AUXíLIO EMERGENCIAL RESIDUAL

Auxílio emergencial: Medidas provisórias que permitiram o pagamento perdem a validade; entenda o que significa

Medidas provisórias permitiram o pagamento de mais parcelas do auxílio emergencial

Auxílio emergencial: Medidas provisórias que permitiram o pagamento perdem a validade; entenda o que significa

MPs do auxílio emergencial residual perdem vigência - Foto: Marcelo Camargo/Agência Brasil

Com informações da Agência Senado

Duas medidas provisórias que regeram o auxílio emergencial residual perderam a validade: a MP 999/20, que abriu crédito de R$ 67,6 bilhões para o governo efetuar o pagamento do benefício; e a MP 1000/20, que prorrogou a concessão do auxílio criado pelo Congresso para amparar as famílias durante a pandemia, mas com valor reduzido para R$ 300.

 

>> Além do Auxílio Emergencial, novo programa de renda fixo e ampliação do Bolsa Família são discutidos

>> Novo auxílio emergencial: benefício pode voltar a ser pago em março, diz Bolsonaro

>> Auxílio emergencial: caso benefício volte em março, qual será o valor da parcela?

 

Benefício

A MP 999/20 abriu crédito de R$ 67,6 bilhões ao Ministério da Cidadania para pagamento das novas parcelas do auxílio emergencial criado para o enfrentamento da crise econômica causada pelas medidas de enfrentamento à pandemia de Covid-19.

 

>> Prorrogação do auxílio emergencial: valor de R$ 200 a R$ 600, redução de beneficiários, duração de 4 a 12 meses; veja propostas em análise no Governo

>> Novo auxílio emergencial: Proposta do governo pode reduzir valor, cortar Bolsa Família e fazer exigências aos beneficiários

>> Auxílio emergencial terá pagamentos nesta quarta (10); veja se recebe e qual parcela

>> Auxílio emergencial e Bolsa Família: Morte de senador adia instalação de comissão que vai discutir benefícios em 2021

>> Auxílio emergencial: Após Paulo Guedes dizer que Bolsa Família pode ficar fora, Bolsonaro também sinaliza redução de beneficiários

 

Já a MP 1000/20 prorrogou o pagamento do auxílio emergencial até dezembro, com valor de R$ 300, metade dos R$ 600 que foram pagos entre abril e agosto. Além do valor menor, a MP estabeleceu novos critérios para determinar os beneficiários das quatro parcelas de R$ 300 entre setembro e dezembro.

Ambos os textos foram publicados no Diário Oficial da União do dia 3 de setembro.

 

O que acontece?

Na prática, a perda de validade das MPs não altera nada, pois o auxílio emergencial já foi pago. Regimentalmente, cabe agora ao Congresso Nacional disciplinar, por decreto legislativo, as relações jurídicas do período em que a MP estava vigente.

 

>> Senadores cobram urgência na prorrogação do auxílio emergencial: ''Necessidade inadiável''

>> BIP: Novo auxílio emergencial é analisado pelo Governo e pode pagar até R$200 por mês

>> Bolsonaro fala em 'novo auxílio' para substituir auxílio emergencial

>> Presidente do Senado espera que decisão sobre volta do auxílio emergencial seja tomada ainda nesta semana

 

Se esse decreto não for editado, no prazo de 60 dias, as relações jurídicas estabelecidas, durante os 120 dias de vigência da norma permanecem regidas pelo teor das MPs.

 

>> Prefeitura do Recife anuncia auxílio emergencial de Carnaval; veja quem tem direito e como será

>> Incremento no Bolsa Família ou novo auxílio emergencial: Presidente do Senado volta a falar sobre benefício

>> ''Estamos negociando'', diz Jair Bolsonaro sobre prorrogação do auxílio emergencial

>> Novo auxílio emergencial: Pacheco e Guedes querem benefício em troca de pauta fiscal

COMENTÁRIOS

Os comentários abaixo são de responsabilidade dos respectivos perfis do facebook.