DIA DAS MãES

'Não vivi o parto': mãe conta como venceu Covid-19 e conheceu filha

Tâmara Lima deu à luz quando estava prestes a ser intubada e tem motivos de sobra para celebrar o primeiro Dia das Mães com a filha caçula

'Não vivi o parto': mãe conta como venceu Covid-19 e conheceu filha

Após vencer a Covid-19, Tâmara Lima vai passar o primeiro Dia das Mães com a filha caçula - Foto: Reprodução/TV Jornal

O Dia das Mães por si só já é uma data especial. E ganha um significado maior quando se tem saúde em meio a uma pandemia que já deixou mais de 400 mil mortos - quase 15 mil só em Pernambuco. A técnica de enfermagem Tâmara Rainne Lima, de 33 anos, tem motivos de sobra para, neste domingo (9), celebrar a vida ao lado das filhas Laís, 5 anos, e Luísa, 1. Ela se recuperou da Covid-19 e vai passar o primeiro Dia das Mães ao lado da caçula, com quem compartilhou momentos difíceis da luta contra a doença. Tâmara precisou ser intubada, teve o parto antecipado, passou 30 dias na UTI e, quando acordou, não lembrava que tinha dado à luz. “Eu não vivi esse momento tão importante (do parto)”, lamenta.

Na gravidez da segunda filha, Luísa, a técnica de enfermagem fez muitos planos. Chá de fraldas, ensaios de gestante, fotos do momento do parto. E para garantir que teria uma gravidez tranquila, saiu do Recife para ficar de quarentena no interior de Pernambuco, na cidade de Gravatá, no Agreste do Estado.

Mesmo seguindo todos os protocolos de prevenção contra a Covid-19, Tâmara Lima começou a apresentar sintomas da doença aos 8 meses de gestação. No dia 18 de abril de 2020, pouco mais de um mês após o primeiro caso confirmado da doença ser registrado em Pernambuco, a técnica de enfermagem começou a sentir muita falta de ar. Sem conseguir respirar, ela precisou ser internada e teve que antecipar o parto de Luísa para a 35° semana de gestação. A partir daí, teve início uma verdadeira luta pela própria vida e pela vida do bebê.

“Ela estava programada para chegar no dia 19 de maio e chegou no dia 18 de abril. Eu me internei na sexta-feira à noite e no sábado tive que fazer uma cesariana de urgência”, contou Tâmara.

Tâmara Lima e o marido, Filipe Souza, com as duas filhas, Laís e Luísa
Tâmara Lima e o marido, Filipe Souza, com as duas filhas, Laís e Luísa
Acervo pessoal

Antes do parto às pressas, o marido de Tâmara, o motorista de aplicativo Filipe Souza, teve que fazer uma escolha difícil, salvar a vida da filha ou da esposa. “A médica me perguntou se eu concordava em interromper a gravidez e qual era a minha preferência. Eu disse que não tinha. Que queria salvar a vida das duas”, lembrou Filipe Souza.

O parto ocorreu bem e Luísa foi direto para a UTI neonatal. O nascimento prematuro fez com que ela ficasse 9 dias internada, dois deles intubada. Tâmara Lima não viu a filha. Por causa do comprometimento respiratório, e pelo estado de saúde delicado, a técnica de enfermagem ficou inconsciente na UTI durante dias.

Tâmara Lima encontra a filha caçula pela primeira vez após ficar mais de 30 dias internada com Covid-19
Tâmara Lima encontra a filha caçula pela primeira vez após ficar mais de 30 dias internada com Covid-19
Acervo pessoal

Somente 30 dias depois de ter dado entrada no hospital, ela foi pra casa. No dia 19 de maio de 2020, o encontro entre Tâmara e a filha recém-nascida, Luísa, pôde, enfim, acontecer. As lágrimas foram inevitáveis e a emoção foi registrada em vídeo pelo marido. Para Tâmara, este Dia das Mães será especial. Um dia para celebrar a maternidade e o milagre de acordar e ter no colo a filha, que junto com a mãe, foi mais forte que o Coronavirus.

“É uma emoção enorme. Por mais que eu não esteja 100% de saúde, só de estar viva é uma alegria imensa”, comemora Tâmara Lima.

Recuperação

Mais de um ano depois, Tâmara Lima ainda luta com as sequelas da doença. Faz reabilitação motora e pulmonar e precisou fazer traqueoplastia. Atualmente, continua isolada com as filhas na cidade de Gravatá com medo de novas infecções. Ela sabe bem o que a Covid-19 é capaz de fazer.

Grávidas com Covid-19 em Pernambuco

De acordo com a Secretaria Estadual de Saúde de Pernambuco, no ano de 2020 foram confirmados 1.794 casos leves em gestantes e 123 casos graves. No mesmo período, foram notificados 34 óbitos maternos suspeitos de Covid-19. Em 2021, a Secretaria de Saúde de Pernambuco não confirmou nenhum caso.

No início do mês de Maio, o Recife deu início à vacinação contra a Covid-19 em grávidas e puérperas, que são as mulheres que deram à luz há menos de 45 dias.

COMENTÁRIOS

Os comentários abaixo são de responsabilidade dos respectivos perfis do facebook.