FIM DO AUXíLIO EMERGENCIAL

Auxílio emergencial endivida o Brasil, mas tem que ser prorrogado, diz Fernando Henrique Cardoso

"É melhor ter dívida e ter a pessoa viva do que você não ter dívida e ter as pessoas mortas", diz ex-presidente sobre prorrogação do auxílio emergencial


Auxílio emergencial endivida o Brasil, mas tem que ser prorrogado, diz Fernando Henrique Cardoso

O ex-presidente observou, ainda, que o país tem hoje 14 milhões de desempregados e que essas pessoas não vão conseguir encontrar trabalho agora. - Foto: Welington Lima/JC Imagem

Com informações do SBT

O ex-presidente da República Fernando Henrique Cardoso afirmou, nessa quarta-feira (3) que, mesmo com o aumento da dívida pública, o governo vai ter que prorrogar o pagamento do auxílio emergencial no Brasil.

>> Presidente do Congresso e líder do governo na Câmara falam sobre possível volta do auxílio emergencial e alternativas

 

Situação de guerra

Fernando Henrique comparou o momento com uma situação de guerra. "As pessoas não vão poder ficar morrendo na rua. Não é demagogia não, é necessário", ressaltou. Ele disse que o país vai sair mais endividado do que já está e que não gosta disso, mas avaliou não haver outra alternativa no momento. 

"Não, eu não gosto disso. Mas, vai fazer o quê? É melhor ter dívida e ter a pessoa viva do que você não ter dívida e ter as pessoas mortas", concluiu.     

 

>> Petição pede extensão do auxílio emergencial até o fim da pandemia; veja como assinar

>> Prorrogação do auxílio emergencial: Veja o que dizem os novos presidentes do Senado e da Câmara dos Deputados

 

Prorrogar, mesmo com dívidas

"A situação emergencial continua e as pessoas têm que viver. Vai ter consequência negativa? O Brasil vai se endividar. É verdade. Mas, fazer o quê?", questionou em entrevista à jornalista Roseann Kennedy, no programa Poder em Foco, no SBT. 

 

>> Congresso volta com eleição e prorrogação do auxílio emergencial em pauta

>> 'Auxílio emergencial consecutivo': Projeto quer prorrogação com até 6 parcelas; veja quem pode ter direito

>> Estado brasileiro cria auxílio emergencial para famílias em extrema pobreza

 

Desempregados

O ex-presidente observou, ainda, que o país tem hoje 14 milhões de desempregados e que essas pessoas não vão conseguir encontrar trabalho agora. "No meu tempo [quando era presidente], chegou a seis, sete milhões de desempregados, era assustador. Agora tem o dobro. É horrível!", lamentou. 

 

>> Prorrogação do auxílio emergencial: Ministro da Economia, Paulo Guedes, fala sobre possibilidade

>> Projeto pede prorrogação do auxílio emergencial, com valor de R$ 600

>> Projetos criam novo programa de renda e querem prorrogar auxílio emergencial

>> Projeto pode possibilitar prorrogação do auxílio emergencial

>> Auxílio emergencial: líder do Governo passa responsabilidade para prefeitos

 

Investimentos

Ele também defendeu a necessidade de o governo preparar um ambiente de confiança no país, para atrair investimentos. "Não adianta só a vontade do presidente Jair Bolsonaro, a vontade de muita gente. O clima tem que ser mudado, tem que criar um clima para acreditar no Brasil". 

 

>> "Auxílio emergencial deve ajudar economia até meados de fevereiro", diz Guedes

>> Após auxílio emergencial, Bolsa Família pode atender mais pessoas

>> Auxílio emergencial: Governo fala sobre possibilidade de mais pagamentos

>> Projeto prevê auxílio permanente de R$ 1.200 para mães chefes de família

 

Eleições no Congresso Nacional

Fernando Henrique Cardoso comentou o resultado das eleições do deputado Arthur Lira (PP) para a Presidência da Câmara e do senador Rodrigo Pacheco (DEM) para a Presidência do Congresso, e disse que foi uma vitória do presidente Jair Bolsonaro.

Os dois tinham o apoio do Palácio do Planalto. Mas, para FHC, isso não influencia o cenário para a corrida presidencial de 2022. 

"Do ponto de vista popular, não conta muito não. Do ponto de vista popular, contam o desempenho do governo e a popularidade do presidente. O que decide eleição é a capacidade de perceber o sentimento e falar com o povo. Agora, quem vai ser capaz disso? Bolsonaro é presidente, porque demonstrou que é capaz de expressar uma parte da população, pelo menos contra a outra. Então, não acho que a eleição da Câmara e do Senado tenha essa importância tão grande para a política geral do povo. Para o país, tem".

Ele lembrou que os presidentes das duas Casas decidem a pauta e disse que, inicialmente, a tendência é de alinhamento entre Legislativo e Executivo. Mas que isso muda com o tempo. "No começo, eles jogam junto com o presidente. Depois, como é de praxe, cada um tem lá sua mania, seu apetite. Então segura uma matéria, para o presidente ceder alguma coisa", alertou. 

Ele observou, ainda, que é importante o presidente da República ter boa relação com os congressistas. "Eu sempre tive apoio. Eu fui parlamentar, como Bolsonaro também foi. Só que ele parece que foi menos atuante do que eu era na minha época. Então, tem conversar com os parlamentares e receber, falar, tal, ouvi-los. E ouvi-los não quer dizer que você está de acordo. Mas dá um sinal de que você costuma levar em consideração", orientou. 

Poder em Foco 

A entrevista completa com o ex-presidente Fernando Henrique Cardoso será exibida no próximo domingo (7), no SBT, logo após o Programa Silvio Santos. O Poder em Foco é apresentado por Roseann Kennedy, que semanalmente recebe um jornalista convidado. Nesta semana é Marcelo de Moraes, do jornal O Estado de São Paulo.

COMENTÁRIOS

Os comentários abaixo são de responsabilidade dos respectivos perfis do facebook.