Pandemia

Covid-19: Mesmo com auxílio emergencial, governo tem obrigação de vacinar os informais em 4 meses, diz Guedes


Mesmo quem tem auxílio emergencial precisa sair para trabalhar, diz ministro Paulo Guedes, que pede vacinação em massa

Karina Costa Albuquerque Karina Costa Albuquerque
Karina Costa Albuquerque
Karina Costa Albuquerque
Publicado em 23/03/2021 às 11:15
BOBBY FABISAK/JC IMAGEM
FOTO: BOBBY FABISAK/JC IMAGEM
Leitura:

O governo tem a obrigação de vacinar, nos próximos quatro meses, todos os 38 milhões de brasileiros que receberão a nova rodada do auxílio emergencial, disse o ministro da Economia, Paulo Guedes, nessa segunda (22).

Segundo Guedes, essas pessoas precisam sair de casa para trabalhar, mesmo recebendo o benefício.

"Quero dar ênfase para a necessidade de vacinação em massa. Está muito claro hoje que o desemprego, a recessão de hoje, teve uma focalização muito grande particularmente nos mais vulneráveis, os 38 milhões de brasileiros que ganham seu pão, seu dia a dia, literalmente a cada dia", disse o ministro, ao comentar o resultado da arrecadação de fevereiro.

>> Média de mortes por covid-19 cresce há um mês, diz Fiocruz

>> Covid-19: em 19 dias, março se torna mês mais letal da pandemia no Brasil

>> Ex-presidente Dilma Rousseff é vacinada contra a covid-19: 'Vacinem-se. Cuidem-se'

>> Covid-19: Mais de 2 mil empresas fecharam as portas em Pernambuco durante pandemia

Vacinação acelerada

Na avaliação de Guedes, a vacinação em massa precisa ser acelerada ao máximo para assegurar o retorno seguro ao trabalho, principalmente dos informais, que constituem a população mais vulnerável.

“Particularmente, esses mais vulneráveis não podem ficar em casa, no isolamento social, tendo sua sobrevivência garantida. Mesmo a gente fornecendo auxílio emergencial, são as famílias mais frágeis. Eles têm às vezes 8, 9, 10 pessoas em habitações muitas vezes de só um cômodo, e são pessoas que querem trabalhar e precisam trabalhar, eles pedem para trabalhar”, declarou.

>> Secretário diz que única medida de evitar curva crescente da covid-19 é reduzir a circulação de pessoas

>> Por causa do desrespeito da população, Pernambuco chegou à segunda onda de contágio pela covid-19

>> Mais de 70% dos brasileiros acham que pandemia da covid-19 piorou, revela pesquisa

Distanciamento social

Nas palavras do ministro, há uma “assimetria de informação” entre a população de alta, média e baixa renda. Segundo Guedes, enquanto as pessoas de maior renda toleram melhor o distanciamento social, as pessoas de classes mais baixas “têm um desejo desesperado pelo trabalho”, daí a necessidade de vacinar em massa os trabalhadores informais e os demais beneficiários do auxílio emergencial.

“Mesmo com a cobertura que vamos estender, mais do que nunca, temos que evitar a crueldade do dilema que é: ou fica em casa com dificuldades para manutenção da sua sobrevivência pessoal, ou vão sair arriscado a perder a vida pela covid. Então, a vacinação em massa tem que ser acelerada ao máximo para garantir a chance de sobrevivência e o retorno seguro ao trabalho, principalmente para as camadas mais vulneráveis”, justificou o ministro.

>> Covid-19: "Muitas pessoas estão vivendo como se não houvesse pandemia", diz secretário de saúde

>> Covid-19: Pernambuco continua com alta taxa de ocupação de leitos de UTI

>> Covid-19: "Ou todos cooperam, ou vai faltar leitos para quem precisa", diz secretário

Mais Lidas