CâMARA DOS DEPUTADOS

Além do auxílio emergencial, programa de renda que substitua ou amplie o Bolsa Família é discutido

O presidente da Câmara dos Deputados falou também sobre valor do auxílio emergencial e explicou como proposta que viabiliza benefício afeta investimentos em saúde e educação

Além do auxílio emergencial, programa de renda que substitua ou amplie o Bolsa Família é discutido

Lira defende desvinculação do Orçamento e afirma que saúde e educação não perderão recursos - Foto: Agência Brasil

Com informações da Agência Câmara de Notícias

O presidente da Câmara dos Deputados, Arthur Lira (PP-AL) falou sobre a retomada do auxílio emergencial, em 2021, durante uma live promovida pelo jornal Valor Econômico, nessa terça-feira (23).

Valor do auxílio emergencial

Lira voltou a defender a aprovação de um auxílio emergencial para atender os mais vulneráveis, mas com responsabilidade fiscal.

Ele destacou que o valor aprovado no passado de R$ 600 ajudou muito a economia e os mais necessitados, mas afirmou que não há espaço fiscal para esse valor agora.

Segundo ele, o novo benefício deve ser feito com responsabilidade, mas não houve referência do valor do novo auxílio emergencial.

 

>> Novo auxílio emergencial terá valor de R$ 300 ou R$200, e por quantos meses? Pode aumentar? Veja o que defendem setores do governo

>> Proposta que viabiliza novo auxílio emergencial também possibilita cortes em Saúde e Educação, e é criticada

 

 

Programa permanente de renda

Lira defendeu ainda um programa permanente de renda que substitua ou amplie o bolsa família.

“Vamos ter que fazer um ajuste fino, ajustar quem está fora do cadastro único e dar perspectiva de um programa permanente, mas para isso voltamos para a folga orçamentária, não dá para ferir o teto sem readequar as despesas. Não dá para discutir um novo programa sem uma contrapartida de ter uma forma diferente de fazer o orçamento” explicou o presidente.

Arthur Lira também avalia positivamente a inclusão de uma cláusula de calamidade no texto das PECs Emergencial e do Pacto Federativo para abrir espaço fiscal e permitir flexibilidade orçamentária para incluir mais três ou quatro meses de auxílio emergencial.

O senador Márcio Bittar (MDB-AC), relator da PEC Emergencial, que vai viabilizar o retorno do auxílio emergencial, disse que, enquanto as parcelas do auxílio forem pagas, o Planalto trabalha na elaboração do novo programa social para substituir o Bolsa Família.

O parlamentar reconhece a importância do programa, mas diz que é necessário modernizar a ajuda para as pessoas de baixa renda. "Eu vejo que é fundamental para um país como o nosso, com tantas distorções, você ter um programa mais moderno que o Bolsa Família. Hoje nós sabemos que quem está no Bolsa Família tem medo da carteira assinada", defendeu.

 

>> Veja o que falta e a previsão para o início dos pagamentos do novo auxílio emergencial; mais definições acontecem nesta semana

>> Veja o que define proposta que permite novo auxílio emergencial

>> Quem fica fora do novo auxílio emergencial? Saiba se você terá direito ou não

 

Fim da exigência de gastos mínimos com saúde e educação

O presidente da Câmara dos Deputados defendeu a desvinculação das receitas do Orçamento da União e afirmou que essa alteração não vai retirar recursos da saúde, nem da educação. A proposta acaba com a exigência constitucional de gastos mínimos obrigatórios nas duas áreas. Segundo Lira, a ideia é apenas tirar o engessamento imposto aos gestores dos entes federados (União, estados e municípios). 

Na avaliação do presidente da Câmara, muitas vezes, para cumprir a exigência constitucional, os prefeitos e governadores são obrigados a fazer gastos desnecessários nas áreas de saúde e educação. Lira criticou os parlamentares que afirmam que os recursos nessas áreas serão reduzidos. “É muita leviandade do parlamentar dizer que, com a desvinculação, a educação e a saúde vão perder recursos. Isso é versão de corporações”, criticou.

Segundo Lira, ainda não há uma contagem de votos para saber se a proposta seria aprovada. O importante, para ele, é discutir o tema. “Que essa discussão seja feita de forma transparente, mas essa discussão precisa ser trazida”, defendeu.

“Você chega com programa como o médico da saúde da família: o governo entra com 20%, e o município, com 80%. É muito custo repassado e machuca muito [os municípios]. Isso que se faz com que seja o ponto central de discussão”, ressaltou Lira.

COMENTÁRIOS

Os comentários abaixo são de responsabilidade dos respectivos perfis do facebook.