Novo programa

Bolsa Família 'turbinado' deve começar em agosto, diz ministro da Cidadania; o que vai mudar?

Entenda o que deve mudar no Bolsa Família, em 2021

Karina Costa Albuquerque
Karina Costa Albuquerque
Publicado em 23/03/2021 às 8:22
JC Imagem
FOTO: JC Imagem
Leitura:

O governo federal pretende começar a pagar um Bolsa Família ampliado, em 2021. É o que diz o ministro da Cidadania, João Roma, em entrevista exclusiva ao SBT News.

O ministro já havia falado sobre a ampliação do Bolsa Família, na última sexta-feira (19). A ideia é que o Bolsa Família 'turbinado' tenha início em agosto, assim que terminar o pagamento da segunda rodada do auxílio emergencial.

>> Calendário do auxílio emergencial 2021: confira datas de pagamento para beneficiários do Bolsa Família em abril, maio, junho e julho

>> Confira como consultar se vai receber auxílio emergencial 2021 a partir de abril

>> Auxílio emergencial 2021 começa a ser pago em que dia? O que falta?

O que vai mudar?

A ideia é atender a um número maior do que os atuais 14,2 milhões de famílias e com valores que vão acima do teto, hoje em pouco mais de R$ 200.

"Na sequência [do auxílio emergencial], vamos nos dedicar à reestruturação do Bolsa Família. Reestruturação essa que nós almejamos a ampliação e o fortalecimento do programa, tanto em níveis financeiros, ampliando o valor do pagamento do programa, como também buscando ampliar as políticas de assistência social para esse público mais vulnerável do Brasil", afirmou Roma.

De acordo com o ministro, esse é um pedido do presidente Jair Bolsonaro.

>> Calendário do Bolsa Família de março: veja se recebe nesta semana e se será com 13º salário

>> Calendário: usado no pagamento do auxílio emergencial e Bolsa Família, veja se pode atualizar cadastro no Caixa Tem, nesta terça (23)

>> Auxílio emergencial 2021: precisa fazer cadastro de novo? E quem não é cadastrado?

Projeto começou em 2020

João Roma assumiu a pasta da Cidadania em fevereiro e tem como missão conseguir tirar do papel esta ampliação do Bolsa Família que o governo federal tenta viabilizar há mais de um ano.

O projeto chegou a ter dois nomes provisórios distintos, "Renda Brasil" e "Renda Cidadã". A ideia acabou não avançando porque, até hoje, não se conseguiu apontar de onde sairiam os recursos extras para turbinar o programa social.

O ministro da Economia, Paulo Guedes, já apresentou várias ideias a Bolsonaro, que rechaçou todas. Parlamentares também estão trabalhando para conseguir encontrar uma saída fiscal para reforçar o benefício e seguem em diálogo com o Executivo.

O ministro disse ao SBT News que também tem conversado diretamente com o ministério da Economia e que, embora haja momentos "tensos" nas negociações entre as duas pastas, o diálogo tem avançado.

>> Caixa Econômica Federal: veja como serão divididos os calendários do auxílio emergencial 2021

>> Auxílio emergencial 2021 poderá ser movimentado via Pix ou transferências?

>> Auxílio emergencial em 2021: valores de R$ 175, R$ 250 e R$ 375 podem aumentar?

>> Auxílio emergencial 2021: mães chefes de família vão receber valor em dobro de novo?

Auxílio emergencial 2021

A nova rodada do auxílio emergencial, em 2021, para ajudar pessoas em dificuldade durante a pandemia de covid-19, já tem previsão de início de pagamentos para quem já está inscrito no cadastro único do governo federal e para os trabalhadores informais que receberam o auxílio emergencial em 2020, pela conta digital Caixa Tem. Os beneficiários do Bolsa Família já tiveram todos os calendários do auxílio emergencial 2021 divulgados.

O valor do auxílio emergencial vai variar entre R$ 150 e R$ 375 e será pago por quatro meses - de abril a julho.

Mais Lidas