ação desastrosa

Veja documento que dá detalhes e nome de quem teria dado ordem para polícia agir em protesto contra Bolsonaro no Recife

A circular é uma das principais provas para a Corregedoria da Secretaria de Defesa Social (SDS) decifrar, de vez, os culpados pela ação desastrosa da PM, que acabou deixando dois trabalhadores cegos de um dos olhos

Publicado em 05/06/2021 às 17:20
Felipe Ribeiro/JC Imagem
FOTO: Felipe Ribeiro/JC Imagem
Leitura:

Um documento de comunicação interna da Polícia Militar de Pernambuco (PMPE) descreve, em detalhes, quem deu as ordens e como foi a sequência de ações do Batalhão de Choque contra os manifestantes no ato que fazia críticas ao governo Bolsonaro, na área central do Recife, no último dia 29 de maio. A informação foi revelada pela coluna Ronda JC, que teve acesso ao documento.

A circular é uma das principais provas para a Corregedoria da Secretaria de Defesa Social (SDS) decifrar, de vez, os culpados pela ação desastrosa da PM, que acabou deixando dois trabalhadores cegos de um dos olhos.

Acesse a coluna Ronda JC e confira todos os nomes e detalhes da ação desastrosa que culminou na queda do Secretário de Defesa Social de Pernambuco, Antônio de Pádua.

Identificação de quem disparou

A Secretaria de Defesa Social já sabe quem fez os disparos de elastômero, conhecida como “bala de borracha”, contra o arrumador de contêiner Jonas Correia de França, de 29 anos, na ponte Princesa Isabel. O caso aconteceu durante um protesto contra o governo de Jair Bolsonaro no sábado (29), no Centro do Recife. Jonas não participava do ato e foi atingido no olho direito. O resultado da investigação da SDS, responsável pela identificação, teria sido encaminhado ao governador Paulo Câmara. Jonas não participava do ato e foi atingido no olho direito. Para nossa reportagem ele disse que os médicos já deram o diagnóstico de que o arrumador perdeu a visão. O militar identificado é do Batalhão de Choque

Mais Lidas