mortes

Covid-19: Prefeitura de Olinda alega que procura por túmulos cresceu 200% durante pandemia


A informação foi repassada pela Secretaria de Gestão Urbana de Olinda após atraso no enterro de uma doméstica

Robert Sarmento
Robert Sarmento
Publicado em 06/05/2021 às 15:20
Reprodução/TV Jornal
FOTO: Reprodução/TV Jornal
Leitura:

Após a família de Sandra Helena, que morreu por tomar um choque elétrico, reclamar da dificuldade para conseguir realizar o enterro da doméstica, a produção da TV Jornal entrou em contato com a Prefeitura de Olinda para entender qual o motivo da demora. A Secretaria de Gestão Urbana do município informou que, durante a pandemia da covid-19, a cidade teve um aumento de 200% na procura por túmulos e alguns atrasos podem ocorrer. Os parentes da mulher afirmaram que o enterro foi remarcado para às 15h desta quinta-feira (06).

A doméstica Sandra Helena Freitas da Silva, de 56 anos, morreu depois de sofrer uma descarga elétrica quando passava por uma área alagada no bairro do Varadouro. O acidente acendeu o alerta para o risco de choque em áreas públicas que possuem fiação subterrânea e ficam com água acumulada em dias de chuva. De acordo com a Celpe, uma equipe técnica foi até o local e realizou inspeções nas caixas de passagens de cabos subterrâneos. Confira a nota na íntegra abaixo.

''A Companhia Energética de Pernambuco (Celpe) informa que uma equipe técnica retornou à Avenida Olinda, no Varadouro, na manhã desta quinta-feira (06), para realizar novas inspeções nas caixas de passagens de cabos subterrâneos. A verificação preventiva identificou ações de vandalismo e constatou registros de furtos de fiação na área. A empresa reitera que apenas profissionais da Celpe estão capacitados e autorizados a intervir nos sistemas de distribuição de energia. A concessionária reforça que intervenções indevidas na rede elétrica colocam em risco a vida de quem pratica a irregularidade e de toda a sociedade''.

Falta de vaga em cemitério de Camaragibe

Os familiares de um homem precisaram enterrar o corpo dele em outro município por falta de vaga no cemitério público de Camaragibe. O desabafo foi feito nas redes sociais, por meio de um vídeo onde ele narrou toda situação. "Quando estávamos lá, vimos outras famílias indo enterrar em Tracunhaém. Nas redes sociais soubemos de outros relatos", comentou o genro da vítima, o vigilante Gleison Coelho.

Mortes por covid-19

A alta da procura por túmulos em Olinda pode estar relacionada com os números de vítimas fatais da covid-19 em Pernambuco. Nesta quinta-feira (06), por exemplo, a Secretaria Estadual de Saúde registrou o maior número de casos da covid-19 em único boletim desde o início da pandemia, sendo 3.074 pessoas infectadas e 52 óbitos, ocorridos entre 14/11/2020 e 05/05/2021.

Mais Lidas