Menino Henry

Conversas no celular da mãe de Henry revelam agressões de Doutor Jairinho ao menino; mensagens mais significativas são trocadas com babá

As mensagens foram determinantes para a prisão da mãe de Henry e do vereador do Rio de Janeiro, Dr. Jairinho, pela morte dele

Karina Costa Albuquerque
Karina Costa Albuquerque
Publicado em 09/04/2021 às 8:42
Reprodução
FOTO: Reprodução
Leitura:

O delegado da Polícia Civil Henrique Damasceno, responsável pela investigação da morte do menino Henry, disse que mensagens recuperadas no celular da mãe Monique Medeiros mostram relatos de agressões à criança.

"Existiam lesões sérias apontadas nos laudos, que levantaram suspeitas desde o início", disse Damasceno.

Uma das provas mais contundentes trata-se de mensagens apagadas e recuperadas no aparelho de Monique, que teria escondido o suposto assassino, o padrasto, o vereador do Rio Doutor Jairinho.

>> Confira as mensagens trocadas entre a mãe e a babá de Henry, que mostram agressões ao menino, na íntegra

Participação da mãe

O espaço e o tempo entre a entrega do menino à mãe pelo pai da criança, Leniel Borel, e a morte de Henry, segundo a polícia, levaram à conclusão da participação de Monique e Doutor Jairinho no assassinato do menino. O inquérito ainda está em curso, mas as prisões já foram decretadas.

"Ficou claro que o Henry foi deixado pelo pai, às 19h30 (domingo, 8 de março). Quando ele subiu, ele não se queixou. Existe uma foto, ele estava sorrindo, estava saudável. Em um curto intervalo curto de tempo, chegou morto ao hospital", disse Damasceno.

A mãe e o padrasto tentaram maquiar o assassinato. "Eles tentavam demonstrar um núcleo harmonioso, mas as buscas e apreensões mostraram o contrário." "A mãe não só se omitiu, como aceitou o resultado", disse o delegado.

As mensagens mais significativas foram trocadas entre Monique e a babá de Henry.

Isolados

O padrasto e a mãe do menino Henry Borel passaram a primeira noite em prisões diferentes no Rio de Janeiro. O casal foi preso ontem (8.abr) acusado de matar e torturar a criança de 4 anos.

Os suspeitos não podem receber visitas na cadeia por 14 dias e ficarão isolados em quarentena por causa da pandemia.

Ontem, o Conselho de Ética da Câmara de Vereadores do Rio afastou Dr. Jairinho (sem partido) e decidira apresentar representação contra ele por falta de decoro.

Dr. Jairinho também foi expulso de seu antigo partido, o Solidariedade.

Saiba mais

Caso Henry: Câmara do Rio de Janeiro corta salário de Dr. Jairinho e anuncia suspensão do mandato

Polícia não tem dúvida de que Dr. Jairinho é o autor da morte de Henry

Caso Henry: "Não existe agressão", diz advogado do vereador Dr. Jairinho e da mãe do menino

Caso Henry: Dr. Jairinho e mãe do menino prestam depoimento em delegacia

Caso Henry: entenda como padrasto Dr. Jairinho foi de testemunha a acusado pela morte; mãe também é suspeita

Caso Henry: Mãe de Henry foi a salão de beleza, após enterro do filho

Caso Henry: Vereador Dr. Jairinho e mãe de Henry são presos suspeitos de matar criança no Rio

Mais Lidas