaliam a resposta às orientações para o uso de máscara, isolamento, distanciamento, e 50,5% dizem que, em nenhuma delas, há adesão suficiente.

Vírus fake news

Além de todos esses problemas e deficiências, a assistência é impactada por recorrentes fake news e informações sem comprovação científica.

Somam mais de 9 entre 10 (91,6% dos pesquisados) os que citam interferência negativa das notícias falsas, como o descrédito da Ciência, a dificuldade de os pacientes aceitarem as decisões dos profissionais de Saúde, o desprezo às medidas de isolamento e pressão para que sejam receitados medicamentos sem comprovação científica de eficácia.

Médicos exaustos e sobrecarregados

Naturalmente, há agravantes que se explicam pelo próprio cenário no qual os médicos atuam e relatam no levantamento. Um deles é que a síndrome de Burnout ameaça a linha de frente. Hoje, a percepção é de profissionais exaustos física e emocionalmente, estressados e ansiosos. 

Como prevenir o coronavírus?

O Ministério da Saúde orienta cuidados básicos para reduzir o risco geral de contrair ou transmitir infecções respiratórias agudas, incluindo o coronavírus. Entre as medidas estão:

  • Lavar as mãos frequentemente com água e sabonete por pelo menos 20 segundos, respeitando os 5 momentos de higienização.
  • Se não houver água e sabonete, usar um desinfetante para as mãos à base de álcool.
  • Evitar tocar nos olhos, nariz e boca com as mãos não lavadas.
  • Evitar contato próximo com pessoas doentes.
  • Ficar em casa quando estiver doente.
  • Cobrir boca e nariz ao tossir ou espirrar com um lenço de papel e jogar no lixo.
  • Limpar e desinfetar objetos e superfícies tocados com freqüência.
  • Profissionais de saúde devem utilizar medidas de precaução padrão, de contato e de gotículas (mascára cirúrgica, luvas, avental não estéril e óculos de proteção).
  • Para a realização de procedimentos que gerem aerossolização de secreções respiratórias como intubação, aspiração de vias aéreas ou indução de escarro, deverá ser utilizado precaução por aerossóis, com uso de máscara N95.

COMENTÁRIOS

Os comentários abaixo são de responsabilidade dos respectivos perfis do facebook.