VOTAçãO DE PEC

Novo auxílio emergencial: confira prazos divulgados pelo governo para novas definições

Entenda o que falta para o retorno do auxílio emergencial

Novo auxílio emergencial: confira prazos divulgados pelo governo para novas definições

As votações da recriação do auxílio emergencial e de medidas de corte de gastos obrigatórios estão mantidas - Foto: Marcelo Camargo/Agência Brasil

Com informações da Agência Brasil e da Agência Senado

As votações da recriação do auxílio emergencial e de medidas de corte de gastos obrigatórios estão mantidas, disseram os presidentes da Câmara dos Deputados, Arthur Lira, e do Senado, Rodrigo Pacheco, nessa quinta (18). O compromisso foi acertado, após um almoço na residência oficial do presidente do Senado.

Participaram do encontro o presidente da Câmara dos Deputados, Arthur Lira, e os ministros da Economia, Paulo Guedes, e da Secretaria de Governo, Luiz Eduardo Ramos, além da presidente da Comissão Mista de Orçamento (CMO), deputada Flávia Arruda (PL-DF) e do senador Marcio Bittar, que também relata o Orçamento Geral da União para 2021 (PLN 28/2020).

 

>> Novo auxílio emergencial: saiba se beneficiários do Bolsa Família devem seguir no programa

>> Novo auxílio: beneficiários devem ser inclusos através de seleção prévia

>> Auxílio emergencial: 33 milhões de brasileiros devem receber nova rodada do benefício

 

Prazos

O presidente do Senado, Rodrigo Pacheco (DEM-MG), afirmou que a proposta de emenda à Constituição (PEC) Emergencial (PEC 186/2019), que destrava o pagamento do auxílio emergencial, será votada na próxima quinta-feira (25).

Segundo ele, o relator da medida, senador Márcio Bittar (MDB-AC), apresentará o relatório até a próxima segunda-feira (22). 

A equipe econômica ainda não definiu o valor do novo auxílio emergencial, que vai depender dos recursos a serem poupados, com a versão final da PEC Emergencial.

 

>> Número do CPF pode indicar quem irá receber novo auxílio emergencial

>> Proposta que permite novo auxílio emergencial já está pronta; entenda o que falta

 

PEC Emergencial

Segundo Pacheco, o Senado começará a discutir a PEC Emergencial na próxima semana, decisão que foi tomada durante a reunião de líderes do Senado feita nessa quinta-feira.

Ele afirmou que o relator da PEC, senador Márcio Bittar (MDB-AC), incluirá no parecer uma cláusula de calamidade, que permitirá que a recriação do auxílio emergencial não viole o teto de gastos, nem a meta fiscal para 2021. 

"Essa aprovação pelo Senado permitirá, através de uma cláusula de orçamento de guerra, uma cláusula de calamidade, que se possa ter a brecha necessária para implantar o auxílio emergencial no Brasil”, disse Pacheco. “Não se trata de uma condição imposta pelo governo, mas de uma sinalização positiva de que o Congresso e o Senado têm responsabilidade fiscal. Com a cláusula de guerra, vamos poder prorrogar o auxílio emergencial”.

O senador Márcio Bittar também é relator do Orçamento Geral da União, que deve ser votada até março. Essa PEC inicia sua tramitação pelo Senado e, se aprovada, seguirá para a Câmara.

 

A PEC emergencial traz gatilhos que podem ser acionados para controlar as despesas da União, como a redução de salários e jornada de servidores públicos.

O texto original cria mecanismos de ajuste fiscal, caso as operações de crédito da União excedam a despesa de capital. No caso de estados e municípios, o gatilho é a elevação das despesas correntes acima do limite de 95% das receitas correntes. A PEC Emergencial também modifica limites para gastos com pessoal e proíbe que novas leis autorizem o pagamento retroativo desse tipo de despesa.

O ministro Paulo Guedes elogiou o compromisso dos presidentes da Câmara e do Senado com a responsabilidade fiscal.

O ministro não deu detalhes das propostas de corte de gastos acertadas para compensar a recriação do auxílio emergencial.

“PEC recauchutada”

Mais cedo, nessa quinta (18), durante uma entrevista coletiva virtual, o líder da Minoria no Senado, Jean Paul Prates (PT-RN), disse que o Poder Executivo deve sugerir mudanças na PEC Emergencial e na PEC do Pacto Federativo (188/2019). De acordo com Prates, o novo texto deve evitar pontos considerados polêmicos, como a possibilidade de redução de salário para servidores públicos.

Segundo o parlamentar, a “PEC recauchutada” deve manter dispositivos para acionamento da regra de ouro, normas para sustentabilidade da dívida pública e ressalvas que assegurem o equilíbrio fiscal “intergeracional”. Ainda de acordo com Prates, a aprovação da matéria seria “condição” para a renovação do auxílio emergencial. Ele disse que a Minoria vai insistir na manutenção de um benefício de R$ 600.

Prisão de deputado

Após a prisão do deputado Daniel Silveira (PSL-RJ), especulou-se que as votações no Legislativo pudessem ser atrasadas em razão de uma possível crise política. O presidente da Câmara dos Deputados afirmou que, mesmo com todos os problemas, as pautas traçadas pelo governo, pela Câmara e pelo Senado estão mantidas.

“Vamos continuar a tratar dos assuntos importantes para o Brasil, como as propostas de emenda à Constituição que tramitam na Câmara e no Senado, as vacinas e o combate à pandemia. Todos os outros assuntos são laterais”, declarou Lira. Segundo o presidente da Câmara, a democracia é caracterizada pela firmeza das instituições.

COMENTÁRIOS

Os comentários abaixo são de responsabilidade dos respectivos perfis do facebook.